19 de agosto de 2011

A bienal de Vila Nova de Cerveira e as galinhas em Portugal e em Macau


Façam-me o favor de ler esta notícia.
Supostamente, esta bosta é arte.
Devo ser mesmo retrógrado.
Porque, para mim, isto é apenas manifestação de esquizofrenia. Ou coisa que o valha.
Mas, confesso, faz-me pensar no choque de culturas que verifico existir entre Portugal e Macau.
Enquanto, em Portugal, as galinhas fazem parte de uma obra de arte (até custa a escrever!!), em Macau as "galinhas" são algo de completamente diferente.
Também há homens que passam 3 dias com 7, ou mais, "galinhas".
Mas aquilo não tem nada a ver com arte.
E eles não estão sedados.
Talvez, se a necessidade a isso obrigar, possam tomar um daqueles comprimidos azuis.
Sedativos?
Não convém.
A "performance" iria ressentir-se e eram capazes de acordar sem nada no quarto.
Nem a roupa.
Fala-se tanto no encontro de culturas.
Temos aqui um bom exemplo de choque de culturas.
Os malucos tomaram mesmo conta do asilo!!!

10 comentários:

  1. Foi-me impossível aceder à notícia, mas a sua indignação faz-me suspeitar de algo parecido com os corações expostos em boiões que vi na ARCO em Madrid---e concordo condigo de tido.

    Bom dia

    ResponderEliminar
  2. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    Só Visto!....
    O artista português Nuno Oliveira vai passar três dias numa gaiola com sete galinhas e sob o efeito de sedativos para demonstrar a experiência "sonho que somos iguais", durante a 16.ª edição da Bienal de Cerveira.

    O projecto, explicou à Lusa fonte do certame, pretende "assumir uma vivência com uma realidade precária" através do contacto com as galinhas, "que se consomem e de algum modo podem estar abaixo na cadeia alimentar".

    Para o artista, esta experiência fala "de uma dissolução da dicotomia entre a natureza e a cultura, a natureza e o homem".

    "Por outro lado, pensando na forma generalizada como se lida com estas crises, tomando ansiolíticos, calmantes e indutores de sono, a proposta também pretende desvelar esta realidade, experimentando--a", acrescenta o artista, de 37 anos. "Como se trata de estreia desta performance em público, decidiu-se, contrariamente à vontade do artista, que não vai pernoitar na gaiola. Mesmo assim vamos estar atentos, com apoio médico se for necessário", explicou fonte da bienal de Cerveira.

    Esta experiência, ao vivo, estará disponível ao público entre as 15:00 desta sexta-feira e as 15:00 de domingo, no pólo expositivo do Castelo de Cerveira. No sábado, pelas 17:00, Nuno Oliveira interromperá a "performance" para participar num debate sobre o tema.

    A "performance" será dificultada pelo próprio tamanho da gaiola - desenhada pelo artista -, que "não permite sequer que fique de pé".

    "No fundo pretende mostrar que somos todos iguais, independentemente do lugar que ocupamos na cadeia alimentar", explicou fonte da organização da 16.ª Bienal Internacional de Arte de Vila Nova de Cerveira, que decorre até 17 de setembro.

    Na tarde de domingo, esta performance dará lugar a uma outra, a realizar pela colombiana Triny Prada, neste caso dedicada à temática da comida saudável e hábitos adquiridos na cultura ocidental.

    "As sete galinhas que foram usadas anteriormente, todas do campo, servirão para a confecção, ao vivo, pela artista colombiana, do jantar a servir ao público", concluiu a fonte. Lusa

    Pois cá por Macau a arte das galinhas é outra, com galinheiros para todos os gostos, mas que já foi melhor rsrsrs.
    Abraço amigo
    Óptimo fim de semana.

    ResponderEliminar
  3. Ainda mais triste do que isso é as pessoas pagarem para ver tal "espetáculo!" coitadas das galinhas...
    Faz-me lembrar um outros artista(?) cuja obra de arte (?) era ter um cão preso a morrer de fome... Acho que deviam ser revistos os conceitos de arte... Não interessa quem faz interessa ou o que faz, interessa onde é expõe... Enfim, nada a dizer, é triste.
    *

    ResponderEliminar
  4. São,
    O António Cambeta e a Catarina já explicam do que se trata.
    Parece mentira.

    Amigo Cambeta,
    As "galinhas" aqui estão à vista.
    E a arte é outra.
    Isto, em Portugal, é pura demência.
    Um abraço

    Catarina,
    Também conhecia essa "forma de expressão".
    Toturar animais em público passou a ser considerado arte.
    Tem toda a razão quando diz que é triste.
    Muito mesmo, acrescentaria eu.

    ResponderEliminar
  5. Pedro
    Simplesmente triste!!! Existirem seres (humanos) que de humanos não têm nada capazes de tal barbaridade.
    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Francamente, Pedro, não vejo razão para espantos. Anda por aí um outro artista que meteu 10 milhões de portugeses num galinheiro, com o apio de 2 milhões que quiseram ir com ele.
    Isto de arte e de artistas, tem muito que se lhe diga:-)

    ResponderEliminar
  7. Adélia,
    E chamar a esta m@#$% arte!!!
    Um abraço

    Carlos,
    Isso sim, é ser artista!!
    It's a kind of magic :))))

    Catarina,
    Estes já passaram a categoria de malucos.
    Já estão na ala dos furiosos!!

    ResponderEliminar
  8. Oras, os mesmos portugueses que orgulhosamente 'colonizaram' o Brasil, praticamente eliminaram toda a população nativa e original pré-'descobrimento'. Oras, não me espanta tal ato, e também não leva à redenção. Por que vocês, ao invés de ficarem criticando à distância, não fazem algo lá mesmo? Provavelmente não moverão seus orifícios anais de suas poltronas favoritas, continuem apertando botões como bem sabem fazer. Eu vou pro aeroporto já.

    ResponderEliminar
  9. Este Anónimo será familiar dos "artistas"?
    Ou das galinhas?
    Há cada parvo!!

    ResponderEliminar