18 de outubro de 2012

Doar 100 milhões para poupar 2.3 biliões?


Depois de mais um debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos, e depois de, finalmente, se ter falado abertamente em Macau das doações de Sheldon Adelson a Mitt Romney (antes dele a Newt Gingrich), expondo a hipocrisia e o cinismo do candidato Republicano, o tal que recebe dinheiro (muito dinheiro!!) com origem na China enquanto critica o país na campanha presidencial, surgem cada vez mais indicadores  acerca das razões que levam Sheldon Adelson a ser tão generoso com os candidatos do Partido Republicano.
O magnata do Jogo, que viu a sua fortuna crescer exponencialmente desde que apostou forte em Macau e Singapura, constitui o exemplo perfeito do bem fundado do aforismo "não há almoços grátis".
Ao ler aqui o artigo que Travis Wilson assinou na publicação Think Progress (11 de Setembro, curiosamente) percebe-se que, muito acima de quaisquer convicções políticas, doar 100 milhões de dólares, na perspectiva de poupar 2.3. biliões à sombra do plano fiscal de Mitt Romney, é definitivamente um bom negócio.
Quem é que se lembrou de outro conhecido aforismo - "dar um chouriço a quem nos der um porco"?  

12 comentários:

  1. É o cúmulo da hipocrisia. Adelson enche os bolsos à pala dos chineses e depois contribui com fortunas para a campanha que permanentemente agita com o fantasma do papão chinês.
    Mas não é o único. Whynn faz o mesmo embora mais discretamente

    ResponderEliminar
  2. O Wynn ("Macau boy") e mais discreto, Hugo.
    Até porque não tem tanto em jogo como este.
    Este, para além do alívio fiscal, também quer um Procurador amigo.
    Há reportagens na América sobre o tema.

    Acerca da hipocrisia de Romney escrevi há dias no blogue Olhar Direito (colaboro de vez em quando).

    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. Pedro,

    aforismos à parte, isto é uma tramóia típica e usual em politica, aliás, esta é a principal causa do afastamento das pessoas em relação ao fenómeno politico.

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Estes falcões assustam-me, Ricardo.
    Isto é gente perigosa.
    Continuo a rezar para que Obama seja reeleito.
    A prestação dele, nomeadamente na área económica, não foi brilhante (ele não é Clinton).
    Mas, comparado com esta gente, Deus nos livre!!
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  5. Ao pé do Adelson o Stanley Ho é um menino. :)

    ResponderEliminar
  6. No poder económico, FireHead.
    Porque, no resto, este não chega aos calcanhares do Stanley Ho.
    Quando aqui chegou, este tipo vinha com a atitude arrogante, típica dos americanos.
    Não passou muito tempo até o Stanley o meter no bolso!

    ResponderEliminar
  7. Gente perigosa, António, gente muito perigosa.
    Sinistra, mesmo.

    ResponderEliminar
  8. São este tubarões com jogos de bastidores...que têm destruído o mundo!

    ResponderEliminar
  9. Carlos,
    Esse é o pavor dele.
    É que não é só a questão de um regime fiscal amigo que o preocupa.
    Mais do isso, dava muito jeito um Procurador amigo.....


    Fatyly,
    Estes não são tubarões.
    São falcões, o que ainda é pior.

    ResponderEliminar
  10. Concordo com o comentário da Fatyly, embora numa outra zona geográfica, em questão a Russia tenho andado a ver uma reportagem que se chama as "7 irmãs", sobre os dominios por uso do petróleo de do gás natural dos Russos, assustador mesmo, e o pior é que tubarões destes há em todo lado.

    Beijos

    ResponderEliminar