25 de novembro de 2009

Quando a vida imita a arte, que já tinha imitado a vida

São três histórias interligadas.

Mehram Karimi Nasseri, refugiado iraniano, viveu no Terminal I do Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, entre Agosto de 1988 e Julho de 2006.

Baseado na sua saga, Steven Spielberg, em 2004, decidiu filmar The Terminal, uma comédia dramática onde pontificavam Catherine Zeta-Jones e um fantástico Tom Hanks.

Em 2009, no Aeroporto de Narita, Tóquio, Feng Zhenghu, natural de Xangai, de 55 anos de idade, está a viver um episódio em tudo semelhante aos dois primeiramente descritos.
Tendo-lhe sido barrada a entrada na República Popular da China, o activista chinês, que esteve preso três anos por conduzir "negócios ilegais", vive no Aeroporto de Narita, alimentando-se com a comida e bebidas que os passageiros dos vários voos lhe oferecem, e dormindo num sofá junto ao sector de Imigração.
Desde 4 de Novembro, Feng Zhenghu foi impedido de embarcar com destino a Xangai por quatro vezes.
Noutras quatro ocasiões, foi autorizado a embarcar, apenas para ver barrada a sua entrada em solo chinês à chegada ao Aeroporto de Pudong, em Xangai.
Feng recusa-se a permanecer no Japão, alegando que não tem motivos para tal, as autoridades japonesas não podem legalmente impedir que permaneça no terminal do aeroporto, as autoridades chinesas não permitem a sua entrada no país, e Feng vai vivendo neste limbo e construindo mais um romance vivo a merecer acompanhamento futuro (a notícia aqui http://noticias.uol.com.br/ultnot/internacional/2009/11/13/ult1859u1852.jhtm ).
Ao ler a notícia, e ao ver a reportagem televisiva da Reuters, fiquei a imaginar a existência de um Stanley Tucci japonês a tentar ludibriar Feng, utilizando uma série de artimanhas, para este entrar em Tóquio e assim colocar um ponto final neste embaraço.
Será que também há uma Catherine Zeta-Jones nesta história?

1 comentário:

  1. Quando vi a notícia também me lembrei do filme e do tipo q inspirou o filme :)
    Sandra

    ResponderEliminar