20 de maio de 2011

Campanha dos 100 anos da ABI (Associação Brasileira de Imprensa)


Sobre a Vírgula

Vírgula pode ser uma pausa... ou não.
Não, espere.
Não espere.


Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.



Pode criar heróis..
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.



Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.



A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.



A vírgula pode condenar ou salvar.
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!



Uma vírgula muda tudo.
ABI: 100 anos lutando para que ninguém mude uma vírgula da sua informação.


Detalhes Adicionais:



SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA.

* Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER...

* Se você for homem, colocou a vírgula depois de TEM...

15 comentários:

  1. Caro confrade Pedro Coimbra!
    Aprecio sobremaneira esta reflexão sobre o papel fundamental que a vírgula tem quando nos comunicanos, através da linguagem escrita.
    Caloroso abraço! Saudações virgulinas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderEliminar
  2. Caro Prof. João Paulo Oliveira,
    A vírgula é fundamental.
    Muito recentemente, ao comentar uma mensagem, escrevi - lindíssima (e depois o nome da senhora).
    Sem vírgula.
    E a senhora respondeu-me - a mensagem é lindíssima, ou eu sou lindíssima?
    É complicado.... :)))
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Sou fã da gramática
    a virgula representa bem nossa gramática!
    Legal, abrçs.

    ResponderEliminar
  4. Olá João,
    Somos fãs da vírgula.
    Mais que não seja, para não haver lugar aos embaraços que comentei com o Prof. João Paulo Oliveira.
    Um abraço

    P.S.
    João é um lindo nome.
    É o que acha o João Pedro Coimbra.

    ResponderEliminar
  5. Caro confrade Pedro Coimbra!
    Perdoe-me por ser abelhudo, mas não resisti em opinar sobre seu nome completo, porque ele é muito aristocrático e me reporta a nobilíssima Universidade de Coimbra, que irradia conhecimento, formando ilustres cidadãos desde o remoto ano de 1290!!! Não vejo a hora de conhecê-la!!! Tenho certeza que além de encantado nem pestanejarei ao flanar pelas suas seculares dependências e arredores!!!!
    Caloroso abraço! Saudações coimbraianas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderEliminar
  6. Ah, vírgula, vírgula... a quanto obrigas!

    ResponderEliminar
  7. Caro Prof. João Paulo Oliveira,
    Sou originário de Coimbra, de apelido Coimbra, e tive o privilégio de me licenciar em Direito na Universidade de Coimbra (o mestrado foi feito aqui em Macau em parcerioa com....a Universidade de Coimbra).
    É uma escola de tradição, de excelência e de exigência.
    E de uma beleza arquitectónica ímpar.
    Um amigo, francês, ao visitar a Universidade pela primeira vez, disse-me que era uma pena que aqueles espaços fossem usados de forma tão intensiva, por tanta gente.
    Quando visitar, vai ficar deslumbrado com a Biblioteca Joanina (nem de propósito).
    Um espaço de uma beleza incrível.
    E com tesouros únicos.
    Abraço de um bairrista a viver em Macau.

    Catarina,
    Recorda-se do episódio que conto ao Prof. João Paulo Oliveira? :))

    ResponderEliminar
  8. Sobre a lindíssima senhora? : )

    A pontuação faz uma grande diferença; pode alterar o significado completo de uma frase/texto.

    ResponderEliminar
  9. Ainda sobre a pontuação:

    Um homem rico, à beira da morte, deixa o seu testamento assim:

    “ Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do
    alfaiate nada aos pobres. ’’

    O sobrinho lê e altera:

    “ Deixo meus bens: a minha irmã, não; a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do
    alfaiate. Nada aos pobres. ”

    A irmã lê e reescreve:

    “ Deixo meus bens a minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do
    alfaiate. Nada aos pobres. ’’

    O alfaiate lê e altera:


    “ Deixo meus bens: a minha irmã, não; a meu sobrinho, jamais. Será paga a conta do
    alfaiate. Nada aos pobres. ’’


    Entretanto, um grupo de pobres apodera-se do testamento que acaba por ser reescrito desta forma:

    “ Deixo meus bens: a minha irmã, não; a meu sobrinho, jamais; será paga a conta do
    alfaiate ? nada; aos pobres ! ”

    ResponderEliminar
  10. e é engraçado coloquei a vírgula sem pensar, mesmo depois de mulher :)

    ResponderEliminar