31 de julho de 2018

O caso Robles e Frei Tomás


Que fique bem claro logo à partida que não tenho nenhuma visão pecaminosa ou franciscana no que quer que se relacione com dinheiro. 
Muito menos no que se refere a negócios, à realização de mais-valias, lucro. 
E não é isso que está em causa também na venda de um prédio urbano que colocou por estes dias o dirigente do Bloco de Esquerda Ricardo Robles no centro do espaço público noticioso em Portugal. 
Também não há, pelo menos que se conheça, qualquer ilegalidade no negócio milionário que Ricardo Robles consegue fazer. 
Nem, opinião muito pessoal, nada de imoral em conseguir um lucro de 500% na compra e venda de um imóvel no espaço de quatro anos. 
Ricardo Robles comprou barato, reabilitou, vende caro. 
A questão que se coloca neste caso é muito simplesmente uma questão de coerência e hipocrisia. 
Tudo o que o Bloco de Esquerda demonizou ao longo dos anos está presente no negócio que Ricardo Robles realiza. 
Especulação imobiliária, despejo de inquilinos para que o dono do prédio possa lucrar com a sua venda, as demoníacas agências de intermediação imobiliária que facilitam a tão criticada especulação imobiliária, os lucros extraordinários, está lá tudo. 
O que é que eu faria se estivesse na situação de Ricardo Robles? 
Obviamente realizava o negócio com a mais – valia extraordinária que o dirigente bloquista consegue. 
Com a grande diferença de eu não ter andado ao longo dos anos a debitar um discurso que a prática desmente por completo. 
E não ter coragem para vir publicamente apresentar uma série de pseudo - justificações absolutamente infantis e patéticas para a minha conduta. 
“Que bem prega Frei Tomás, faz o que ele diz, não faças o que ele faz”. 
Qualquer semelhança entre a conduta de Ricardo Robles e este conhecido provérbio português não terá sido mera coincidência. 
E terá sido a razão que levou Ricardo Robles a perceber que estava politicamente liquidado e consequentemente a pedir a demissão de todos os cargos políticos que ocupava. 
Não sabemos se envergonhado, sabemos apenas que muito mais financeiramente desafogado (não se diz rico que os bloquistas acham isso uma ofensa).

BI do cristão (Anselmo Borges)


O que é que verdadeiramente queremos? A realização plena de todas as dimensões do ser humano, a plenitude, a felicidade. O Papa Francisco sabe disso e escreveu a exortação Alegrai-vos e Exultai, para indicar o caminho dessa realização, na convicção de que Deus, "aquele que pede tudo, também dá tudo, e não quer entrar em nós para mutilar ou enfraquecer, mas para levar à perfeição". Sempre sob o desígnio da alegria. Francisco lembra o livro da Bíblia, Ben Sirá: "Meu filho, se tens com quê, trata-te bem. Não te prives da felicidade presente" e também São Francisco de Assis, "capaz de se comover de gratidão perante um pedaço de pão duro ou de louvar, feliz, a Deus, só pela brisa que acariciava o seu rosto". Não se trata, portanto, da "alegria consumista e individualista. Com efeito, o consumismo só atravanca o coração; pode proporcionar prazeres ocasionais e passageiros, mas não alegria". A verdadeira alegria é aquela que "se vive em comunhão, que se partilha e comunica", porque, segundo uma palavra de Jesus, "a felicidade está mais em dar do que em receber". Não será por acaso que na cultura de hoje se manifestam alguns riscos e limites, a evitar: "a ansiedade nervosa e violenta que nos dispersa e enfraquece, o negativismo e a tristeza, a acédia cómoda, consumista e egoísta, o individualismo e tantas formas de falsa espiritualidade sem encontro com Deus que reinam no mercado religioso actual". "O consumismo hedonista pode enganar-nos, porque, na obsessão de nos divertirmos, acabamos por estar excessivamente concentrados em nós mesmos, nos nossos direitos e na exacerbação de ter tempo livre para gozar a vida..., acabando por nos transformar em pobres insatisfeitos que tudo querem provar. O próprio consumo de informação superficial e as formas de comunicação rápida e virtual podem ser um factor de estonteamento que ocupa todo o nosso tempo e nos afasta da carne sofredora dos irmãos. No meio deste turbilhão actual, volta a ressoar o Evangelho para nos oferecer uma vida diferente, mais saudável e mais feliz", adoptando cada um o seu caminho e discernindo segundo os tempos e as circunstâncias, sem, por outro lado, ficar sujeito a um zapping constante. Deus é eterna novidade e não se pode cair na sedução da habituação, do "sempre foi assim": a Igreja não é "uma peça de museu nem uma propriedade de poucos".

