10 de outubro de 2012

Uma sugestão para não ver repetidas situações como as de Miguel Lopes e Casillas


Criaram grande celeuma as chegadas de Miguel Lopes à concentração da selecção nacional portuguesa e a de Iker Casillas à concentração da selecção nacional espanhola.
Porque ambos envergavam tee-shirts no mínimo pouco apropriadas à ocasião.
Miguel Lopes pela linguagem desbragada, ainda que em língua inglesa; Casillas por envergar uma tee-shirt com referência a um dos próximos adversários da selecção espanhola.
Talvez seja uma boa ocasião para repensar o tema das chegadas dos jogadores à concentração das selecções nacionais.
Se já há um uniforme que é utilizado nas deslocações, e em ocasiões formais, que tal a Federação Portuguesa de Futebol estabelecer a obrigatoriedade de, à chegada aos estágios, os selecionados vestirem um fato de treino representativo da selecção nacional?
Poderia até ser firmado um contrato de patrocínio com uma qualquer marca de equipamento desportivo e, desta forma, juntava-se o útil ao agradável.
Aproveitando esta celeuma, que tal disciplinar também esta situação e evitar que se criem mais embaraços como os que agora aconteceram?

17 comentários:

  1. Aqui está uma boa proposta e até parece ser muito desportiva.
    Um por todos e todos por um.

    Um dia destes ainda os obrigam a ter aulas de boas maneiras e de apresentação em campo...

    ResponderEliminar
  2. Luís,
    Há uns bons anos, o presidente do Sporting (João Rocha) dizia que queria ver os jogadores do Sporting a saber comer de garfo e faca.
    Não será esse o caso.
    Mas, à chegada ao estágio da Selecção Nacional, usar uma tee-shirt daquelas, meu caro, para um conservador como eu, é ofensivo.
    Para evitar dúvidas, e até se pode ganhar uns cobres com isso, faz-se um contrato de patrocínio com uma marca desportiva e os jogadores chegam todos com um fato de treino que identifica a Selecção.
    Simples e eficaz.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. Como disse, juntar o útil ao agradável... ouro sobre azul!!!

    ResponderEliminar
  4. João Marques,
    Não me parece que seja complicado implementar uma mediadas destas, pois não?
    E evitam-se situações como as descritas.

    ResponderEliminar
  5. Caro amigo,

    concordo em absoluto consigo ou não fosse eu um...conservador!!! :DDD

    Aquele abraço, Pedro!

    ResponderEliminar
  6. Ricardo,
    Quando as pessoas não conseguem perceber por elas próprias que há coisas que não são correctas, tem de ser à bruta.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  7. Sim, Pedro!!!
    O que eu pretendia dizer é que subscrevo em absoluto...
    uma medida simples com retorno para evitar novas situacoes desagradaveis, nada a haver com o futebol...

    ResponderEliminar
  8. Pedro
    Escreve o Amigo: "Talvez seja uma boa ocasião para repensar o tema das chegadas dos jogadores à concentração das selecções nacionais."
    E eu permito-me acrescentar: talvez seja uma boa ocasião para educar e dar princípios a estes senhores. Se não percebem ao que andam, rua!

    O que vi nestas duas fotos é uma autêntica vergonha.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Belíssima sugestão, Pedro !
    Imagens como essas, nestas ocasiões são absolutamente ridículas, para não dizer pior ! :(((
    .

    ResponderEliminar
  10. Excelente ideia, Pedro!
    Estiveram os dois muito mal na escolha da roupa...

    ResponderEliminar
  11. João,
    Estes tipos precisam de perceber que estão ali não em representação deles próprios, mas de um Pais.
    Grande abraço


    Vergonha e mesmo o termo, António.
    Inadmissível!


    São inaceitáveis, Rui.
    A imagem do Pais esta ali em causa.
    Não percebem a bem, vai a bruta!


    Su,
    Dois idiotas.
    O Casillas, ainda por cima, e o capitão de equipa.
    Farda oficial e acabou-se o regabofe!

    ResponderEliminar
  12. Amigo, isso não abre um precedente? Então e onde é que fica a liberdade de expressão no meio disso?

    ResponderEliminar
  13. Sempre me ensinaram que liberdade e libertinagem são coisas bem diferentes, FireHead.
    Aqui temos um exemplo de pura libertinagem.
    Repito, inadmissível!

    ResponderEliminar
  14. O Casillas, ainda aceito, agora o Miguel Lopes, francamente! É de um mau gosto inqualificável...

    ResponderEliminar
  15. Tem que se pôr fim a isto, Carlos.
    Os meninos parece que não entendem que há limites.
    Se não entendem, tem de se cortar a direito.

    ResponderEliminar
  16. É mesmo caso para dizer falta de gosto, até me pergunto se ele percebe Inglês, é claro que deve saber mas torna-se tão disparatado que a pergunta não deixa de surgir...

    ResponderEliminar