9 de outubro de 2012

Um simples pedido de desculpas não chega


Não consigo aceitar que se considere o que aconteceu no dia 5 de Outubro como um simples "incidente", que se trate o caso como mais um fait-divers, como mais uma peça do imenso anedotário nacional.
O presidente da Associação de Oficiais de Forças Armadas, coronel Pereira Garcel, disse à agência Lusa que a bandeira hasteada ao contrário «sinaliza que o local está dominado pelo inimigo e é o envio de um pedido de socorro».
É este o significado militar da bandeira hasteada ao contrário.
Abstenho-me de comentar a gravidade da situação associada a um gesto desta magnitude por ser demasiado óbvia.
Depois do que aconteceu no dia 5 de Outubro, o que se viu foi António Costa assumir a responsabilidade pelo "incidente", foram pedidos de desculpa avulsos por o mesmo ter acontecido.
E por aí se ficou a oficialidade portuguesa.
Felizmente, e cada vez mais, os movimentos de cidadãos começam a apresentar-se como a consciência do País e a exigir que se apurem responsabilidades e que sejam punidos os responsáveis por actos desta gravidade.
Há, tem de haver, responsáveis pelo facto de ter sido hasteada a Bandeira ao contrário, com a simbologia associada a esse gesto.
E esses responsáveis terão que ser punidos.
Sabe-se que já foi apresentada uma queixa nesse sentido (movimento Tugaleaks).
Espero que, esta ou outra qualquer, tenham o devido seguimento e consequências.
Respeitem o meu País!

15 comentários:

  1. Este país deixou de ser a Republica das bananas! Passou a ser um país governado por... bananas!
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  2. Luciano,
    Talvez por estar longe, e ouvir coisas que não gosto, estas situações ainda ofendem mais.
    Não quero sangue.
    Quero responsáveis.
    Que têm que ser responsabilizados por esta borrada.
    Chega de regabofe!
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. Pedro,

    começo pelo final RESPEITEM O MEU PAÍS!!!

    Num País entre à escória da escória que seria de espera? Eu, confesso, na minha inocência esperava mais, muito mais, não basta endireitar as Finanças Públicas, não basta dizer que em 2014 é que é (antes era em 2013), há que estimular as pessoas para lutarem abnegadamente para se superarem e todos nós superarmos esta situação.

    São as PPP, são as nomeações, são os Relvas e os Álvaros, enfim, há que mudar as moscas, já que a merda vai aos poucos e já vem de há anos.

    Queixam-se da Justiça Portuguesa mas, Pedro, curiosamente ou talvez não, são os políticos que querem que ela se mantenha paralisada, tem medo, e eu pergunto, uma vez mais inocentemente, medo de quê? Quem não deve não teme, não é verdade?

    Pedro, aquele abraço daqui para ai (sítio onde espero estar na sua companhia em finais de Fevereiro e inícios de Março)!

    ResponderEliminar
  4. A Justiça sempre teve umas costas muito largas, Ricardo.
    E olhe que não é só em Portugal.
    Estou farto de ver maltratar o meu país, porra.
    E de ouvir coisas que me deixam furioso.
    Muitas vezes vindas de quem nunca visitou, nem quer visitar, Portugal.
    Depois, passa-me a fúria e penso que, tantas vezes, somos nós que passamos essa má imagem para fora.


    Estou à sua espera, Ricardo!
    Vamos aí dar uns passeios porreiros!!
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  5. Concordo com a tua indignação e subscrevo o comentário de Ricardo Meneses...e só acrescento foi de facto um lapso que percorreu mundo. Imperdoável? Eh pá...com tanta coisa andamos todos à volta da fogueira a fazer o quê e para quê? Ainda quem vai levar com um processo é o mais pequeno que dobrou a bandeira...porque Cavaco e António Costa não tinham obrigação de ver o que era óbvio mal começou?
    Pior foram...
    As várias gafes desse dia, a fuga/ou esconder dos políticos a ausência do primeiro ministro, a não abertura dos jardins do Palácio de Belém significaram o quê? pois claro «sinaliza que o local está dominado pelo inimigo e é o envio de um pedido de socorro».
    O inimigo somos nós e fogem do quê?

    Enfim...

    ResponderEliminar
  6. Amigo, como é que se pode falar em respeito pelo nosso país?? Não se lembra que o Mário Soares ultrajou a bandeira nacional quando esteve fora do país e que... foi recebido como herói da pátria e é ainda hoje visto por muitos energúmenos como tal?? Infelizmente isto é um país de traidores. Como escreveu Camões, "até entre os portugueses, traidores houve algumas vezes"...

    ResponderEliminar
  7. Depois de ver o outro senhor atirar a bandeira ao chão e pisá-la este foi o mais triste episódio com a nossa bandeira, mas sabe que eu, eu não queria entrar em teorias da conspiração e eu sei que os acidentes acontecem, eu sei que nem tudo é coincidência mas as coincidÊncias existem, mas neste caso, honestamente parece-me que isto além de propositado foi muito bem armado!

    Beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  8. Fatyly,
    Gafe, ou não, o que se passou foi muito, muito, mau.
    Nem percebi como e que, depois de verem a Bandeira ao contrario, Cavaco Silva e António Costa continuaram.
    Alguém, seja que for, tem que ser responsabilizado.


    FireHead,
    Já imaginou o que aconteceria se algo de semelhante se passasse com a Bandeira chinesa?
    Nem estou a pensar na Lei 7/1999, de Macau.
    Estou mesmo a pensar na China.
    Desculpem lá qualquer coisinha?
    Nem pensar!!


    Pois e, Catarina.
    Quem nos garante que não tenha havido ali malandrice?
    Vamos até o fim.
    Quero respostas.
    Beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  9. 'Apenas' o símbolo estava de pernas para o ar.
    A posição da bandeira estava correcta: o verde na parte 'interior' e o vermelho, no 'exterior'.
    Posições correctas quanto ás cores.
    O símbolo é que estava mal.
    Aquilo não pode ser chamado de gaffe. Alguém tem que ser responsável pela feitura da bandeira. Distracção? Não me convencem?
    Leviandade a vários níveis, é o que é.
    Quem faz as bandeiras? E quem supervisiona o trabalho? E os homens do protocolo estavam bêbados? E quem iça a bandeira, limita-se a sorrir para o povo?
    É muita m**** junta.

    ResponderEliminar
  10. Exactamente, António - demasiada porcaria junta para se ficar por um pedido de desculpas tonto.
    Não, não chega!

    ResponderEliminar
  11. Não conhecia esse significado, mas isso ainda torna o caso mais grave. De qualquer modo, o que espelha melhor a situação do país é o facto de o 5 de Outubro ter sido comemorado às escondidas do povo!

    ResponderEliminar
  12. Com tanta coisa errada, até me pareceu algo simbólico.

    ResponderEliminar
  13. Carlos,
    O último 5 de Outubro, que podia ter a participação popular, ser comemorado (????) desta forma, é muito triste.
    Até revolta!


    Gábi,
    Simbólico, até pode ser.
    Mas mantenho que, face à gravidade do gesto, alguém tem que ser responsabilizado.
    Tem que ser assim.
    Chega de bandalheira!

    ResponderEliminar
  14. Neste dia envergonhei-me do meu país. Partir foi a palavra de ordem...

    ResponderEliminar
  15. ana,
    Foi um 5 de Outubro muito triste.
    Com este e outros episódios nada dignificantes.
    E, mais uma vez, umas bocas parvas ouvidas fora do País.

    ResponderEliminar