15 de agosto de 2010

Porto em dificuldades no dia em que Sporting e Marítimo desiludem

No dia em que as equipas que vão disputar a pré-eliminatória de acesso à Liga Europa entraram em acção, aconteceram as primeiras surpresas desta Liga.
O Porto cumpriu a obrigação, ganhou na Figueira (1-0), mas não foi além disso, dos mínimos, e mesmo esses, com muitas dificuldades.
A boa exibição da Supertaça não foi repetida (longe disso), mas o Porto acaba por sair da Figueira com os três pontos, conquistados com justiça, mas muito sofrimento.
E com um erro infantil de Jonathas a provocar o penalty que deu o golo ao Porto.
André Villas-Boas confiou no mesmo onze que venceu o Benfica, mas a exibição foi bem diferente.
Como diferente foi a motivação, o campo (mais curto e mais estreito), o adversário (mais pressionante e  a jogar em contra-ataque), as condições atomosféricas (aquele vento típico da Figueira é muito complicado).
Determinante na vitória do Porto, a visão de Villas-Boas ao colocar Guarín em campo, no lugar de um apagado Varela (as condições físicas, naturalmente, ainda não são as melhores), ao mudar o sistema de jogo de um 4/3/3 para um 4/4/2 elástico (transforma-se em 4/1/2/1/2).
Sem brilhantismo, mas com eficácia, o Porto somou três pontos num campo complicado.
Muito mau o arranque do Sporting nesta Liga.
Já aqui tinha escrito que o Sporting é uma incógnita.
Ontem foi uma terrível desilusão para os seus adeptos.
Paulo Sérgio surpreendeu ao colocar Nuno André Coelho no centro da defesa e Daniel Carriço a jogar como número "6" na ausência de Pedro Mendes.
Foi evidente o desconforto de Nuno André Coelho (jogou pouco na pré-época e apareceu de sopetão como titular).
Carriço foi dos melhores, mas não é um número ""6", nem nunca será.
Na fase de destruição funciona; na fase de construção não existe.
Como não existem extremos.
O futebol do Sporting afunila, Liedson e Postiga são pouco eficazes, Valdés e Maniche foram umas nulidades.
Do outro lado, um Paços combativo, num campo complicado, com um jogador terrível - Rondon.
Uma estreia muito negra, a adensar as dúvidas que se acumulam à volta deste Sporting.
Como negra foi a estreia do Marítimo.
Os madeirenses atacaram muito, sempre sem grande inteligência, parecem algo cansados, acabaram por perder com um Setúbal que defendeu muito, e bem, rematou pouco, mas marcou.
Van der Gaag vai ter de dar a volta a esta equipa se quiser discutir a eliminatória com o Bate Borisov.

6 comentários:

  1. Ainda Não será esta época que o Sporting consiguirá ganhar algo.
    O Porto esse, veremos, começou, mas com muita sorte, quando ao marítimo, esteve a guardar as forças para o confronto europeu.
    O Benfica terá que se reforçar, caso contrário vai ver Braga por um canudo.
    O Domingos Paciência, esse, na terra do arcebispos vai sendo abençoado, na época passada faltou pouco para conseguir ser campeão e bem o merecia, mas a bola é redonda.

    Um abraço amigo e boa continuação de domingo.

    ResponderEliminar
  2. Só agora começou, caro Cambeta.
    Há quatro candidatos, embora me pareça que o Sporting tem a casa muito desarrumada.
    O presidente, e o Costinha, estão a destruir o trabalho que vinha sendo feito desde os tempos do Roquette.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. A Aguia também se deu mal com os estudantes, dos 4 grandes, só o Braga e Porto, este com alguma sorte, conseguiram entrar com o pé direito.
    Veremos ao longo do campeonato, se este treinador de bancada tem razão ou não.
    Na Luz, preferiram o dinheiro aos jogadores, em Alvalade está tudo no começo, no Dragão as coisas irão com calma, só o Braga mantêm o plantel e para abrir já deu nas vistas.
    Um abraço amigo

    ResponderEliminar
  4. Caro Cambeta,
    Na época passada, quando aqui escrevi que o segredo do Benfica estava na estabilidade que a dupla Javi Garcia/Ramires oferecia à equipa, e na imprevisibilidade e no poder de explosão de Di Maria, até insultos recebi.
    Continuo a pensar que assim era.
    A saída de dois desses elementos, abanou por completo a estrutura.
    Era difícil mantê-los com as propostas loucas que receberam.
    Os clubes portugueses têm que estar preparados para isto.
    Lançam jogadores, conseguem resultados desportivos e financeiros com eles, mas perdem-nos logo a seguir.
    E começa tudo de novo.
    Houve uma euforia desmedida à volta do Benfica.
    O Benfica tinha, e tem, uma boa equipa.
    Não uma equipa imbatível, imparável, como disse Jorge Jesus no fim do Torneio do Guadiana (desde então, perdeu três jogos).
    Como boas são as equipas do Porto e do Braga.
    O Sporting é que ainda me suscita sérias dúvidas.
    Mas, volto a dizer, ainda agora começou a época, os plantéis ainda não estão fechados, os jogadores ainda não se conhecem bem, há novos treinadores, ainda há muito para ver e muito para jogar.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. O Porto não me convenceu e, confesso-lhe, estou um bocado receoso do que possa acontecer na eliminatória com os belgas que têm um poderio atacante impressionante. Eu sei que ando pessimista, mas sinceramente isso também se deve à falta de confiança que a equipa transmite.

    ResponderEliminar
  6. Pois eu tenho a sensação que o Villas-Boas está a formar uma belíssima equipa, Carlos.
    E que sabe muito bem o que quer e como lá chegar.
    Vamos ver como se sai deste ciclo de jogos terrível.
    Se se sair bem, estou cenvencido que se anuncia uma boa época.
    Abraço

    ResponderEliminar