18 de outubro de 2012

Finalmente os anos 90 (56)

8 comentários:

  1. A minha preferida de Shania Twain e uma das minhas músicas de eleição, Pedro!

    Diria que esta é a canção da minha vida e que é um relato da minha vida!

    Abraço, Pedro e agora...vou ouvi-la!

    ResponderEliminar
  2. E que o Ricardo dedicou à sua mulher no dia de aniversário de casamento.
    Lembro-me bem porque achei a escolha muito feliz.
    De hoje a uma semana, celebro eu o 15º aniversário de casamento.
    Meu 15º aniversário de casamento, 76º aniversário do meu pai (ainda é um puto).
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente, que memória!

      O meu pai também irá cumprir 76 anos em Novembro (dia 5) e nem acredito que tenha essa idade!

      Abraço

      Eliminar
  3. Era fácil lembrar, Ricardo.
    Sem dúvida, em muitas coisas, e o apego ao círculo familiar é uma das mais importantes, somos muito semelhantes.

    Felizmente, Ricardo, ainda que com alguns achaques pelo meio, temos os nossos pais vivos e de boa saúde.
    Deus os conserve assim por muitos e bons anos.
    E esta é outra das coisas em que somos parecidos - respeitinho, muito respeitinho, aos pais.

    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  4. Shania Twain.
    Gosto de a ouvir e de a ver.

    ;)

    ResponderEliminar
  5. Gosto muito...e falam do vosso pai e que coincidência faleceu aos 76 anos e como sempre quis, em apenas dez minutos. Se fosse vivo teria feito 90 anos.
    A sua "miúda gira" como ele sempre chamou a minha mãe, no dia 24 completará 83 anos e digo-vos que de memória está bem melhor do que eu:) A ela quem lhe tira o Pavaroti e outros...tiram-lhe tudo:)

    ResponderEliminar
  6. Fatyly,
    Quem acompanha o blogue há mais tempo sabe o que lhe vou contar - o meu pai, que foi contabilista toda a vida, decidiu que queria estudar há alguns anos (quando era mais novo não havia $$$$).
    E foi cursar......Filosofia.
    Licenciou-se.
    E hoje, quando lhe apetece, vai frequentando uma aulas do mestrado.
    O BI não interessa.
    O que interessa é o que a pessoa sente.

    ResponderEliminar