18 de outubro de 2012

Dilema do Juiz-Conselheiro (Jubilado) Mário Araújo Ribeiro



«Concluí que a minha filha desempregada e o meu filho dentista com falta de clientes (ambos divorciados) têm de intentar acções judiciais contra mim, para eu ser CONDENADO a pagar "alimentos" (no sentido legal do termo) aos meus netos. Porque, com uma sentença judicial, eu posso descontar essas despesas no IRS e, se ajudar voluntariamente, não posso. Se encontrar uma saída, transmito-a a todos os avós. »

Juiz-Conselheiro (Jubilado) Mário Araújo Ribeiro

24 comentários:

  1. Caro Pedro Coimbra
    Esta não faz parte da excelentes anedotas que vai publicando. Mas que é um verdadeira anedota, é!
    Um grande abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  2. Rodrigo,
    Mas esta é uma anedota verdadeira, demasiado verdadeira.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. Caro amigo Pedro Coimbra!
    Já pensou se a "moda" pega?!...
    Caloroso abraço! Saudações preocupadas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderEliminar
  4. Não conheço a lei brasileira, caro Prof. João Paulo de Oliveira.
    Mas, a face da lei portuguesa, este cenário, que parece anedótico, e bem real.
    Aquele abraço!

    ResponderEliminar
  5. Demasiado real, António, demasiado real.

    ResponderEliminar
  6. A minha cabeça deu nó...e já agora que argumentos se pode usar para intentarem acções contra ele que é pai, sogro e avô?

    Escusa de me informar...a minha reforma não é de todo igual ao seu vencimento ou reforma.

    Esta não consegui perceber!



    ResponderEliminar
  7. Tenho a mesma situação com a minha mãe. Apesar de estar a meu cargo, não recebo nada, porque ela não vive comigo!

    ResponderEliminar
  8. Fatyly,
    Com essa acção ele seria FORÇADO a sustentar os filhos e os netos.
    Com a diferença que, sendo o Tribunal a decretar essa obrigatoriedade, ele pode deduzir essas despesas em sede de IRS.
    Se não for o Tribunal a decretar essa obrigatoriedade, não pode.
    Não faz sentido nenhum, pois não?
    Mas é mesmo assim.


    Carlos,
    Quando o sistema fiscal é estúpido, o que é que se pode fazer?
    Muito pouco, diria eu.

    ResponderEliminar
  9. Ah...claro que não faz sentido algum...e realmente o sistema fiscal e judicial está recheado de normas e leis demasiados idiotas que a meu ver é para proteger apenas "os de sempre" ou seja não aplicáveis e esta (que desconhecia) talvez seja uma delas!

    Espelho de uma máquina completamente em decadência!

    ResponderEliminar
  10. Esta particularidade do sistema fiscal e absolutamente idiota, Fatyly.
    Ao ponto de se tornar irritante.

    ResponderEliminar
  11. Pela amostra, Pedro não percebes nada de finanças.
    Mais valia nãp teres tirado a viola do saco.
    De qualquer modo tarde piaste
    Pinheiro da Malaposta

    ResponderEliminar
  12. Tulio Machado Um luso gaúcho que ainda não perdeu a capacidade de se indignar24 de fevereiro de 2013 às 21:43

    Quando e enquanto juiz no activo o que fizeste para parar estes energúmenos?

    Porque não entras com uma acção directamente contra estes bostas que nos governam?

    Porque não fazes um convocatória dos teus pares para agirem da mesma maneira?

    Porque estiveste tanto tempo a ganhar e a julgar seja lá o que foi e achavas que tinha que ficar tudo na mesma?

    Agora que toca a ti a merda com que pactuaste estás a fazer-te de vitima???

    Parafraseando o antigo Secretário da Cultura, vai tomar no olho do teu cú.
    Tulio Machado



    ResponderEliminar
  13. Tulio Machado Um luso gaúcho que ainda não perdeu a capacidade de se indignar24 de fevereiro de 2013 às 21:49

    Porque andaste a comer do bom e do melor como juiz e só agora te manifestas?
    Porque não pedes aos teus pares para juntos criarem uma associação e lutar contra estas injustiças?
    Porque durante o tempo que julgastes, seja lá o que for, ficaste moita e quieto como guri cagado, e achavas que estava tudo bem?
    Porque agora os teus filhos são melhores que os outros?
    Porque não metes a viola no saco e vende o conseguiste e dá aos pobres para entrar no reino dos céus?
    Porque não piaste antes?
    Porque agora achas que precisas de uma marucutais da justiça para justificar o que queres dar aos filhos?
    Puta que o pariu, vai tomaqr, levar ou o que seja no cú.
    Tulio

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conhece o juiz - conselheiro, Túlio?
      Pelas acusações graves que lhe faz, sou levado a concluir que sim.
      Caso contrario......
      Cumprimentos

      Eliminar
    2. Conversa de paneleiro brasileiro. Viu-se no que deu de cada vez que as magistraturas quiseram por cobro aos excessos do poder legislativo: cortes nos vencimentos, alterações da composição dos conselhos para controlar o poder disciplinar e as classificações (promoções dos magistrados), agravamento da responsabilidade civil e disciplinar, etc... Vai apanhar no cú tú, ó Tulinho.

      Eliminar
    3. Conversa de paneleiro brasileiro. Viu-se no que deu de cada vez que as magistraturas quiseram por cobro aos excessos do poder legislativo: cortes nos vencimentos, alterações da composição dos conselhos para controlar o poder disciplinar e as classificações (promoções dos magistrados), agravamento da responsabilidade civil e disciplinar, etc... Vai apanhar no cú tú, ó Tulinho.

      Eliminar
  14. Sr. Pedro Coimbra, por acaso conhece a "fonte" ?
    O jornal "Expresso" ?
    Um abraço

    Rui de Campos

    ResponderEliminar
  15. Sr. Pedro Coimbra, por acaso conhece a "fonte" ?
    O jornal "Expresso" ?
    Um abraço

    Rui de Campos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que desconheço, Rui de Campos.
      Lamento.
      Um abraço

      Eliminar
  16. E o que é que dirá o Tribunal Constitucional?
    Se calhar não consta na CONSTITUIÇÃO.

    ResponderEliminar
  17. Para o brasileiro: ele que se vá lixar porque não tem nada a ver com o que o Senhor Conselheiro faz ou deixa de fazer. Odeio este tipo de gente, e mesmo que o Senhor Conselheiro não devesse ter dito nada à um mínimo de respeito pelas pessoas.

    ResponderEliminar
  18. Adaptando o ditado popular: legislador impertinente faz o cidadão desobediente.

    ResponderEliminar