23 de agosto de 2018

Um ano depois do maior susto da minha vida


Um ano depois do maior susto da minha vida, da maior devastação urbana que alguma vez presenciei, o que mudou?
Essa a pergunta que frequentemente me coloco, acredito que à semelhança de muitos outros residentes de Macau.
Estará a cidade mais bem preparada para fazer face a uma catástrofe como aquela que a todos afectou há precisamente um ano?
Vamos ouvindo declarações avulsas, fazendo alusão a medidas avulsas, que fazem crer que sim, que Macau está agora mais bem preparada para fazer face a uma catástrofe com as proporções bíblicas do tufão Hato.
Eu, residente permanente da Região Administrativa Especial de Macau, tenho que confessar que não estou plenamente convencido que assim seja.
Pelo contrário, consciente ou inconscientemente, a perspectiva de aproximação de um qualquer tufão deixa-me assustado.
Algo que não acontecia antes do Hato.
O que vivenciei há um ano foi verdadeiramente surreal.
Dentro de casa e nas ruas, a destruição, o caos, a perda de bens materiais, mas sobretudo de vidas, marcaram-me para sempre.
Vivemos todos um conjunto de acontecimentos que julgávamos ser apenas possível em filmes sensacionalistas produzidos por Hollywood.
E não podemos nunca esquecer o que aconteceu, como aconteceu, porque aconteceu.
Para evitar que aconteça novamente, que não haja sequer essa remota possibilidade.
E é bom que se perceba que isso é muito e é algo não se consegue com processos e sanções disciplinares.

43 comentários:

  1. Ja nem me lembrava deste acontecimento. Infelizmente ultimamente tem havido tantas desgracas nos paises Asiaticos, que imagino que quem ja passou por isto deve temer o proximo tufao ou tremor de terra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda muito recentemente (semana passada) houve aqui um tufão, Sami.
      Que foi um "tufinho".
      Não me assustei?
      Se dissesse isso estava a mentir.
      Foi um susto que nunca mais esquecerei.

      Eliminar
  2. Falar é fácil, à distância ainda mais.
    Oxalá o susto não se repita, Pedro. Para bem de todos.
    Daqui, de muito longe, um abraço solidário e fraterno.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi uma coisa dantesca, António.
      Quando recordo aquelas horas ainda tremo.
      E tremo quando ouço falar em tufões.
      Não se brinca com a Natureza.
      Essa foi uma lição que Macau aprendeu da forma mais complicada.
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. Já um ano?!
    Oxalá jamais aconteça, mas vendo as catástrofes que têm acontecido, e falo dos sismos, não sei.
    Estamos a destruir o planeta
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos a destruir o Planeta, Maria Araújo.
      Se juntarmos a isso alguma imprevidência e falta de preparação, as desgraças acontecem.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Realmente, um susto desses, não é esquecido facilmente. Fica muito marcado! abração,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para sempre, chica.
      Essa é uma das certezas que tenho na vida - nunca mais esquecerei o dia 13 de Agosto de 2017.
      Abração

      Eliminar
  5. Bom dia:- O que mudou? Pelo menos limparam as ruas, não?. Mais a sério porque o assunto é sério: Nada que se faça conseguirá parar a força da natureza. Não era o Titanic indestrutível?
    .
    * Amor em Asas Libertas *
    .
    Votos de um dia feliz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Houve muita imprudência, Gil António.
      Se as autoridades administrativas têm culpas, os cidadãos também.
      Como dizia alguém passados uns dias, Macau nunca levou os tufões muito a sério.
      Para aquele dia havia almoçaradas combinadas.
      Para aproveitar o dia.
      Um tufão é uma coisa muito séria.
      Agora acho que todos aprendemos isso.
      Da forma mais dolorosa.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Imagino o seu susto! Ou se calhar nem consigo imaginar. O maior susto da minha vida, foi andar a lutar com as chamas, à quase 9 anos.

    Muita força amigo!

    Soubesse eu...que modificaria o mundo... [ 9º aniversário do blogue espiritual-idades]

    Beijo e um excelente dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nos dois casos, o meu e o seu, a Natureza a dizer que está zangada com o que andamos a fazer.
      E a dar lições que nuca mais se esquecem.
      Beijo, votos de um excelente dia

      Eliminar
  7. Nunca passei, felizmente, por situação de catástrofe e nem consigo imaginar o medo que se possa sentir.

    ESpero sinceramente que o Pedro não seja obrigado a repetir o susto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pavor, São.
      Pavor que resulta da sensação de total impotência.
      Olhava para a minha filha Mariana a tremer e não sabia o que fazer nem o que lhe dizer.
      Enquanto a minha sala ia ficando toda destruída e eu estava encostado à porta de acesso ao corredor para tentar que aquela pelo menos não rebentasse.

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Não se esquece mesmo, Isabel Sá.
      Se tinha algum receio de tufões, agora tremo sempre que um se aproxima.

      Eliminar
  9. Na natureza ninguém manda e se lhe fazemos mal, temos resposta, mais tarde ou mais cedo. Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a resposta pode surgir com uma violência que nos parece impossível, CÉU.
      Beijo

      Eliminar
  10. Uma boa reflexão. Parabéns

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De um dia inesquecível pelas piores razões, Arthur Claro.

