30 de dezembro de 2011

O balanço do ano em Macau e as boas-vindas ao Ano Novo

O balanço do ano em Macau fica a cargo de uma das mais ilustres figuras do ano (não se trata de nenhum dos pandas que estão em Seac Pai Van mas vai dar no mesmo):


As boas-vindas a 2012 são dadas pelo Eddie Murphy:




Tenham um Maravilhoso 2012 e, como dizia o Solnado, façam-me o favor de ser felizes.
O blogue volta no dia 3 de Janeiro.

A TODOS OS MEUS AMIGOS, FAMILIARES e CONHECIDOS....


Para todos aqueles que em 2011 me enviaram correios electrónicos dizendo que, se os reenviasse, ia ficar feliz, rico e milionário, informo que NÃO FUNCIONOU!

Em 2012, por favor, mandem dinheiro, presentes ou vales de gasolina.
Obrigado.

PS: Não aceito acções do BPN

Ementa para o réveillon

Sugestão da Rita e do FerreirAmigo:

Lagosta à troika




Não abusem!!!

Sugestões de final de ano

A Isabel envia-me isto:


BOM ANO 2012

Que a Luz do Glorioso vos ilumine.

SE EU PODIA TER OPTADO POR OUTRO TIPO DE IMAGEM PARA VOS DESEJAR UM BOM ANO???!!

PODER, PODIA, MAS NÃO ERA MESMA COISA!!!!!!!



O Barreto, benfiquista, junta-se aos sportinguistas e manda-me isto:

A conclusão é óbvia!


Evolução (última)

E agora os anos 70 (última)

Para acabar esta rubrica em beleza.
"Para o ano" recuamos mais uma década.
Vamos voltar aos sixties.

29 de dezembro de 2011

A Casa dos Segredos e o fim do Mundo em 2012


Talvez haja alguma verdade na profecia que anuncia o fim do Mundo para o ano que começa dentro de dias.
Pelo menos no que a Portugal concerne.
Não, não estou a pensar em escândalos financeiros, crise económica, promessas que não se cumprem e quejandos.
Estou a pensar que tem de haver algo de intrinsecamente errado num país onde se quer despedir um comandante de uma Polícia Municipal (Coimbra) porque enviou uma mensagem aos amigos na qual lhes desejava que tivessem "relações sexuais incríveis" (até tem piada!!), mas se tem como líder de audiências na televisão um programa, num canal que seria supostamente controlado pela Igreja Católica (foi assim que foi apresentado há já muitos anos, lembram-se?),  no qual é frequente serem filmadas cenas de sexo ao vivo e que, mais recentemente, mostrou uma cena de sexo oral e masturbação a quem estava a ver.
Finalmente começo a perceber a profecia.

Duarte Lima: Fixe bem esta palavra - oitiva

No ano de todas as crises, em que a política e a economia sufocaram (literalmente) a sociedade, a justiça seguiu as pegadas do País e manteve a sua atracção pelo abismo. Os casos em torno de Duarte Lima, o alegado assassino que acabou apanhado por lavagem de dinheiro, deram um empurrãozinho – e são um exemplo cristalino dos males que nos afligem.
 
Se me pedissem para resumir o Portugal de 2011 numa única palavra, eu escolheria esta: ‘oitiva'. ‘Oi... quê?', pergunta o caro leitor, já preocupado com o estado da sua cultura geral. Não se aflija. É perfeitamente natural que não saiba o significado de ‘oitiva'. O procurador-geral da República, Pinto Monteiro, também não sabia o que ela queria dizer quando recebeu do Brasil um pedido de ‘oitiva a Duarte Lima' a propósito da investigação à morte de Rosalina Ribeiro. Vale a pena conhecer esta história exemplar.
 
