4 de janeiro de 2012

Consulta Seinfeld?


Começa hoje a consulta pública sobre a revisão das leis eleitorais na RAEM.
Confesso que é um processo que me faz alguma confusão.
E que me faz recordar Jerry Seinfeld.
Seinfeld era, nas palavras do seu criador e principal protagonista, a show about nothing.
Esta consulta é, salvo melhor opinião em contrário, algo de muito semelhante.
Vai-se consultar a população sem uma proposta concreta?
Não faria mais sentido o Governo apresentar uma proposta à população de Macau (vão ser eleitos directamente mais "x" deputados, vão ser eliminados "y" eleitos indirectamente ou nomeados, vai ser alargado o colégio eleitoral que elege o Chefe do Executivo para "n" membros) e, então sim, ouvir o que a população tem a dizer sobre essa proposta?
Está tudo em aberto, como já foi referido?
Não é verdade.
Já sabemos que não haverá sufrágio directo e universal em nenhum dos casos (Assembleia Legislativa e Chefe do Executivo).
Não será esta então mais uma boa razão para apresentar uma proposta de alteração eleitoral concreta e submeter, esta sim, a consulta?

6 comentários:

  1. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    Durante todos estes anos que vivo em Macau nunca votei.
    Antigamente, por pertencer ao exercito e depois às Forças de Segurança não podia aderir a qualquer partido político, como tal agora sou eu que boicoto todo este tipo de actividades.
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. Amigo Cambeta,
    Eu não consigo perceber o que raio se pretende de uma consulta sem objecto.
    Deve ser defeito meu.....
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. Muito acertado, como sempre!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo,
    Uma consulta sem objecto soa-me a governo na rua.
    Algo do género, "digam-nos lá o que é que a gente tem que fazer".
    Repito, deve ser defeito meu.

    ResponderEliminar
  5. Caro amigo Pedro,

    passo por cá para desejar-lhe a si, prezado amigo, e restante família um Feliz Ano de 2012 e tudo de bom!

    Um Abraço!

    ResponderEliminar
  6. Os mesmos votos para si e família, Ricardo.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar