4 de janeiro de 2012

Relembrando Irena Sandler


Uma senhora polaca de 98 anos (15 de Fevereiro de 1910 - 12 de Maio de 2008) chamada Irena Sendler faleceu há pouco tempo.

Durante a 2ª Guerra Mundial, Irena conseguiu uma autorização para trabalhar no Gueto de Varsóvia, como especialista de canalizações. Mas os seus planos iam mais além...

Sabendo quais eram os planos dos nazistas relativamente aos judeus, Irena trazia crianças escondidas no fundo da sua caixa de ferramentas e levava um saco de sarapilheira na parte de trás da sua caminhoneta (para crianças de maior tamanho).

Também levava na parte de trás da caminhoneta um cão a quem ensinara a ladrar aos soldados nazis quando entrava e saia do Gueto. Claro que os soldados não queriam nada com o cão e o ladrar deste encobriria qualquer ruído que os meninos pudessem fazer.

Enquanto conseguiu manter este trabalho, conseguiu retirar e salvar cerca de 2500 crianças.

Por fim os nazistas apanharam-na. Souberam dessas atividades e em 20 de Outubro de 1943 Irena Sendler foi presa pela Gestapo e levada para a infame prisão de Pawiak, onde foi brutalmente torturada. Num colchão de palha encontrou uma pequena estampa de Jesus Misericordioso com a inscrição: “Jesus, em Vós confio”, e conservou-a consigo até 1979, quando a ofereceu ao Papa João Paulo II.

Ela, a única que sabia os nomes e moradas das famílias que albergavam crianças judias, suportou a tortura e negou-se a trair seus colaboradores ou as crianças ocultas. Quebraram-lhe os ossos dos pés e das pernas, mas não conseguiram quebrar a sua determinação. Já recuperada, foi no entanto condenada à morte.

Enquanto esperava pela execução, um soldado alemão levou-a para um "interrogatório adicional". Ao sair, gritou-lhe em polaco: "Corra!".

Esperando ser baleada pelas costas, Irena contudo correu por uma porta lateral e fugiu, escondendo-se nos becos cobertos de neve até ter certeza que não fora seguida. No dia seguinte, já abrigada entre amigos, Irena encontrou o seu nome na lista de polacos executados que os alemães publicavam nos jornais.

Os membros da organização Żegota ("Resgate") tinham conseguido deter a execução de Irena subornando os alemães, e Irena continuou a trabalhar com uma identidade falsa.

Irena mantinha um registo com o nome de todas as crianças que conseguiu retirar do Gueto, que guardava num frasco de vidro enterrado debaixo de uma árvore no seu jardim.

Depois de terminada a guerra tentou localizar os pais que tivessem sobrevivido e reunir a família. A maioria tinha sido levada para as câmaras de gás. Para aqueles que tinham perdido os pais ajudou a encontrar casas de acolhimento ou pais adotivos.

Em 2006 foi proposta para receber o Prêmio Nobel da Paz...mas não foi selecionada. Quem o recebeu foi Al Gore por sua campanha sobre o Aquecimento Global.

Agora, mais do que nunca, com o recrudescimento do racismo, da discriminação e os massacres de milhões de civis em conflitos e guerras sem fim em todos os continentes, é imperativo assegurar que o Mundo nunca esqueça.

Gente como Irena Sendler, que salvou milhares de vidas praticamente sozinha, é cada vez mais necessária.

A razão pela qual resgatei as crianças tem origem no meu lar, na minha infância. Fui educada na crença de que uma pessoa necessitada deve ser ajudada com o coração, sem importar a sua religião ou nacionalidade.

Irena Sendler

9 comentários:

  1. Adorei ler aqui a história de Irena Sendler.
    Bom ano e continuação de óptimos escritos.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo,
    É um daqueles relatos verdadeiros que devemos relembrar.
    Um Maravilhoso Ano para si também e continue a passar por aqui e a deixar os seus comentários.

    ResponderEliminar
  3. Caro Pedro Coimbra
    Hoje ao contrário do que acontece muita vez, li este post e tive que limpar o "monitor" várias vezes.
    Que a humanidade não esqueça que isto aconteceu e desgraçadamente, com outros contornos continua a acontecer.
    Abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  4. Uma lição de vida para muita gente, e que não merece ser esquecida.
    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Grande exemplo que eu por acaso desconhecia, mas isso infelizmente é normal porque os grandes heróis da humanidade são ofuscados pelos heróis de conveniência. Tal como o Papa Pio XII, o Papa Eugenio Pacelli, que salvou mais judeus do que o... Schindler.
    Irena foi uma grande mulher e eu vou colocar isto no meu blogue para fazer com que mais gente a respeite. Que Deus a tenha a Seu lado.

    ResponderEliminar
  6. FireHead,
    O nome desta Senhora é muito pouco conhecido, os seus feitos muito pouco divulgados.
    Por isso é que aqui queria deixar público testemunho da minha admiração por ela.

    ResponderEliminar
  7. Não conhecia a existência desta senhora. Impressionante.

    ResponderEliminar
  8. Muito pouca gente conhece, Catarina.
    Também neste aspecto, a blogosfera é excelente.

    ResponderEliminar
  9. Já tinha ouvido a sua história (penso que foi uma das minhas irmãs que me contou). Foi sem dúvida uma pessoa extraordinária e muito corajosa e especial.

    ResponderEliminar