24 de outubro de 2011

Este Nacional da Madeira é um óptimo anti-depressivo. Que tal recomendá-lo a Fergusson e Villas- Boas?


Depois dos empates com o Benfica e, sobretudo, o Apoel, o Porto dificilmente poderia encontrar adversário mais apetecível que este Nacional da Madeira.

Não há como fugir à evidência - os 5-0 do jogo de ontem têm muito de lisonjeiro para a equipa do Porto.
Um resultado destes, uma goleada, dá a ideia de um grande jogo, uma grande exibição.
Não foi assim.
Se o Porto jogou melhor do que o que fizera a meio da semana (não era difícil....) a realidade é que este Nacional da Madeira é uma equipa demasiado macia, fraquinha, amedrontada.
Ideal para fazer subir os níveis de auto-estima e de confiança de equipas em dificuldades.
Esse terá sido um dos grandes aspectos positivos do jogo de ontem.
O outro, foi fazer perceber a jogadores, adeptos, equipa técnica, que há muitas alternativas neste plantel do Porto.
Como tal, insistir em jogadores que estão em nítido sub-rendimento representa uma de três coisas - teimosia, cegueira, ou incapacidade/incompetência.
Passar da ansiedade à euforia é um disparate.
Sobretudo depois de um jogo como este, com um adversário tão "tenrinho" como este.
Mas é bom que se retirem ilacções do que se viu esta semana.
Sobretudo em termos de rotatividade do plantel.



Nos outros jogos disputados ontem, destaques naturais para Braga, Rio Ave e Marítimo.
Os minhotos, com a vitória sobre o Feirense (3-0) continuam colados aos lugares da frente.
E também recuperaram ânimo depois de um resultado menos positivo a meio da semana.
Análise semelhante para os insulares.
Sem fazer barulho, com pézinhos de lã, o Marítimo está a fazer uma prova excelente.
Para observar com atenção.
O Rio Ave conseguiu a sua primeira vitória nesta Liga.
A "vítima" foi um decepcionante Leiria.
Que, juntamente com o Guimarães e o Nacional, é uma das grandes decepções desta Liga.
Nos casos de vimarenenses e leirienses, cada vez mais, percebe-se facilmente que o mal vai muito para além dos treinadores.

Em Inglaterra, este fim-de-semana foi fértil em surpresas.


A maior de todas, no "teatro dos sonhos", rapidamente transformado no "palco dos pesadelos".
Quem é que apostava que os milionários do City iam a casa do United humilhar a equipa de Ferguson com um incrível 6-1?
Pior resultado dos red devils (ontem foram mais white angels) em casa nos últimos 81 anos; o pior jogo da longa carreira de Alex Ferguson, como o próprio o admitiu no final do jogo.
Do outro lado, Roberto Mancini e os jogadores do City passaram a mensagem forte que são um dos principais candidatos (o principal?) ao título nesta edição da Premier League.


Mais ainda depois do desastre que aconteceu em Stamford Bridge.
Pior que a derrota com o Queen's Park Rangers (0-1) foi a maneira como a mesma aconteceu.
Uma equipa do Chelsea completamente descontrolada, Villas-Boas incluído, sofre um golo aos 9 minutos, vê dois jogadores expulsos (Bosingwa e Drogba), o treinador, mostra-se incapaz de reagir às adversidades e sai derrotada num jogo, em casa, que tinha que ganhar.
O City já está a seis pontos e Abramovich não deve estar muito contente com o que está a ver.
Nem Villas-Boas.....

5 comentários:

  1. Hum é pena é que quer seja por 5 quer por 1 os pontos ganho sejam os mesmos não é Pedro?
    Eu fui ver o meu Benfica frente ao Beira Mar, e bem que me apetecia ter festejado mais uns quantos, mas o Benfica jogou apenas e só o suficiente ara o resultado que teve... Mas olhe, lá vieram os três pontinhos que é o que interessa :)

    ResponderEliminar
  2. É igual, Catarina.
    Os 5 golos só deram mais moral.
    E deram para confirmar, como dizia o outro, que "há vida para além da crise" :))

    ResponderEliminar
  3. Não há nada para dizer, a não ser que tudo isto é futebol. Nem sempre bem jogado.

    ResponderEliminar
  4. Do mal o menos ! :)))
    Também já tem acontecido fazer boas exibições e os golos não entram e queixámo-nos de falta de eficácia ! rrsss
    .

    ResponderEliminar
  5. Observador e Rui,
    Um e outro, na mouche!!
    Às vezes joga-se bem e não se ganha.
    Outras, sem se jogar particularmente bem, até dá para golear.
    Mas este Nacional é tão tenrinho que até mete impressão.
    Parece bife de Kobe :)))

    ResponderEliminar