25 de janeiro de 2011

Castigar, ou não, eis a questão?

Na época passada, depois daquele episódio rocambolesco do túnel da Luz, vaticinei que a cretina decisão da Comissão de Disciplina, e do inefável Ricardo Costa, podia representar um precedente muito perigoso, algo de semelhante à abertura da caixa de Pandora.
Para quem achou que estava a exagerar, que era apenas um portista que estava a tentar encontrar desculpas para a atitude de Hulk e Sapunaru, está agora aí a prova que não seria tanto assim.
No passado sábado, como todos os que seguem o fenómeno futebol já sabem, houve uma altercação no jogo que opôs o Benfica ao Nacional.
Protagonistas directos - o treinador do Benfica Jorge Jesus e o jogador do Nacional Luís Alberto.
Protagonista indirecto - o jogador do Benfica Franco Jara.
E a discussão estava lançada.
Fica agora o desafio aos leitores do blogue.
Houve agressões, como afirma Luís Alberto?
Um simples "chega para lá", como afirma Jorge Jesus?
Ou só houve tentativa(s)?
Numa ou noutra hipótese, deverá haver castigo(s)?
Sendo que a pena prevista para situações semelhantes, varia entre uma semana e nove meses (uma disparidade incompreensível, mas enfim....), na hipótese de haver lugar a castigo, qual deverá ser a pena a aplicar?
Como não gosto de lançar desafios, armar barulho, e sair de fininho, aqui vai a minha opinião.
À semelhança do que tinha afirmado na época passada (não, não mudei de opinião), julgo que o episódio do Estádio da Luz não foi tão grave como o pintam.
Houve ali uns "mimos", uns empurrões, o tal "chega para lá" de que fala Jorge Jesus.
Nada de especial.
Acontece.
Um puxão de orelhas, uma ou duas semanitas para arrefecer os ânimos, será mais do que suficiente para resolver o caso.
O problema é o precedente que uma cambada de irresponsáveis criaram.
E que, inevitavelmente, agora vem à baila.
Bem ou mal, essa é outra questão.
Mas a evocação do episódio do túnel era mais que previsível.
Quando se perde o bom-senso, quando os máximos responsáveis federativos são idiotas, estão claramente engajados, criam-se estes problemas.
Que, em bom rigor, não são problemas porra nenhuma!!
Querer que o jogo seja disputado por "meninos do coro" é tirar-lhe grande parte da emoção.
Será assim tão complicado de perceber isto?
Uma última palavra para André Villas-Boas.
Já vai sendo mais do que tempo de saber despir a camisola de adepto quando tem vestida a camisola de treinador!
As duas, vestidas ao mesmo tempo, ficam-lhe muito mal.

Vejam o vídeo e emitam a vossa opinião.

4 comentários:

  1. Não faço a menor ideia...o melhor era acabar-se com o futebol e pronto!

    ResponderEliminar
  2. Não diga uma coisa dessas...
    O futebol até pode ser algo de muito interessante.
    Se não se entrar nestas questiúnculas patetas.

    ResponderEliminar
  3. Eu lembro-me bem como o Vandinho foi suspenso por 3 meses por uma pseudo-agressão que nem sequer era visível nas imagens.
    Neste caso, é óbvio que Jesus agrediu

    ResponderEliminar
  4. Hugo,
    Eu continuo a pensar que, duas ou três semanitas, para arrefecerem os ânimos, fazerem as pazes e tomarem um copo, era mais do que suficiente para uma situação destas.
    Os precedentes idiotas (já não me lembrava dessse castigo do Vandinho)é que dão agora uma dimensão superior a este episódio.
    Um abraço

    ResponderEliminar