23 de janeiro de 2018

Carta de condução por pontos?


Confesso que sorri ao tomar conhecimento de uma proposta que aponta no sentido de ser atribuído um sistema de pontos aos titulares de cartas de condução da RAEM.
Pontos esses que seriam deduzidos à medida que fossem sendo cometidas infracções e proporcionalmente à respectiva gravidade.
E sorri porque, há já alguns anos, no seio de um grupo de trabalho encarregue de alterar a legislação rodoviária então em vigor, uma das propostas que apresentámos foi exactamente esta.
Ninguém estava a inventar nada, a solução está consagrada um pouco por todo o Mundo.
Mas, mais uma vez, Macau tinha que ser diferente (pois, nem vale a pena repetir o conhecido slogan…).
A proposta que então apresentámos foi, para muito boa gente, quase ofensiva e demente.
Se já tínhamos pensado na possibilidade de os condutores profissionais perderem a sua carta de condução e de caminho talvez o seu sustento e das suas famílias?
Já, já tínhamos pensado nisso e chegado à conclusão que esses condutores profissionais, que transportam centenas de pessoas todos os dias, teriam que ser os mais cumpridores, os mais hábeis.
Heresia, uma perfeita heresia!
E os diplomas então preparados ficaram algures a apanhar pó durante todos estes anos.
De repente, e porque houve situações trágicas a envolver precisamente esses condutores profissionais que tinham que ser a todo o custo protegidos, o que fora uma heresia passa a ser uma ideia a considerar e trabalhar.
Destino simultaneamente trágico e cómico este de Macau, cidade onde cada vez mais não se age, só se reage.

45 comentários:

  1. How demerit points are applied
    The number of points added to your driving record depends on the offence. Here are the number of points that will be recorded for certain violations.

    7 demerit points will be added if you are convicted of:
    failing to remain at the scene of a collision
    failing to stop when signaled or asked by a police officer

    6 demerit points will be added if you are convicted of:
    careless driving
    racing
    exceeding the speed limit by 50 km/hour or more
    failing to stop for a school bus

    5 demerit points will be added if you are convicted of:
    failing to stop at an unprotected railway crossing (for bus drivers only)

    4 demerit points will be added if you are convicted of:
    exceeding the speed limit by 30 to 49 km/hour
    following too closely

    3 demerit points will be added if you are convicted of:
    driving while holding or using a hand-held wireless communications or entertainment device
    driving while viewing a display screen unrelated to the driving task
    exceeding the speed limit by 16 to 29 km/hour
    driving through, around or under a railway crossing barrier
    driving the wrong way on a divided road
    driving or operating a vehicle on a closed road
    failing to yield the right-of-way
    failing to obey a stop sign, traffic control stop/slow sign, traffic light or railway crossing signal
    failing to obey the directions of a police officer
    failing to report a collision to a police officer
    failing to slow and carefully pass a stopped emergency vehicle or a tow truck with its amber lights flashing
    failing to move, where possible, into another lane when passing a stopped emergency vehicle or a tow truck with its amber lights flashing
    improper passing
    improper driving when road is divided into lanes
    improper use of a high occupancy vehicle lane
    going the wrong way on a one-way road
    crossing a divided road where no proper crossing is provided
    crowding the driver's seat

    2 demerit points will be added if you are convicted of:
    improper right turn
    improper left turn
    improper opening of a vehicle door
    prohibited turns
    towing people — on toboggans, bicycles, skis
    unnecessary slow driving
    backing on highway
    failing to lower headlamp beams
    failing to obey signs
    failing to stop at a pedestrian crossing
    failing to share the road
    failing to signal
    driver failing to wear a seat belt
    driver failing to ensure infant/ child passenger is properly secured in an appropriate child restraint system or booster seat
    driver failing to ensure that a passenger less than 23 kg is properly secured
    driver failing to ensure that a passenger under 16 years is wearing a seat belt

    More about demerit points in Ontario

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está aqui um exemplo do que escrevi, Catarina - quando apresentámos aquela proposta não estávamos loucos nem estávamos a inventar nada.
      No interior da China, aqui bem ao lado, esse sistema já está implantado.
      E em Portugal, e em Singapura, e....

      Eliminar
  2. Na Australia tambem se usa o sistema de pontuacao e em dias feriados ou periodos de ferias como entre uns dias antes do Natal ate uns dias depois do fim do ano, essa pontuacao duplica para infracoes cometidas! Tudo na ordem!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sami,
      Eu confesso que fiquei surpreendido com a reacção tão negativa que a nossa proposta recebeu naquela altura.
      Obviamente fomos estudar os vários sistemas em vigor por esse Mundo fora e, como refiro no texto, não estávamos a inventar nada.
      No Direito só o Supremo Tribunal dos Estados Unidos e o Tribunal de Justiça da União Europeia praticam e são justamente acusados disso aquilo a que se chama judicial activism.
      O mais normal é haver estudos de direito comparado, evolução e não revolução.
      Era isso que estávamos a propor, não fomos compreendidos.
      Alguns anos depois parece que a ideia foi ressuscitada.
      É bom que assim seja, é terrível que fosse necessário sacrificar vidas para se chegar a esta conclusão.