      Eliminar
  11. A quem está de fora não dá nem para imaginar o drama que viveram e a única coisa que posso desejar é que nunca mais aconteça nada igual.
    Nunca se está suficientemente preparado para controlar as forças da natureza.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não dá mesmo para imaginar, Elvira carvalho.
      E até descrever em toda a plenitude é complicado.
      Abraço

      Eliminar
  12. E existe uma forte possibilidade destas ocorrências serem cada vez mais comuns meu amigo.
    Um abraço.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com as alterações climáticas que o outro louco insiste em negar, Francisco :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  13. A devastação desse tipo de catástrofe (tufão) depende muito da solidez das construções. E isto não se faz num ano apenas.
    Por isso, é natural que não estejas convencido...
    Caro Pedro, um bom resto de semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente, Jaime Portela.
      O que mais me impressionou foi exactamente a fragilidade das infra-estruturas.
      E isso não se altera num ano nem nada que se pareça com isso.
      Aquele abraço

      Eliminar
  14. O seu texto fez-me lembrar o fogo que ocorrerem o ano passado no distrito de Leiria.
    Passado um ano, um terrível fogo na Serra de Monchique, e o que se ouve da boca do primeiro ministro é que neste fogo não há mortos a lamentar!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ouvi essas declarações, Magui.
      O Ministro da Administração Interna (Eduardo Cabrita) foi a primeira pessoa a mostrar-me Macau.
      Já lá vão quase vinte e três anos.

      Aqui morreram dez pessoas.
      De maneira estúpida, perfeitamente evitável.

      Eliminar
  15. Nossa, deve ter sido apavorante, Pedro! Acho que não tem como esquecer algo assim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi, Rosa Mattos, foi verdadeiramente pavoroso.
      Não se esquece...

      Eliminar
  16. É caso para dizer: aí como por cá.
    O problema é que se esquecem, sistematicamente, os "porquês" O porquê das consequências do tufão ter tido como resultado a desgraça que os que vivem aí sentiram na pele, o porquê dos incêndios, por cá, continuarem este ano como no transato, etc., etc.

    O que é que se pode fazer a estas criaturas, estes pseudo responsáveis? Tens resposta, Pedro? É que eu não tenho.:(

    Beijinho, Família.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui rolou a cabeça do Director dos Serviços de Meteorologia, GL.
      Sim, que foi ele que rebentou com as casas, inundou as ruas e os parques de estacionamento, causou aquele caos todo.
      Há um ano chamei-lhe cordeiro de Deus.
      Um ano depois reforço essa ideia.
      Beijinho

      Eliminar
  17. É rezar para que nunca mais essa desgraça se repita, Pedro. Já que evitar, nunca será possível.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Evitar não é possível, Janita.
      Prevenir, combater, isso já é.
      Um abraço

      Eliminar
  18. Nenhum pais ou cidade esta preparada para os grande fenómenos da natureza.
    Em Macau foi o tufão em Portugal e Grécia o fogo, se se repetisse acontecia tudo igual, continua-se a não aprender com os erros
    Abraço

    Hoje em Caminhos Percorridos - Mulheres chegou...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse é o meu receio, Kique.
      Um ano depois não seria outra vez tudo igual??
      Receio bem que sim.
      Pelo menos muito semelhante.
      Aquele abraço

      Eliminar
  19. Há acontecimentos na vida para os quais podemos dizer "há um antes e um depois"
    Acho interessante reflectir sobre os "sobreviventes", não na perspectiva do trauma, mas das pequenas alterações imperceptíveis que se dão na forma como se olha para o mundo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escrevi sobre isso há algum tempo, Boop.
      A Macau A.H. e D.H. (antes do Hato e depois do Hato).
      Mudou muita coisa.
      Sobretudo na mentalidade das pessoas e na forma de encararem estes fenómenos naturais extremos.

      Eliminar
  20. Curioso, Pedro, tenho a mesma sensação em relação ao Funchal (onde vivo) e passados 8 anos sobre o aluvião que se abateu sobre a cidade reduzindo-a a escombros.

    É triste mas, cada vez mais, acredito menos nos políticos.

    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lembro bem esse triste dia, Ricardo.
      Está aqui documentado no blogue em fotos que só de ver arrepiavam.
      O que de melhor se viu, na Madeira e aqui em Macau, foi o coração das pessoas.
      Que esqueceram as autoridades e foram para a rua limpar as cidades, retomar a vida.
      Aquele abraço

      Eliminar
  21. o ultimo fecha a porta26 de agosto de 2018 às 20:50

    As tragédias geralmente têm uma capacidade preventiva e defensiva para situações semelhantes (planos de emergência, por ex.). Espero que seja o caso.

    ResponderEliminar
  22. Acredita que os teus relatos de há um ano sobre o que viveste nesse pesadelo marcaram-me e não os esqueci.
    E já passou um ano!

    Beijinhos de memórias tristes

    ResponderEliminar
  23. I like your blog,I sincerely hope that your blog a rapid increase in
    traffic density,which help promote your blog and we hope that your blog is being updated.
    สล็อตออนไลน์

    ResponderEliminar