14 de julho de 2010

Liberté, egalité, fraternité....mas não é para todos

Lá vou voltar ao tema da Tomada da Bastilha, a 14 de Julho de 1789, à Revolução Francesa.
Aqueles ideais (liberdade, igualdade, fraternidade), foram sofrendo algumas variações interpretativas ao longo dos anos.
Os exemplos hoje recolhidos na imprensa, em Macau e em Portugal, confirmam-no.
A começar pela liberdade.
Mais uma vez, os chamados pró-democratas aqui do outro lado do Delta do Rio das Pérolas deram o exemplo do que acham ser o ideal de liberdade.
Ser livre é poder insultar o Chefe do Executivo e o Presidente do Lego.
E atirar-lhes umas coisas.
Depois das cascas de banana, sapatos, agora papéis.
Com palhaços destes a defenderem o aprofundamento do regime democrático (sufragistas, são sufragistas!!!), a ala pró-Pequim nem precisa de se esforçar muito no desempenho das suas funções.
Send in the clowns!

Mais a Ocidente, a ideia de liberdade parece que chegou ao ponto de ser permitido a um autarca manter-se despudoramente agarrado ao lugar ainda que tenha sido condenado por crimes relacionados com o exercício das suas funções.
Liberdade, sem responsabilidade, passa a ser libertinagem.
Foi assim que me educaram.
Será que os conceitos mudaram?
Ou é mesmo só pouca vergonha?
Send in the clowns!

Mas o conceito de igualdade também sofreu mutações.
Sobretudo desde que George Orwell escreveu que somos todos iguais....mas há uns mais iguais que os outros.
Só percebendo que há uns mais iguais que os outros é que se pode perceber que a incompetência seja premiada.
E premiada com 720 000 euros.
Este é mesmo daqueles que é muito mais igual que os outros!
Send in the clowns!

Mas também os há aqui mais a Oriente.
É o caso daquele senhor que acumula cinco cargos, que será uma espécie de Nuno Rogeiro, mas mais para o oriental, porque sabe de tudo - desde ciência e tecnologia, a comércio, cultura, ensino, ....e outras artes, por certo.
Muito mais igual que os outros, sem dúvida nenhuma!
Send in the clowns!

Falta a fraternidade.
Não, não falta.
É que, bem aqui a Oriente, alguém que foi diabolizado em Fevereiro, aparece agora, quatro meses depois, com uma aura salvífica.
E a trabalhar para uma área que lhe deve ser totalmente familiar.....
Querem melhor exemplo de perdão fraterno?
Send in the clowns!!

3 comentários:

  1. Tal como o clima, também os conceitos se alteram, Pedro.

    ResponderEliminar
  2. adorei saber que o futebol dá prejuizo, mas porque é que o tal senhor vai levar um prémio? Não tem já ordenado?
    Clotilde

    ResponderEliminar
  3. O mundo é composto de mudança, não é Carlos?
    Julgo é que não era necessário que mudasse tanto.
    Clotilde,
    Essa é a pergunta do milhão de dólares.
    Normalmente, o mérito é premiado.
    Neste caso.....neste caso, o "prémio" merecido era uma rescisão contratual.
    Abraço ambos

    ResponderEliminar