20 de novembro de 2014

A questão da falta de liderança


A tentativa de invasão do Legco, levada a cabo por um bando de tresloucados com máscaras, reacendeu o debate em torno da ausência de liderança nos protestos que já decorrem há cerca de dois meses na vizinha Região Administrativa Especial. 
Num momento, com um só acto, um grupo de manifestantes conseguiu pôr em causa a imagem de profundo civismo que vinha sendo, com inteira justiça, associada ao movimento occupy em Hong Kong.
E veio trazer para o centro da discussão a ausência de liderança, e suas consequências, nesse mesmo movimento.
Continuo a pensar que esse debate apenas tem como objectivo desviar atenções da questão essencial que esteve na base dos protestos.
Com ou sem lideranças, é muito difícil controlar o comportamento de imbecis e arruaceiros. 
E foram esses que ontem causaram distúrbios em Hong Kong, não foram os manifestantes que têm pautado o seu comportamento cívico pela maior lisura.
Imbecis e arruaceiros que, como é normal numa Região onde vigora the rule of law, foram prontamente repelidos nos seus intentos criminosos pelas forças policiais.
E foram conduzidos para onde merecem estar - a prisão.
Seria diferente se houvesse liderança(s) legitimada(s) - há líderes naturais, convém não esquecer - no movimento de protesto em Hong Kong?
Ninguém poderá responder com elevado grau de certeza a esta questão.
A mentalidade oriental leva sempre a pensar na existência de um líder, um mandarim.
No meio desta discussão algo espúria valerá talvez a pena recordar que nem o mandarim conseguiu sempre conter a revolta, a desordem, o caos.

25 comentários:

  1. No mínimo assustador e pode ser um rastilho para o que se vê pelo mundo fora.

    Oxalá que não, desejo que não!

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Fatly, não será.
      Até porque foi um incidente protagonizado por arruaceiros que a polícia pôs na ordem imediatamente.
      Aqui entre nós, se lhes enfiaram uns tabefes até fizeram muito bem.
      Beijos

      Eliminar
  2. O descontentamento vai em ritmo crescente. Os políticos ainda não acordaram para a actual realidade. Fecham-se nos seus privilégios e castigam o povo com dureza...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O descontentamento não pode justificar actos de pura barbárie, luis.
      E foi isso que aconteceu em Hong Kong.
      Invadir o Conselho Legislativo?
      Foram dentro e foi muito bem feito!
      O problema foi terem manchado um movimento em tudo pacífico e civicamente inatacável.

      Eliminar
  3. Estupidez sem limites, Pedro, é tudo quanto se me oferece dizer.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta cambada que provocou estes desacatos vai para além da estupidez, Ricardo.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Não seriam infiltrados para provocar uma manobra de intoxicação ?....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi o que pensei num primeiro momento, São
      Mas parece que não será esse o caso.
      São mesmo umas grandes bestas!

      Eliminar
  5. Coimbramigo

    Há momentos em que todos cometemos actos incríveis; em nome da tão prostituída Democracia há procedimentos aviltantes.

    Mas não é nada se os compararmos com os jhiadistas; esses sim, são uns tresloucados filhos da puta!!!!

    Abç.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FerreirAmigo,
      Essa escumalha a que te referes só merece um tratamento - olho por olho, dente por dente!!
      Grande abraço

      Eliminar
  6. Só tenho um sentimento para classificar tudo isso: medo.
    A violência alastra um pouco por todo o mundo, tudo servindo como pretexto.
    É assustador, sim! Responsáveis? Onde estão, Pedro, onde estão?!
    Onde está a "raiz", a fonte, a causa?
    Não há respostas, porque tudo parece ser justificável a coberto de um qualquer ideal.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O ideal fica em segundo plano quando se recorre à violência gratuita, GL.
      E foi isso que aconteceu.
      Abraço

      Eliminar
  7. Não há manifestações sem alguns imbecis misturados!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, esses imbecis acabam muitas vezes por ser os mais notados, Su.

      Eliminar
  8. Violência gera violência.
    Esta máxima é válida em qualquer circunstância. Quem se manifestar não pode perder a força.da razão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estes perderam toda a Razão, Agostinho.
      E deixaram ficar muito mal vistos os restantes.

      Eliminar
  9. Coimbramigo

    Re-volto

    Já saiu o Crónicas das minhas teclas e até já tenho o primeiro exemplar. Estou feliz; depois da trabalheira e confusões, o parto foi sem dor…

    Abç

    ResponderEliminar
  10. Coimbramigo

    Já saiu o Crónicas das minhas teclas e até já tenho o primeiro exemplar. Estou feliz; depois da trabalheira e confusões, o parto foi sem dor…

    大大的擁抱

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero poder comprar um exemplar, FerreirAmigo.
      Grande abraço e votos de muito sucesso!

      Eliminar
  11. Em todos os tempos sempre houve meia duzia de visionários (?) que tentam fazer valer os seus pontos de vista pela força.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estes visionários (???) mereciam estar na cadeia, Elvira Carvalho.
      Um abraço e votos de bom fim-de-semana

      Eliminar
  12. É, Pedro, concordo contigo. Focar na liderança (ou na falta dela) por parte dos arruaceiros e tirar a atenção do movimento em si e suas causas reais, é...bom, percebemos que tal qual a falta de liderança em tudo e todos os lugares hoje, a mídia tem tornado mais comum estes desvios de conteúdo. Triste e chato.
    Bom final de semana,
    paz e bem a ti!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luria Corrêa,
      Tentar centrar a questão num aspecto lateral da discussão é procurar descaradamente desviar a atenção do essencial.
      Bom fim-de-semana

      Eliminar
  13. Não sei se viu como os acontecimentos foram noticiados na nossa televisão, Pedro. Se não fosse tão triste o miserabilismo da nossa informação televisiva, tinha-me dado vontade de rir!

    ResponderEliminar