21 de outubro de 2011

As duas notícias que estão a abalar o Mundo

A crise económica, o nervosismo dos mercados, o sobe e desce das Bolsas, cederam o lugar nas últimas horas a notícias de guerra e paz.

Na Líbia, Muammar Gadaffi morreu.
Na cidade onde nasceu (Sirtre).
Se a morte do beduíno é um dado adquirido, confirmado por imagens de enorme violência, uma nova controvérsia se abre.
Esta relacionada com as circunstâncias que rodearam o morte do ditador líbio.
O primeiro-ministro do governo de transição afirmou que Gadaffi teria sido vítima de um tiroteio e teria morrido a caminho do hospital.
No entanto, imagens entretanto divulgadas, sugerem que Gadaffi terá sido executado sem misericórdia depois de ter sido capturado.
A Amnistia Internacional pede uma investigação profunda e cálere e, nesta altura, a única coisa que podemos dar como certa (para além da morte de Gadaffi) é que ainda vamos ouvir falar deste episódio por mais algum tempo.



Se na Líbia se festeja a morte do ditador, em Espanha festeja-se o anúncio da ETA de renúncia à luta armada.
A orgnaização terrorista basca declarou, através de comunicado, um cessar-fogo unilateral.
Como não é a primeira vez que o faz, e depois não cumpre, aconselha-se cautela, prudência e vigilância atenta.
Num e noutro caso, e quando o futuro é ainda tão incerto, manda o bom senso que se moderem os festejos.

9 comentários:

  1. Num caso e outro, estou a ver demasiado folguedo.
    E a procissão ainda não saiu do adro.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  2. Caro Pedro,

    no caso de Kadaffi ou Gadaffi permita-me que, perante a brutalidade das imagens, cite Edgar Poe e diga que "A perversidade é um dos impulsos primitivos do coração humano.".

    No que respeita à ETA, espero que tal cessar-fogo seja, realmente, para todo o sempre, e folgo muito com a competência das autoridades portuguesas que, nos últimos anos, também contribuíram, e muito, para a resolução deste problema basco.

    Abraço e bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  3. Pedro,
    Parabéns por focar os dois grandes acontecimentos políticos.
    Há menos um ditador mas a liberdade ainda é uma incógnita. Quanto à execução, qualquer tipo de execução é bárbara pois não há justiça, ou antes, ela é feita com a máxima "olho por olho, dente por dente". O que faz impressão.
    Numa guerra é difícil avaliar o que é correcto.

    Em relação à ETA esperemos que seja uma verdade conseguida.
    Beijinho. :)

    ResponderEliminar
  4. E que razão tem em tudo o que escreveu.
    Beijo

    Carlota Pires Dacosta

    ResponderEliminar
  5. A morte de Gadaffi espoletou uma pouca supreendente onda de hipocrisia internacional.

    ResponderEliminar
  6. Quem festeja a morte do ditador, nas circunstâncias em que ocorreu, só pode ser um traste igual a ele.

    ResponderEliminar
  7. Teme-se agora pelo futuro "democrático" da Líbia. Para começar, subsiste a dúvida se os imigrantes ilegais líbios estacionados na Europa - mais precisamente na ilha italiana de Lampedusa - vão querer regressar à sua terra. Algo me diz que não.

    ResponderEliminar
  8. Ricardo,
    Independentemente do facínora que ele era, há algo de primitivo naqueles festejos, no exibir dos cadáveres como se se tratasse de troféus.

    A ETA.
    Onde estão as armas?
    Declarações de cessar-fogo já assistimos a muitas.
    E a deposição das armas?
    Sou céptico.
    Bfds

    ana,
    O que assistimos foi a uma execução popular.
    A "justiça" de Talião.
    Lembra-se da família Ceaucescu?
    Barbárie.

    Como referi na resposta ao Ricardo, sou céptico no que se refere às promessas da ETA.
    Beijinho

    Çarlota,
    É fácil quando os temas são tão transparentes, tão óbvios.
    Beijo

    VICI,
    Chega a ser nojice ver os mesmos líderes que o receberam de braços abertos, que com ele negociaram o petróleo líbio, mesmo sabendo que estava manchado de sangue, a regozijarem-se agora com a execução sumária do tipo.

    Carlos,
    Totalmente de acordo.
    Quem festeja esta barbárie é gente muito perigosa.

    FireHead,
    Eu temo pelo futuro da Líbia, ponto final.
    O ditador foi executado.
    E agora?
    Haverá esse tal futuro democrático?
    Gostava de acreditar que sim.

    ResponderEliminar