      Eliminar
  3. bom dia
    estou ligado ao sector de transportes de mercadorias e cada vez mais temos vindo a impor aos nossos motoristas vários tipos de formação nomeadamente no que respeita a horários e não só porque cada vez mais eles tem muita responsabilidade .
    embora este tema tem muito pano para mangas , pois já que tem muita responsabilidade , deveriam ser também mais bem remunerados. mas como digo é um tema complexo e teria mesmo de ser bem discutido.
    JAFR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Joaquim Rosário,
      Todos temos que perceber que pegar num veículo automóvel para conduzir não é um direito, é uma grande responsabilidade.
      Essa responsabilidade ainda é maior para quem transporta passageiros (autocarros, táxis).
      Quem faz asneiras, e eu também já as fiz, tem que ser penalizado por isso.

      Eliminar
  4. Bom dia. Em tudo na vida sempre assim foi. O que hoje é mentira, amanhã será verdade e vice-versa. Nada é eterno. Tudo se modifica, tudo se transforma.
    .
    Soneto: * Amor ... ou castigo do coração? *
    .
    Desejando um dia muito feliz
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que é trágico é que, para se mudarem mentalidades, tenha que haver vítimas, Gil António.
      O tal reagir em vez de agir.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Pois em Portugal o sistema já foi implementado e pessoalmente acho muito bem, pois obriga os condutores a serem "mais" responsáveis.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente o que eu e outros na época defendemos.
      Normas que nos iam afectar a todos.
      Parece que não se percebeu isso.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Aqui no Brasil a pontuação não muda... É sempre a mesma, diferente para cada infração é claro, porém não há distinção em domingos ou feriados e dias da semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Brasil foi outro dos países cuja regulamentação consultámos, Érika Oliveira.
      Repito, ninguém estava a inventar nada.

      Eliminar
    2. Não consigo aceder ao seu blogue, Érika Oliveira :(

      Eliminar
  7. Estou 100% de acordo com este decreto-lei, tirei a carta de condução aos 19 anos de idade passada pelo Ministério da Marinha, vivi 6 anos em França com a carta de condução Francesa, regressei a Portugal em 1975 e sempre na estrada, hoje com 75 anos de idade continuo a conduzir e detesto quando me acendem as luzes dos carros com quem me cruzo a dar-me sinal que mais à frente estão autoridades a fiscalizar as ilegalidades.
    Deixo o meu abraço e vou seguir o seu Blogue que achei interessante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seja muito bem vindo, António Querido.
      Estou inteiramente de acordo consigo - se formos cumpridores não precisamos que nos digam onde estão as autoridades policiais.
      Será assim tão difícil perceber isso??
      Grande abraço para a Figueira, terra de grandes memórias

      Eliminar
  8. Se fosse só em Macau...infelizmente , não é!

    "Depois de casa roubada, trancas na porta " ainda é o lema por demais em vigor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas não devia ser, São.
      Só depois de haver vítimas é que se pensa em implementar medidas mais restritivas?
      Não faz sentido nenhum.

      Eliminar
  9. Aqui em Portugal, devido ao elevado nível de acidentes e infracções ao código da estrada é que se implementou esse método da carta por pontos.

    Por conseguinte, a intenção é a mesma, o que muda é que a proposta, quando foi discutida pelos responsáveis, foi aplicada.

    A sociedade civil, questionando-a ou não, teve de a aceitar e passou a fazer parte da consciência do condutor e do seu livre arbítrio, sob pena de lhe serem aplicadas as tais regras.

    Em Macau, foi pena terem arquivado a medida, mas havendo uma reacção, é positivo!

    Ainda que a proposta arquivada lá continue a ganhar pó, que executem uma nova, que a considerem finalmente uma medida positiva. Macau irá ter acarta por pontos!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ideia é mesmo essa, mz - se tanta gente prevarica porque não tentar este método?
      Mal não faz...
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Pois é Pedro por cá já temos essa lei e já li algures que a mesma não está a surtir o efeito desejado sobre a sinistralidade.

    Mais agora andam a "estudar?" reduzir a velocidade de 50 para 30 dentro das localidade, drones a controlar a velocidade etc. e que cambada de "idiotas" que deveriam ir para um museu.

    O que deveria era haver mão pesada para quem prevarica mas a burocracia das polícias e depois judiciais...é pior a emenda do que o soneto!

    Lamento é que quem cumpre tudo à risca leva com "um caramelo desnorteado, bebado ou drogado, ao telemóvel, carros sem inspecção, IUC e seguro" vai desta para melhor e ou fica estropiado para o resto da vida.

    Ao ler os comentário falaram dos sinais de luzes, mas olha Pedro por vezes faço e não polícia à vista, quando me cruzo com altas velocidades e o certo é que abrandam de imediato:)))

    Todo o mundo falam de armas sem pensarem que têm entre mãos uma arma altamente devastadora! Possas!