"O que é que tem real valor na vida? Quais são as riquezas que não desaparecem? Seguramente duas: Deus e o próximo. Estas duas riquezas não desaparecem." E as duas são inseparáveis. Jesus, mais do que muitas fórmulas e preceitos, entregou-nos "dois rostos, ou melhor, um só: o de Deus que se reflecte em muitos, porque em cada irmão, especialmente no mais pequeno, frágil, inerme e necessitado, está presente a própria imagem de Deus". Assim, a santidade é feita de abertura habitual à transcendência, que se expressa na oração e na adoração. "O santo é uma pessoa com espírito orante, que tem necessidade de comunicar com Deus. É alguém que não suporta asfixiar-se na imanência fechada deste mundo e, no meio dos seus esforços e serviços, suspira por Deus, sai de si erguendo louvores e alarga os seus confins na contemplação do Senhor." Há dois erros nocivos. O daqueles que transformam o cristianismo numa "espécie de ONG", privando-o daquela espiritualidade irradiante que o caracteriza. Mas "é nocivo e ideológico também o erro das pessoas que vivem suspeitando do compromisso social dos outros, considerando-o algo de superficial, mundano, secularizado, imanentista, comunista, populista". Sagrada é a vida dos pobres que "se debatem na miséria, no abandono, na exclusão, no tráfico de pessoas, na eutanásia encoberta de doentes e idosos privados de cuidados, nas novas formas de escravatura e em todas as formas de descarte. Não podemos propor-nos um ideal de santidade que ignore a injustiça deste mundo, onde alguns festejam, gastam folgadamente e reduzem a sua vida às novidades do consumo, ao mesmo tempo que outros se limitam a olhar de fora enquanto a sua vida passa e termina miseravelmente".

O que é ser santo? Jesus explicou-o nas "bem-aventuranças", que são "como que o bilhete de identidade do cristão". "A palavra 'feliz' ou 'bem-aventurado' torna-se sinónimo de 'santo', porque expressa que a pessoa fiel a Deus e que vive a sua Palavra alcança, na doação de si mesma, a verdadeira felicidade." As bem-aventuranças implicam outro estilo de vida e são contracorrente. "Felizes os pobres em espírito": "as riquezas não te dão segurança alguma"; no coração dos que têm o coração pobre, "Deus pode entrar com a sua incessante novidade". "Felizes os mansos": "a mansidão é outra expressão do desapego interior". "Felizes os que choram": compreendem a angústia alheia e aliviam os outros. "Felizes os que têm fome e sede de justiça": a realidade mostra-nos como "é fácil entrar nos gangues da corrupção, fazer parte dessa política diária do 'dou para que me dêem', onde tudo é negócio". "Felizes os misericordiosos": a misericórdia é dar, servir os outros e também perdoar e compreender; "a medida que usardes com os outros será usada convosco", disse Jesus. "Felizes os puros de coração", porque é do coração que procedem os homicídios, os roubos, os falsos testemunhos, preveniu Jesus. "Felizes os pacificadores." "Felizes os que sofrem perseguição por causa da justiça."

"Será com os descartados desta humanidade vulnerável que, no fim dos tempos, Deus plasmará a sua última obra de arte." "Vinde, benditos de meu Pai! Recebei em herança o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo. Porque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, estava nu e vestistes-me, estive na prisão e fostes ter comigo. Em verdade vos digo: Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos foi a mim que o fizestes."

Padre e professor de Filosofia. 
Escreve de acordo com a antiga ortografia.

in DN 28 Julho 2018

30 de julho de 2018

UMA QUESTÃO DE TOMATES


Três esposas estão a conversar sobre os seus maridos, e a primeira diz: 
– Os testículos do meu Manel são frios!!
A segunda diz:
– Os do meu Xico também são frios!!
A terceira diz:
– Por acaso nunca reparei isso no meu marido. Hoje à noite vou ver e amanhã conto-vos.
No dia seguinte a mulher aparece toda roxa, magoada, sem dentes e com um braço partido.
As amigas então perguntam:
– Maria, o que te aconteceu?!
Ela diz:
– Ontem à noite meti a mão nos tomates do meu marido e disse-lhe:
“Que estranho, os teus estão quentes, os do Manel e do Xico são frios!”
Não vi mais nada, acordei no hospital.


