5 de novembro de 2014

Antes de o ser já o era


A expressão é geralmente aplicada quando se fala do vestido (antes de o ser já o era), do calçado (antes de o ser já o era), da pescada (antes de o ser já o era).
Em Macau, terra de múltiplas especificidades, dá a sensação que também pode ser aplicada à Companhia de Rádio Táxis Vang Iek e à versão transporte em ligeiros de passageiros da crónica de uma morte anunciada.
A decisão de não renovar o contrato de concessão com a empresa só surpreende por ser tomada neste momento.
No momento em que Macau se debate com uma gritante falta de táxis, com um comportamento aviltante da parte de alguns taxistas (curiosamente, são poucas as queixas que se fazem ouvir em relação aos táxis operados pela Vang Iek...), com queixas constantes acerca da (falta) de qualidade dos serviços prestados pelos táxis e pelos taxistas em Macau.
Se deixarmos de lado todos estes considerandos, a decisão tomada em bom rigor até nem surpreende.
A relação entre a Administração e a Vang Iek foi, desde o início da concessão, muito tumultuosa.
Esse relacionamento complicado esteve na base das morosas negociações, e na constante troca de galhardetes entre as duas partes envolvidas ao longo dos anos, que agora culminaram com a decisão de liquidar a empresa e o serviço por esta prestado.
Rei morto, rei posto, o executivo apressou-se a anunciar a existência de umas dezenas de licenças de táxi já atribuídas, outras a caminho de o serem, um concurso público a ser preparado para atribuir ainda mais.
Assistindo a todo o processo, à forma como se desenrolou e ao seu desfecho, fica a forte impressão que a Vang Iek é mesmo a versão local do famoso antes de o ser já o era.

23 comentários:

  1. Uma vergonha de favoritismo pela companhia má!
    Na mouche...
    Bao tarde, Pedro!
    Mor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haja descaramento, Mor, que com estas artes não se perde face.
      Boa tarde

      Eliminar
  2. Não há fome que não dê em fartura ?
    O serviço poderá melhorar concorrência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quem é que falou em concorrência, Agostinho?
      Que tal concentração num mesmo círculo de interesses?
      Pois....

      Eliminar
  3. As disputas diárias de classes sempre insatisfeitas.

    Parece-me que Macau não é paraíso...cheguei a pensá-lo.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pérola,
      Os presumíveis paraísos terrestres forma todos uma enorme desilusão.
      Isso não existe.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Entre um mau taxista e um bom par de sapatos, escolho o último e vou a pé. :)
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se a distância a isso se proporciona, Miú Segunda....
      Um abraço

      Eliminar
  5. Se esta companhia era a que melhor servia o cliente não se entende esta decisão ou talvez se entenda pelo que já li acima!

    Rosa dos Ventos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rosa dos Ventos,
      A decisão teve pouco (nada??) a ver com o interesse dos clientes.

      Eliminar
  6. E agora, Pedro?
    Não há táxis em Macau?

    Aquele abraço, meu caro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há, por enquanto, estes rádio taxis, Ricardo.
      Mas vão ser substituídos por um número ainda maior de outros de outra empresa.
      Negociatas muito pouco transparentes (estou a ser simpático)
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. ~
    ~ ~ Concordo consigo, amigo. ~ ~

    ~ Um caloroso e agradável serão. ~

    ~ ~ ~ Beijinhos. ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizia um grande sábio macaense que os chineses nunca organizam umas eleições antes de saberem quem as vai ganhar.
      Aplica-se a tudo na vida, Majo.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Decerto grandes interesses se movem por aí também !

    beijinho

    ResponderEliminar
  9. Esperemos que o futuro seja melhor!
    Porém , acho que algo se esconde atrás disso...

    ResponderEliminar
  10. A Fê antecipou-se ao meu comentario, subscrevo.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem quererem, estes caramelos são tão transparentes, Adélia!!
      Beijinhos

      Eliminar
  11. Parece que seja, onde for, os interesses instalados funcionam

    ResponderEliminar