Desde 2010, as autoridades brasileiras solicitaram às portuguesas uma série de diligências, entre as quais a ‘oitiva'. Todas essas diligências deram em nada. Confrontado com a falta de empenho do Ministério Público na resolução do caso, Pinto Monteiro deu esta desculpa ao semanário ‘Sol': por causa de tão complexo pedido, havia sido obrigado a efectuar "uma diligência informal prévia com vista a esclarecer o sentido da palavra ‘oitiva', a qual não foi conclusiva por se tratar de terminologia antiga e que mesmo as autoridades brasileiras são dissuadidas de utilizar". O pedido ficou por cumprir.
 
GOOGLE, SR. PROCURADOR
 
À falta de dicionários da língua portuguesa, o procurador-geral da República poderia ter ido ao Google. Escrevia ‘oitiva' e logo na primeira entrada (a Wikipédia) teria lido isto: "Comummente utilizada no meio jurídico. Oitiva significa audição, no sentido de ouvir. Exemplo: A oitiva da testemunha é obrigatória." A polícia brasileira queria - imagine-se - que Duarte Lima fosse ouvido. O Ministério Público perdeu-se na tradução.
 
Das duas, uma: ou o procurador-geral da República não sabe ‘googlar', ou sabe, mas fez-se de engraçadinho. Eu voto no engraçadinho. Pinto Monteiro estava a ironizar com a história da "diligência informal prévia". Estava a contar uma anedota de brasileiros. Estava a praticar sarcasmo judicial. Em 2011, a Procuradoria foi confrontada com o alegado assassinato de uma cidadã portuguesa por um cidadão português e decidiu que a atitude certa não era colaborar com as autoridades do Brasil, mas sim fazer piadinhas.
 
Eis a razão por que deve, caro leitor, fixar para todo o sempre a palavra ‘oitiva' - ela mostra de forma exemplar como a Justiça portuguesa está virada do avesso, preferindo entreter-se com rodriguinhos de treta em vez de se preocupar com aquilo que está em causa. Afirmou um polícia brasileiro que trabalhou no caso Rosalina: "A Procuradoria levou quatro meses para responder a um e-mail. É mais tempo do que o Cabral levou a vir para o Brasil." Isto, sim, é uma boa piada - embora dê mais para chorar do que para rir. Outro polícia acrescentou: "Aqui estamos preocupados em esclarecer o crime hediondo praticado contra uma senhora indefesa de 74 anos. Em Portugal, o formalismo sobrepõe-se à vida." Não nos poderia ter descrito melhor.
 
OFFSHORE DA JUSTIÇA
 
Independentemente da culpa de Duarte Lima, o desleixo e desinteresse com que as autoridades portuguesas acompanharam o homicídio de uma cidadã nacional em quase dois anos é sintomático da forma como quem tem poder é tratado neste País. Vivemos num offshore da Justiça: a trafulhice circula sem pagar imposto e quem conhece as regras do jogo tem probabilidades de passar pelos pingos de chuva sem se molhar.
 
Duarte Lima seria mais um a ficar enxuto se a sua história pessoal - o homem pobre que vira rico, o barão do PSD caído em desgraça, o benfeitor da leucemia suspeito de um bárbaro homicídio - e os pormenores do crime - as provas reunidas (e divulgadas) pela polícia brasileira são avassaladoras - não fossem tão fascinantes para jornais e televisões. A Procuradoria preferia certamente estar a apanhar banhos de sol numa praia do nordeste brasileiro, mas o País abria a boca de espanto diante da possibilidade de Lima ficar toda a vida sem ter de responder por indícios tão fortes.
 
Era chato. E como era chato, a justiça justiceira acordou. Numa daquelas coincidências tão grandes que mereciam um lugar no Guinness Book, eis que Duarte Lima é apanhado nas malhas do processo BPN, acabando detido no âmbito de uma investigação de branqueamento de capitais que envolve a compra de terrenos na zona de Oeiras destinados à construção (depois suspensa) das novas instalações do IPO (local, recorde-se, onde Lima ajudou a salvar gente suficiente para alcançar o Céu).
 
