7 de dezembro de 2010

Este Dragão precisa de descanso. E o árbitro também.

O mais fraquinho Porto que se viu esta época foi o que se apresentou ontem à noite no Dragão.
A vitória (1-0) não disfarça a necessidade de descanso e o repensar de algumas situações individuais.
Comecemos pelo jogo.
O Porto ganhou, manteve os oito pontos de diferença para o Benfica, mas não conseguiu disfarçar o desgaste (natural) de muitos dos seus jogadores.
Pior, ficou ontem claro, se dúvidas ainda houvesse, que, sem Álvaro Pereira e Varela, o lado esquerdo da equipa do Porto é quase inofensivo.
Cristian Rodriguez, um dos jogadores mais bem pagos do plantel, já há muito tempo que não corresponde minimamente ao que lhe seria exigível.
Mais, a sua condição física parece ser cada vez mais precária.
Porque é que ainda não foi dada uma oportunidade a James Rodriguez?
Confesso que não percebo.
Emídio Rafael precisa de crescer muito para poder jogar nesta equipa do Porto.
Com medo, escondido, inseguro, é uma presa fácil para os adversários.
Manuel Fernandes percebeu isso e André Villas-Boas teve de fazer entrar Sapunaru para recompor a defesa (Fucile passou para o lado esquerdo e Sapunaru para a direita com a saída de Emídio Rafael).
Manuel Fernandes que também faltou ao prometido.
O treinador disse que não ia colocar o autocarro à frente da baliza.
Pois, colocou um submarino!
Só na segunda parte o Setúbal, perfeitamente inofensivo, rematou pela primeira vez à baliza do Porto.
Um Porto que jogava pouco, que não aquecia uma fraca assistência (a pior da época também) nas bancadas.
O guarda-redes setubalense exibia-se com qualidade nas poucas tentativas que o Porto ensaiou e só ficou a ver uma bola rematada por Belluschi acertar na trave (mais uma!!).
Até que Elmano Santos resolveu aquecer o jogo.
Grande penalidade, altamente duvidosa, a favor do Porto.
Que Hulk converteu.
Segunda parte penosa até quase ao final do jogo.
Aborrecido com tanta penúria, possivelmente com frio, Elmano Santos resolveu disparatar outra vez.
Grande penalidade a favor do Setúbal, também altamente duvidosa, cartão amarelo para Otamendi, quando, a haver falta, teria que ser Fucile a ver o cartão (e era o segundo).
Jaílson converte.
Mas Elmano Santos diz que ainda não tinha apitado e manda repetir.
Jaílson chuta para bancada.
E os adeptos do Porto, finalmente, tiveram um motivo para festejar.
Depois foi o fim do bocejo com a certeza que o Porto, e o árbitro, precisam de descanso.
E que há jogadores no plantel do Porto que têm que render muito mais.
E que o Setúbal tem que ser mais ambicioso se quiser conquistar pontos.

4 comentários:

  1. Cada um puxa a brasa à sua sardinha, é um facto que o Futebol Clube do Porto, participando em todos os eventos, tanto nacionais como europeus, seus jogadores comecem a mostar algum cansaço.
    O jogo de ontem assim o provou, veremos se na eliminatória da Taçca de Portugal, contra o meu Juventude de Évora, se acertem as contas, e os Raga a Roupa sigam em frente.
    Um abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. Tomba-gigantes, caro Cambeta?
    Não creio.
    Esse vai ser um jogo para ver caras novas no Porto.

    ResponderEliminar
  3. Pois, na última vez que se confrontaram e foi para a Taça de Portugal, o Juventude de Évora saiu derrotada, nas Antas por 9 a 1, mas graças ao Jardel que entrou na segunda parte, até aí, o resultado estava a 2 ' 1 a favor dos dragôes.
    Mas desta vez será diferente, e a esperança é última a morrer, depois dos 90 minutos de jogo saberemos se as Águias Eborense, souberam dar a volta à cabeça do Dragão.
    Cumprimentos desportivos

    ResponderEliminar
  4. Ainda me recordo bem desse jogo.
    O Jardel marcou 7 golos

    ResponderEliminar