13 de outubro de 2009

Urinar no banho


A crónica do Luís Pedro Nunes no Expresso desta semana deixou-me deveras perturbado (a ler aquihttp://aeiou.expresso.pt/luis-pedro-nunes=s24975).

Longe de mim pretender contrariar as teses ambientalistas e os ecologistas que defendem a ideia de actuar imediatamente, forma prosaica de dizer que se deve mijar enquanto se toma banho.

Defendem os especialistas (??) que se poupam uns milhares de litros de água em descargas de autoclismo com este procedimento (a campanha publicitária aqui http://www.xixinobanho.org.br/)..

Mas a coisa não está bem explicada.

Qundo se defende esta tese, está-se a pensar no duche, não é?

Quer dizer, enquanto corre a água do chuveiro, há algo de mais amarelado a correr um pouco mais abaixo.

É isso, não é?

Ninguém está a pensar satisfazer a necessidade fisiológica em causa no banho de imersão, pois não?

Ou será que já chegámos a esses extremos para poupar água?

4 comentários:

  1. Já conhecia esta campanha à algum tempo e, como dizias noutro post, à especificidades dos locais que contextualizam a questão. Nota que há ainda a frase esclarecedora "a água corrente leva tudo embora", que coloca de parte o banho de imersão.
    Mas vamos a factos. Pegando no caso de São Paulo, segundo os censos de 2007, há 19 milhões de pessoas apenas na região metropolitana daquela cidade - sei que para quem vive na China isso pode não impressionar, mas é quase o dobro da população aqui da terrinha. A família da Daniela (minha mulher) vive lá, e nas nossas idas ao Brasil tenho notado nos últimos anos um constante racionamento no fornecimento da água, o que constitui um problema grave naquele país.
    O Brasil tem particularidades muito interessantes, sendo uma delas a sua capacidade de improviso. Esta não me parece muito grave – sim, confesso que em momentos de aperto também faço xixi no "duche" – e no caso deles, pequenas medidas como estas podem significar mesmo muitas poupanças. Só por curiosidade, posso dizer que já vi lá muitas outras situações em distintos níveis como, por exemplo: aconselhar a colocar uma garrafa de 1,5L de água dentro depósito de água da descarga, poupando o equivalente de cada vez que se usa; colocar gelo nos urinóis que se vai desfazendo e actuando como descarga (evita propagação de cheiro também); desligar a iluminação da rua em postes alterandos, etc., etc.

    ResponderEliminar
  2. Ontem vi aqui um taxista a poupar água do autoclismo - estava a mijar ao lado do caixote do lixo quando fui fazer o meu passeio antes de jantar.
    E a fumar ao mesmo tempo!
    Vais ver que só é taxista nas horas vagas, porque deve ser mesmo é dos quadros do Cirque du Soleil.
    Será que também tinha chiclete e palito na boca??

    ResponderEliminar
  3. Não sei, mas aposto que devia ter a unha do dedo mindinho desproporcionada em relação às outras – ou isso não se usa no oriente?

    ResponderEliminar
  4. Então não?
    Parece que dá um jeitão para limpar os ouvidos.
    E, quando não há palito, os dentes também.
    Muitas vezes, primeiro os ouvidos e depois os dentes!!

    ResponderEliminar