BOA SEMANA 

27 de julho de 2018

PROVÉRBIOS PARA GENTE CULTA


* Expõe-me com quem deambulas e a tua idiossincrasia augurarei.
(Diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és)

* Espécime avícola na cavidade metacárpica, supera os congéneres revolteando em duplicado.
(Mais vale um pássaro na mão, que dois a voar)

* Ausência de percepção ocular, insensibiliza órgão cardial.
(Olhos que não vêem, coração que não sente)

* Equídeo objecto de dádiva, não é passível de observação odontológica.
(A cavalo dado não se olham o dente)

* O globo ocular do proprietário torna obesos os bovinos.
(O olho do amo engorda o gado)

* Idêntico ascendente, idêntico descendente.
(Tal pai, tal filho)

* Descendente de espécime piscícola sabe locomover-se em líquido inorgânico.
(Filho de peixe sabe nadar)

* Pequena leguminosa seca após pequena leguminosa seca atesta a capacidade de ingestão de 
espécie avícola.
(Grão a grão enche a galinha o papo)

* Possui o monarca no baixo-ventre.
(Tem o rei na barriga)

* Quem movimenta os músculos supra faciais mais longe do primeiro, movimenta-os em 
condições substancialmente vantajosas.
(Quem ri por último ri melhor)

* Quem aguarda longamente, atinge o estado de exaustão.
(Quem espera desespera)


BOM FIM-DE-SEMANA!

26 de julho de 2018

Curso de formação para taxistas?


A Assembleia Legislativa de Macau é uma caixinha de surpresas.
De quando em vez, até com alguma frequência, lá sai do hemiciclo macaense uma dessas surpresas.
Umas mais surpreendentes que outras, reconheça-se esse facto.
Na galeria das mais surpreendentes acaba de entrar a ideia de dar formação aos taxistas incumpridores.
Formação a taxistas que são capazes de todos os desmandos?
Estamos a pensar exactamente em quê?
Sabendo todos que os taxistas de Macau, para além de cometerem todo o tipo de infracções administrativas, se dão ao luxo de utilizar a profissão para cometer crimes, o que é que lhes vai ser ensinado nessa formação?
Boas maneiras?
Para que, por exemplo, quando houver mais casos de sequestro e extorsão, o taxista possa educadamente dizer aos passageiros algo do género - “Vossa Excelência vai-me desculpar a inconveniência, mas vejo-me forçado a solicitar-lhe, a si e à sua maravilhosa família, o obséquio de permanecerem imóveis dentro deste veículo no intuito de, ponderadamente, podermos aferir o montante exacto da quantia que pretendo extorquir-lhe. Com todo o respeito, está bem de ver”?
Será isto que vai ser ensinado a uma série de meliantes que infestam as estradas de Macau e dão desta cidade a pior imagem possível?
Só dá mesmo para rir!

Intemporais (125)

25 de julho de 2018

Smile, You’re on Candid Camera


Smile, You’re on Candid Camera!
Esta era a expressão utilizada para revelar a todos aqueles que tinham sido vítimas de partidas que foram ficando famosas ao longo dos anos na televisão a situação cómica em que tinham estado envolvidos.
A ideia surgiu nos Estados Unidos e foi-se espalhando por outros países com assinalável sucesso até à actualidade.
Mas sempre com um pressuposto essencial – as imagens nunca eram transmitidas, apresentadas publicamente, sem que fosse obtido o consentimento prévio dos visados.
Lembrei-me do programa televisivo, e da expressão que este tornou famosa, por causa da crescente obsessão em tudo filmar que se vai sentindo em Macau.
Não é preciso que não se tenha nada a esconder para se sentir um certo desconforto com esta Macau orwelliana.
Há uma reserva de intimidade, de vida privada, que deve sempre ser respeitada e preservada.
E confesso que começo a ter receio que essa fronteira seja ultrapassada, se é que já não o foi.
Ao contrário de Candid Camera não há nesta Macau on film razões para sorrir.
Bem pelo contrário, há razões para ficar preocupado.
Até porque ainda não se percebeu muito bem se, à semelhança de Candid Camera, é necessário obter o prévio consentimento daqueles que são filmados para que essas imagens sejam mostradas a terceiros.
E, muito importante, quem são exactamente esses terceiros.

