27 de novembro de 2014

O princípio do fim do Occupy Central


Dois meses depois do seu início estamos a assistir ao que parece ser o princípio do fim do movimento Occupy Central.
Estruturas a serem removidas, confrontos entre manifestantes e polícia, detenções dos dois lados, sinais que chegam de Pequim no sentido de haver disponibilidade das autoridades centrais para discutir uma reformulação das estruturas de nomeação, e uma opinião pública que se mostra cansada e crescentemente desfavorável aos protestos (fala-se numa taxa de desaprovação de cerca de 80% da população), parecem constituir os ingredientes de um cocktail que ameaça  fazer transbordar o copo da paciência das autoridades centrais e de Hong Kong a qualquer momento.
Dois meses de protestos, de permanência nas ruas, com algumas das artérias principais de Hong Kong bloqueadas, resultaram até agora num jogo de paciência e de nervos com poucos avanços da parte de qualquer um dos envolvidos.
Mas também com poucos recuos.
Este impasse, que poucas autoridades públicas no mundo tolerariam, teria que ser resolvido.
Desde o início dos protestos, foi fácil intuir que Pequim não iria alterar substancialmente a sua posição.
Ou haveria um recuo dos manifestantes, coisa que não aconteceu, numa demonstração de resiliência e força de convicções impressionante, ou Pequim teria que dar algo de concreto a quem estava nas ruas para que se pudesse chegar a um entendimento.
Esse algo, do ponto de vista de Pequim, terá sido a supracitada disponibilidade para discutir a composição dos órgãos de nomeação.
Ainda que não seja suficiente, do ponto de vista dos manifestantes, os sinais que se podem recolher nestes dias apontam no sentido de ser a última oferta de Pequim.
Que chega ao mesmo tempo que um sonoro grito - basta!
As estruturas estão a ser desmontadas, a polícia está mobilizada, o Occupy Central está a chegar ao fim.
Para passar à História como case study.

8 comentários:

  1. ~ Será que os estudantes vão ficar marcados?!

    ~ Longo vai ser o caminho da conquista de um espírito democrático...

    ~ ~ ~ Beijinhos. ~ ~ ~
    ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma pergunta para a qual não tenho resposta, Majo
      Só Pequim terá
      Beijinhos

      Eliminar
  2. O regime de Pequim acabará por cair, como caem todos os sistemas ...

    Aqui, boa tarde :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cair, não sei se cairá, São.
      Transformações já está a sofrer.
      Mas o tempo na China tem uma dimensão muito diferente da nossa.
      Vai demorar muito.
      Aqui, bom dia (sexta-feira) :))

      Eliminar
  3. Pelo menos há evolução.
    Que se ouçam as vozes...
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os manifestantes do Occupy Central, muitos deles jovens com menos de 20 anos, tiveram a coragem de enfrentar e fazer tremer o regime de Pequim, ana
      E de deixar ferido de morte (??) o Executivo de Hong Kong.
      Beijinho

      Eliminar
  4. Nada que me surpreenda, Pedro. Como então escrevi no meu canto, era uma questão de tempo. Creio que houve circunstâncias internacionais que favoreceram este desfecho, como amanhã tentarei explicar no sítio do costume.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tinha que ser, Carlos.
      Surpreendo-me por ter durado tanto tempo.
      Pela paciência das autoridades de Hong Kong e Pequim, pela resiliência dos manifestantes, pela tolerância dos hongkongers

      Eliminar