30 de janeiro de 2018

Padre Anselmo Borges: O celibato obrigatório pode levar a uma "sexualidade distorcida"


É um dos assuntos mais recorrentes da Igreja Católica e já motivou muitos pedidos de perdão ao longo do tempo. O Papa Francisco protagonizou o mais recente, mas desta vez foi um pedido diferente. Pediu desculpa às vítimas e a todos os que se sentiram ofendidos pela sua defesa de um bispo chileno acusado de encobrir crimes de abuso sexual de menores. Aqui falamos sobre isso, mas falamos sobretudo sobre esse debate antigo que opõe, às vezes, e associa, outra vezes, pedofilia e celibato, tendo como pano de fundo uma investigação recente de uma comissão australiana sobre abusos de menores cometidos sobretudo em instituições católicas espalhadas pelo país.

10 comentários:

  1. O celibato obrigatório não conduz apenas a uma sexualidade distorcida, conduz também a práticas normais. Quando poderão os pobres dos padres casar, ter uma vida conjugal "normal" e continuar a exercer a sua vocação?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para que isso aconteça é preciso que haja mais gente com a coragem de Francisco, Anselmo Borges, tantos outros que dentro da Igreja Católica sejam capazes de discutir o dogma.
      A Igreja Católica é avessa a revoluções.
      Não sei se alguma vez veremos o celibato dos padres terminado.
      Sei, tenho a certeza que, para que isso aconteça vai ser preciso tempo, muito tempo.

      Eliminar
  2. Porque será que "A Igreja" não se apercebe deste grande erro ?...
    É que, para mim, há aqui outros diversos factores (financeiros) bem mais "importantes para a Igreja" que estas meras questões morais ! :(

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A força do dogma e da área mais conservadora da Igreja, Rui.
      Que é imensa!

      Eliminar
  3. É tão óbvio, que não entendo como é que ninguém ainda percebeu isso no Vaticano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já perceberam, Carlos.
      Mas na Igreja Católica qualquer mudança demora MUITO TEMPO!

      Eliminar
  4. Pedro,
    É um assunto tão polémico. Julgo que a Igreja devia evoluir neste aspecto. Mas é tudo tão complicado para uma instituição milenar.
    Será que a vocação de se dar aos outros impede uma vida familiar?
    A História da Igreja recorreu ao celibato para corrigir excessos, ociosidade, luxos,...
    Beijinhos. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo na vida conhece evolução, mudança, ana.
      Mas essas mudanças na Igreja conhecem muita resistência e são muito morosas.
      Chegará esse tempo...
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Infelizmente mais do mesmo, o abuso de crianças passa-se em todo o lado e alguns animais que se dizem humanos, sejam padres ou não, o cometem. A igreja devia ser a pª a dar o exemplo, mas cheira-me que são os piores. O celibato, em minha opinião não é o culpado, porque não há padres santos, se é que me entendes. Uma catana daria jeito a quem faz isso, ou melhor, aos pais dessas crianças.
    Boa terça.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anselmo Borges o que defende é que o celibato pode potenciar esses desvios, essas aberrações, Mena Almeida.
      E eu não podia estar mais de acordo com ele.
      Abraço

      Eliminar