O homem que corria o risco de continuar a sua vida a passear alegremente por Portugal, mesmo que fosse condenado à revelia no Brasil, por causa da falta de acordos de extradição entre os dois países e de bizantinas dificuldades na transposição de sentenças, é subitamente apanhado em casa devido um processo paralelo. A justiça, como bem sabemos, é suposto ser cega. Mas a portuguesa gosta de espreitar por debaixo da venda. E assim, Duarte Lima acaba transformado na nossa versão manhosa de Al Capone, o mafioso de Chicago que acabou preso por fuga ao fisco. Pode tudo isto ter sido um mero acaso e a esta minha conversa não passar de má-língua travestida de teoria da conspiração? Poder, pode. Mas o facto do caso BPN andar a arrastar--se há anos sem efeitos visíveis e a comunicação social ter sido convocada para assistir ao circo da detenção só adensa as suspeitas. Os caminhos da justiça portuguesa são como os do Senhor. Misteriosos

João Miguel Tavares, Jornalista (Cronista do Correio da Manhã)

O que Distingue um Amigo Verdadeiro (Miguel Esteves Cardoso)

Dando seguimento ao post de ontem, e aos comentários recebidos, fica hoje a opinião do Miguel Esteves Cardoso.



Não se pode ter muitos amigos. Mesmo que se queira, mesmo que se conheçam pessoas de quem apetece ser amiga, não se pode ter muitos amigos. Ou melhor: nunca se pode ser bom amigo de muitas pessoas. Ou melhor: amigo. A preocupação da alma e a ocupação do espaço, o tempo que se pode passar e a atenção que se pode dar — todas estas coisas são finitas e têm de ser partilhadas. Não chegam para mais de um, dois, três, quatro, cinco amigos. É preciso saber partilhar o que temos com eles e não se pode dividir uma coisa já de si pequena (nós) por muitas pessoas.

Os amigos, como acontece com os amantes, também têm de ser escolhidos. Pode custar-nos não ter tempo nem vida para se ser amigo de alguém de quem se gosta, mas esse é um dos custos da amizade. O que é bom sai caro. A tendência automática é para ter um máximo de amigos ou mesmo ser amigo de toda a gente. Trata-se de uma espécie de promiscuidade, para não dizer a pior. Não se pode ser amigo de todas as pessoas de que se gosta. Às vezes, para se ser amigo de alguém, chega a ser preciso ser-se inimigo de quem se gosta.

Em Portugal, a amizade leva-se a sério e pratica-se bem. É uma coisa à qual se dedica tempo, nervosismo, exaltação. A amizade é vista, e é verdade, como o único sentimento indispensável. No entanto, existe uma mentalidade Speedy González, toda «Hey gringo, my friend», que vê em cada ser humano um «amigo». Todos conhecemos o género — é o «gajo porreiro», que se «dá bem com toda a gente». E o «amigalhaço». E tem, naturalmente, dezenas de amigos e de amigas, centenas de amiguinhos, camaradas, compinchas, cúmplices, correligionários, colegas e outras coisas começadas por c.

Os amigalhaços são mais detestáveis que os piores inimigos. Os nossos inimigos, ao menos, não nos traem. Odeiam-nos lealmente. Mas um amigalhaço, que é amigo de muitos pares de inimigos e passa o tempo a tentar conciliar posições e personalidades irreconciliáveis, é sempre um traidor. Para mais, pífio e arrependido. Para se ser um bom amigo, têm de herdar-se, de coração inteiro, os amigos e os inimigos da outra pessoa. E fácil estar sempre do lado de quem se julga ter razão. O que distingue um amigo verdadeiro é ser capaz de estar ao nosso lado quando nós não temos razão. O amigalhaço, em contrapartida, é o modelo mais mole e vira-casacas da moderação. Diz: «Eu sou muito amigo dele, mas tenho de reconhecer que ele é um sacana.» Como se pode ser amigo de um sacana? Os amigos são, por definição, as melhores pessoas do mundo, as mais interessantes e as mais geniais. Os amigos não podem ser maus. A lealdade é a qualidade mais importante de uma amizade. E claro que é difícil ser inteiramente leal, mas tem de se ser.

Miguel Esteves Cardoso, in 'Os Meus Problemas'

Evolução (9)

E agora os anos 70 (256)

28 de dezembro de 2011

Amigos (pretensa mensagem de Boas Festas)


Há três grandes tipos de amigo:

§ Amigo simples;

§ Amigo verdadeiro e...

§ Amigo do @#$%lho...

1 - Um simples amigo procura-te para conversar sobre os seus próprios problemas.

2 - Um amigo verdadeiro procura-te para te ajudar com os teus problemas...

3 - Um Amigo do @#$%lho  procura-te, ajuda-te com os teus problemas, dá-te dois cachaços e ainda te leva para a noite e paga-te os copos!

________________________________________________

1 - Um simples amigo, quando vai a tua casa, age como uma visita...

2 - Um amigo verdadeiro abre o frigorífico e serve-se sozinho...

3 - Um Amigo do @#$%lho abre o frigorífico, serve-se sozinho e ainda refila porque não há o que ele queria!
_____________________________________


1 - Um simples amigo pensa que a amizade acabou depois de uma discussão...

2 - Um amigo verdadeiro sabe que não há amizade enquanto não houver uma discussão...

3 - Um Amigo do @#$%lho, f&*%-te a cabeça, enxota o teu cão, mas está tudo bem!
_____________________________________

1 - Um simples amigo espera que estejas sempre lá para ele...

2 - Um amigo verdadeiro espera sempre estar lá pra ti...

3 - Um Amigo do @#$%lho espera por ti mais de duas horas até ficar f%^^ido. Vai à tua casa... Dá-te na corneta. Volta a enxotar o teu cão e manda-te pró #$%lho. Mas está tudo bem na mesma!


E já agora: não me venham f %&*er com essa treta de um próspero ano novo. Próspero o #$%lho! Com aqueles bastardos???... E chamo-lhes bastardos para não lhes chamar filhos da puta (^&*da-se onde é que eu já ouvi esta???), do Pinócrates, do Passinhos emigrante, do pantomineiro de Boliqueime, BPN, BPP, submarinos, Freeport, Lusoponte, PT, REN, EDP, etc.... etc.... etc. etc....

Não me venham dizer que vamos ter um PRÓSPERO ANO NOVO, a menos que me digam que esta corja vai ser exportada para Islândia e que vão todos aquecer o cú naquele vulcão que tem um nome complicado como ó @#$%LHO (#$%da-se!).

E pronto, agora, ó meus Amigos do @#$%lho, votos de um Ano Novo, com muita saúde, sem o FMI e com algum dinheirinho para os gastos!!!

Tenho dito!

Mozart na cama

Evolução (8)

E agora os anos 70 (255)

27 de dezembro de 2011

Um negócio da China?


Em época de Natal, o negócio de aquisição de 21,35 por cento do capital da EDP por parte da China Three Gorges Corporation (CTG) deu brado.
Não faltaram vozes a alertar para o perigo chinês - desrespeito pelos direitos humanos, pelos direitos dos trabalhadores, pela protecção ambiental - que este negócio insere.
Confesso que não percebo.
Quando se sabe que a CTG vai pagar cerca de 2,7 mil milhões de euros pela participação que o Estado português detém na EDP, muito acima do valor em Bolsa,  para além de ir investir mais 2 mil milhões de euros nos projectos de parques eólicos até 2015 (o verdadeiro interesse da China reside exactamente na área da EDP renováveis), que se comprometeu a melhorar o perfil de crédito da empresa através de linhas de crédito de 4 mil milhões de euros junto de bancos chineses, para além da concretização de investimentos de empresas portuguesas na China, da entrada de capitais chineses em bancos portugueses que se encontram em sérias dificuldades económicas (Millenium/BCP) não consigo perceber as reservas que se levantam à concretização deste negócio.
Afinal, não é este tipo de operações que se designa na linguagem comum por negócios da China?! 