Protecção de dados pessoais


24 de julho de 2018

Fuga ao Fisco


Tema recorrente, no dia-a-dia do cidadão comum, mas sobretudo nos períodos de campanha eleitoral, a fuga ao Fisco surge agora aos meus olhos com outros contornos e a outra luz.
Há muitos anos a residir e a trabalhar em Macau, e a pagar aqui os meus impostos, o meu relacionamento com o Fisco em Portugal é pode dizer-se virtualmente inexistente.
Ou melhor, era.
Tudo mudou em Setembro do ano passado.
Numa breve visita a Portugal, já no regresso a Macau, comprei uma prenda para a minha mulher no Aeroporto em Lisboa.
Quando fui solicitar a devolução de taxas esta foi num primeiro momento recusada.
Porque tinha morada fiscal em Portugal.
Morada fiscal em Portugal? Eu?? Onde? Afinal era em casa dos meus pais.
Com o passaporte (na primeira página tem a clara referência a residente em Macau), o Bilhete de Identidade de Residente de Macau, a Licença de Condução de Macau, lá consegui a devolução de taxas (“à sua responsabilidade” disse-me então a funcionária).
E registei a necessidade de alterar a minha morada fiscal.
Recentemente, de férias em Portugal, dirigi-me à Loja do Cidadão, em Coimbra, nesse intuito.
Excelente serviço, rápido, eficiente, um bom exemplo a seguir.
Fiquei ali a saber que a minha situação fiscal não sofreu qualquer actualização praticamente nos últimos trinta anos.
Para grande espanto meu e da funcionária que me atendeu.
“Não recebeu nenhuma notificação neste tempo todo??”, perguntou-me com quase incredulidade.
Não, não recebi, nada de nada.
Tudo regularizado (acho eu…) saí da Loja do Cidadão a pensar quantos serão os casos como o meu.
Acredito que haja muitos casos de fuga ao Fisco.
E recordo ouvir muitas vezes a célebre expressão “roubar ao Estado não devia ser crime”.
Mas, depois deste exemplo e desta vivência, sou obrigado a pensar que, para além da fuga ao Fisco, também haverá muitas situações de desleixo dos Serviços.
No meu caso não houve cruzamento de dados entre a Loja do Cidadão, que tinha a minha morada exacta, e a Autoridade Tributária, que tinha tudo desactualizado há cerca de trinta anos.
Quantos mais casos como o que aqui descrevo, iguais ou semelhantes, haverá?
E qual a perda de receita fiscal que representam?

Já tenho 30 anos (humor muito negro)

23 de julho de 2018

Padre em trânsito


Um padre está a dirigir-se para a sua paróquia, quando vê na estrada uma freira conhecida sua. 
Ele pára e diz: 
— Irmã, suba que eu levo-a ao convento. 
A freira sobe, acomoda-se no banco do passageiro, cruza as pernas e o hábito abre-se, deixando à mostra um par de coxas escultural. 
O padre quase não se contém, mas continua a conduzir. 
Numa passagem de mudança, no entanto, ele acaba colocando a mão sobre a perna da freira, que lhe diz: 
— Padre, lembre-se do salmo 129. 
O padre pede desculpas e continua a conduzir. 
E aquela pernoca ali, ao lado, a deixá-lo louco. 
Mais adiante, em outra passagem de mudança, ele coloca a mão novamente sobre a perna da freira, que repete: 
— Padre, lembre-se do salmo 129. 
O padre desculpa-se, dizendo: 
— Perdoa-me, irmã, mas você sabe que a carne é fraca. 
Chegando ao convento, a freira desce. 
O padre logo chega à sua igreja e corre até a bíblia para ler o tal salmo 129, deparando-se com que está escrito: 
“SEGUE BUSCANDO, QUE LOGO ACIMA ENCONTRARÁS A GLÓRIA”. 

MORAL DA HISTÓRIA: 

Ou você sabe tudo da sua profissão, ou vai perder as melhores oportunidades.

BOA SEMANA!

20 de julho de 2018

Ironias


1 - O advogado espera que tenhas problemas com a Lei.

2 - O médico espera que fiques doente.

3 - O polícia espera que te tornes num criminoso.

4 - O professor espera que não saibas nada.

5 - A prostituta espera que tenhas sempre problemas conjugais no teu Lar.

6 - O dentista espera que tenhas dentes estragados.

7 - O mecânico espera que o teu carro se avarie.

8 - O coveiro espera, pacientemente, que tu morras.

9 - Apenas o gatuno espera que tenhas prosperidade e riqueza na vida. 
Este é o único que quer o teu bem. 
Gatuno, pelos vistos é amigo !!!

BOM FIM-DE-SEMANA

19 de julho de 2018

E que tal processar a União Europeia?


