12 de novembro de 2009

O rugido do leão


A fazer fé nas notícias que incessantemente correm em Portugal, Paulo Bento e Pedro Barbosa já têm os seus substitutos encontrados.
André Villas - Boas e Ricardo Sá Pinto, respectivamente treinador e director para o futebol, serão definitivamente os nomes escolhidos.
Se bem percebo a lógica subjacente a estas nomeações, José Eduardo Bettencourt estará a jogar no risco.
Como sempre, em casos semelhantes, pode sair como bestial ou como besta.
Não haverá meio termo.
José Eduardo Bettencourt parece estar mesmo tomado de amores por André Villas-Boas.
O presidente do Sporting quer um treinador jovem, "com mundo", disciplinado e disciplinador, motivante e motivador.

André Villas-Boas ainda não provou se reúne essas condições todas, mas conseguiu gerar à sua volta um entusiasmo inusitado, e esse entusiasmo é fundamental para acordar um leão adormecido.

Face às reticiências do treinador em dar tão grande salto, em tão pouco tempo, e para um clube em intensa convulsão interna, José Eduardo Bettencourt tirou uma carta da manga - o Coração de Leão, Ricardo Sá Pinto, amigo de longa data do treinador desejado.
Analisada a questão sob este prisma, Sá Pinto seria "a means to an end".
Mas não é só isso para José Eduardo Bettencourt.
Ricardo Sá Pinto transporta a mística do leão, algo que Pedro Barbosa nunca conseguiu, e que Rui Costa consegue no Benfica, e Vítor Baía, num outro nível, consegue no Porto.
A aposta, forte, repito, de José Eduardo Bettencourt, constitui-se assim numa terapia de choque.
Ricardo Sá Pinto e André Villas-Boas têm potencial para agitar o reino do leão.
Simultaneamente, têm potencial para apaziguar os ânimos exaltados dentro do clube e congregar forças para devolver o Sporting à luta pelo título.

Será assim, se tudo correr bem e se houver contratações muito bem feitas na reabertura do mercado.
Se houver dificuldades, aí passaremos rapidamente da euforia para a depressão.
E, então, nem José Eduardo Bettencourt sobreviverá.
Está a ficar definida a estrutura do futebol sportinguista.
Falta saber quem vai substituir Miguel Ribeiro Telles.

2 comentários:

  1. Eu diria mais: limpem o balneário, já agora, porque há ali alguns meninos que sentem a falta dos prometidos euros. E julgam-se patrões.

    ResponderEliminar
  2. O problema é que esses meninos continuam a ser essenciais.
    O Sporting optou por uma política de contenção financeira que tem enormes custos, passe o trocadilho fácil.
    O plantel é fraco, e não haverá nenhum santo milagreiro para endireitar o barco se não forem dados novos marinheiros ao timoneiro.
    E dos bons.
    O Porto gastou 25 milhões, mais coisa, menos coisa.
    O Benfica, idem.
    O Sporting não chegou aos quatro!!
    Não há milagres....

    ResponderEliminar