Mensagem do dia - no melhor espírito natalício :)))


"Um brinde aos nossos defeitos,

porque as nossas qualidades

nenhum filho da puta

reconhece".

SAUNA EM HOTEL de 5 ESTRELAS

Publicidade - Sappporo

Evolução (7)

E Agora os anos 70 (254)

23 de dezembro de 2011

Um Santo Natal!! :)))

AMIZADE
















"Só existe uma coisa melhor do que fazer novos amigos: conservar os velhos, até porque eles cada dia ficam mais velhos... hehehehe".

Quando estiver feliz, lembre-se de mim.

Quando estiver triste, não lembre....

ME PROCURE!

COMO É BOM TER UM AMIGO!































Evolução (6)

E agora os anos 70 (253)

Um Santo Natal para todos.
Paz, Amor, Harmonia, Saúde, Felicidade.

21 de dezembro de 2011

Amanhã a "loja" está outra vez fechada


Amanhã é feriado.
É, outro!
Solstício de Inverno.
E eu quero gozá-lo bem que o próximo é só......na próxima segunda-feira :)))


Na Coreia do Norte é tudo diferente; até o choro das carpideiras!


Kim morto, Kim posto.
É assim na Coreia da morte.
Um regime comunista, com laivos de monarquia absolutista.
Onde os cidadãos são forçados a viver num outro tempo, num outro espaço, numa outra realidade.
A morte de Kim Jong-Il tem sido pretexto para mais uma montagem de propaganda intragável, insuportável.
Propaganda que conta com uma máquina de incontáveis carpideiras serviçais.
Forçadas? Não me surpreenderia.
Mas, sem sombra de dúvida, originais na sua dor.
Porque as carpideiras norte-coreanas devem ser as únicas que choram convulsivamente......sem verter uma lágrima!
Está bonita a festa, pá!!

Minhoquinha



O Príncipe Encantado encontra Branca de Neve e pergunta:

__ Quer casar comigo?

__ Claro majestade.

O Príncipe Encantado mostra o pênis e pergunta:

__ Você sabe o que é isto?

__ Seu belo pênis, Príncipe.

__ Vou embora. Quero uma mulher inocente.


O Príncipe vai então à casa da Gata Borralheira e pergunta:

__ Quer casar comigo?

__ Claro que sim.

O Príncipe Encantado tira o pênis para fora e pergunta:

__ Você sabe o que é isto?

__ Seu pênis, viril Príncipe.

__ Vou embora. Exijo uma mulher casta.



O Príncipe encontra Chapeuzinho Vermelho na floresta e pergunta:

__ Quer casar comigo?

__ Claro Alteza.

O Príncipe Encantado tira o membro pra fora e pergunta:

__ O que é isso?

__ Isso é uma minhoquinha, meu Príncipe.



Maravilhado com a inocente Chapeuzinho Vermelho, o Príncipe Encantado

casa-se com ela. Na noite de núpcias o Príncipe fala para Chapeuzinho:

__ Isto aqui é um pênis, meu amor.

E ela fala:

__ Não, meu Príncipe. Isso é uma minhoquinha. PÊNIS É O DO LOBO MAU!


Porque é que o sexo antes do casamento é essencial

Abraço especial para o Prof. João Paulo de Oliveira que me enviou a mensagem

Evolução (6)

E agora os anos 70 (252)

19 de dezembro de 2011

Amanhã não há blogue


Feriado em Macau, aniversário do estabelecimento da RAEM, loja fechada!!