Donald Trump, o patético presidente norte-americano, terá aconselhado Theresa May a processar a União Europeia em vez de negociar o Brexit.
Não surpreende ninguém, nem mesmo os mais desatentos.
Donald Trump tem um historial de processos judiciais que fazem recordar a célebre personagem Tony Silva criada por Herman José.
Com algumas diferenças substanciais - Tony Silva ameaçava mas não concretizava as ameaças, Donald Trump ameaça processar e processa; Tony Silva era um “boneco”com piada e inofensivo, Donald Trump é um cretino muito poderoso e perigoso.
Efectivamente só alguém que não tem a mínima noção do que é o relacionamento político e económico a nível internacional poderá fazer semelhante sugestão.
Donald Trump está habituado desde pequenino a ter o que quer e a fazer birra quando por acaso não tem.
As birras do adulto Donald Trump resultaram em inúmeros processos judiciais.
Processos tão patéticos quanto o tão famoso quanto ridículo no qual Donald Trump apresentou uma certidão de nascimento que provava que não era descendente directo de orangotango e exigia uma indemnização de cinco milhões de dólares a um célebre comediante norte-americano.
Este é o homem que os americanos elegeram presidente para mal de todos nós.
Um ser humano desprezível, uma vedeta de reality shows que julga que pode ter a mesma atitude enquanto líder do mais poderoso país do Mundo.
E que está a conseguir em pouco tempo isolar politicamente os Estados Unidos mesmo sem construir os tão célebres muros.

Intemporais (124)

18 de julho de 2018

As novas tecnologias e a Mona Lisa


Tenho que começar por confessar o facto de não ser um grande especialista no domínio das novas tecnologias e de não utilizar o telemóvel para além do estritamente necessário.
É assim que, cada vez com mais espanto, misturado com irritação, vou assistindo ao vício (doença??) em que se transformou a utilização do telemóvel no dia-a-dia.
Todos os dias, a todas as horas, em todos os locais, encontramos gente alheia ao que se passa em seu redor para se fechar num mundo virtual comandado por um aparelho que foi pensado para facilitar a comunicação entre as pessoas mas que acabou por as isolar cada vez mais.
Comentei este facto com familiares e amigos uma vez mais na sequência de mais uma visita muito recente ao famoso Museu do Louvre.
Uma visita que me permitiu verificar in loco a veracidade e acuidade da afirmação de Bill Maher quando exprimiu a sua irritação com o facto de testemunhar o que eu também tive oportunidade de testemunhar.
Em concreto, e como bom exemplo desta doença tecnológica, o facto de literalmente centenas de pessoas se atropelarem para se abeirarem da pintura mais famosa do Planeta (a Mona Lisa) no intuito não de contemplarem a beleza e o mistério que a mesma encerra mas sim de a fotografarem.
De preferência no modo tão modernaço quanto pimba das chamadas selfie.
No rés-do-chão do Museu, e nas ruas à volta do mesmo, há centenas (milhares??) de fotos e reproduções do quadro.
Ainda assim, pessoas que terão muito possivelmente uma única oportunidade na vida de ver aquela pintura, preferem desperdiçar essa oportunidade única para conseguir a tão ansiada selfie.
Que será imediatamente partilhada noutras plataformas tecnológicas.
Se isto não é uma doença, uma psicose, andará muito perto de o ser.
Que é pura idiotice e estupidez disso, tal como Bill Maher, não tenho a mais pequena dúvida.

Ter amigos nos momentos difíceis faz a diferença

17 de julho de 2018

Oferta de presentes à mãe idosa


Três filhos saíram de casa, tiveram sucesso na vida e prosperaram.
Anos depois, encontraram-se e conversaram sobre os presentes que compraram para a mãe, já bem idosa.
O primeiro disse:
- "Eu consegui comprar uma casa enorme para a nossa mãe."
O segundo disse:
- "Eu mandei-lhe um Mercedes novo, com motorista."
O terceiro sorriu e disse:
- "Certamente o meu presente foi melhor. Sabem como a mamã gosta da Bíblia, mas ela está praticamente cega e já não consegue ler. Então mandei-lhe um papagaio raro, que consegue recitar toda a Bíblia.
Foram 12 anos de treino num mosteiro, por 20 monges diferentes. Eu tive de doar 300,000,00 € para o mosteiro, mas valeu a pena. A nossa mãe precisa apenas de dizer o capítulo e o versículo, que o papagaio recita sem um único erro."
Tempos depois, os filhos receberam da mãe uma carta de agradecimento pelos presentes:
Primeiro:
- "Marco, a casa que me compraste é muito grande. Eu moro apenas num quarto, mas tenho de limpar toda a casa..."
Segundo:
- "Mário, eu estou muito velha para sair de casa e viajar. Fico em casa todos os dias e nunca uso o Mercedes que me deste. E o motorista ganha, sem fazer nada!”
Terceiro:
- "Querido Márcio, tu foste o único filho que teve o bom senso de saber que a tua mãe realmente só gosta de coisas simples.
Cozinhei o franguinho, ficou delicioso, muito obrigado."​


BOA SEMANA!