    Beijocas


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly,
      Quando se discutiu a nossa proposta uma das coisas que foi dita por alguém muito sábio e que já não está entre nós foi exactamente que as leis não valem nada se não forem implementadas.
      Chapelada, mais uma, para ele!
      Beijocas

      Eliminar
  11. Por aqui algo está sendo preparado
    na intenção de dar segurança ao trânsito
    e arrecadar algum dinheirinhos para
    o governo. O Departamento de Trânsito
    está estudando uma forma de usar radares
    "inteligentes" ou seja; em lugares onde
    a velocidade for controlada haverá, no mínimo,
    dois radares para registrar o tempo que o
    condutor levará para chegar de um ponto ao
    outro. O tempo gasto para percorrer a distância
    entre os dois radares não poderá ser menor que o
    estipulado àquela velocidade, ou seja, não adianta
    tirar o pé do acelerador quando vir o radar
    para acelerar mais adiante.

    Viu, Pedro. Aqui também tem gente paga para
    ferrar com o contribuinte.

    Abraços,

    silvioafonso



    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. silvioafonso,
      Tenho que comentar o óbvio - se a pessoa não abusar não há nada a temer.
      À saída e à entrada da Ponte Sai Van aqui em Macau é bem evidente que a velocidade máxima é 40 km/h.
      E que há radares a vigiar os condutores.
      TODOS OS DIAS passam por mim carros que têm que estar a exceder esse limite.
      Se eu vou no limite e eles me ultrapassam...
      Não tenho piedade nenhuma de gente desta.
      Aquele abraço

      Eliminar
  12. E eu que tinha uma ideia de Macau bem diferente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Macau tem coisas muito boas, outras nem por isso, Maria Araújo.
      Aqueles que gostam de Macau, e eu sou confessadamente um deles, têm o dever de cidadania de alertar para o que pensam estar errado e dar soluções para corrigir.

      Eliminar
  13. Essa coisa dos pontos,
    será que está correcta?
    São mais do que tantos
    desrespeitando a viva bela!

    Continuação de boa semana caro amigo Pedro Coimbra. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como já comentei acima, experimentar não custa nada, pois não, Eduardo?
      Aquele abraço

      Eliminar
  14. A meu ver isso dos pontos nao vai alterar nada. A não ser que a polícia quando anda a 120 numa avenida que é 30, também comece a levar com pontos. Aí tiram a lei dos pontos. Digo eu cus nervos ;)
    As pessoas são multadas tiram a carta mas conduzem na mesma, vão a tribunal e o juiz que até também ja se excedeu manda nao fazer nada, por isso, não adianta.
    Boa quarta Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. The law in the books, the law in action, Mena Almeida.
      A velha dicotomia que nos ensinam na Universidade.
      Se não é implementada a lei por si só não vale nada.

      Eliminar
  15. Mais vale tarde que nunca, não é amigo?
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente, Elvira Carvalho.
      Estamos sempre a tempo de emendar a mão.
      Abraço

      Eliminar
  16. Leis como essas e outras parecidas como a que existe por aqui no burgo de nada servem.
    Servia sim a consciencialização dos futuros e atuais condutores, para saberem o que andam a fazer nas estradas.
    Abraço
    Kique
    https://caminhos-percorridos2017.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São precisas as duas coisas, Kique.
      Consciencialização e penalização.
      A educação não adianta nada se o acto de prevaricar não tem qualquer consequência.
      Aquele abraço

      Eliminar
  17. Aqui, para nós, já é assim.
    Felizmente, ainda tenho todos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diana Fonseca,
      Não custa nada cumprir, pois não?
      e temos que partir do principio que as normas existem porque são necessárias, não é para nos chatear.

      Eliminar
  18. Opções ao sabor das circunstancias do momento!

    Bom resto de semana

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi necessário haver tragédias para se abrir os olhos, Victor Barão.
      Não devia ser necessário, caramba.
      Aquele abraço, bom resto de semana

      Eliminar
  19. "Encarregado", Pedro Coimbra! "Encarregue" não existe:

    https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/porque-encarregado-e-nao-encarregue/30635

    https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/encarregueencarregado/297

    https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/sobre-o-desaconselhado-participio-passado-encarregue/19746

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afonso de Portugal,
      Por favor vá à página 605 do Dicionário da Língua Portuguesa, 6ª edição, da Porto Editora.
      Encarrego-o dessa tarefa :))

      Eliminar
    2. Eu não quis dizer que a palavra "encarregue" não existe de todo (embora reconheça que a forma como redigi o meu comentário dê azo a essa interpretação), mas sim que ela não pode ser utilizada como particípio passado, conforme se explica nos vários links que coloquei acima.

      Pode dizer-se, por exemplo, "alguém encarregue fulano ou beltrano de fazer aquilo". Mas não é correcto dizer «a comissão foi encarregue», tal como não existe a figura do «encarregue de educação» mas sim do «encarregado de educação».

      Não tenho o tal dicionário que me recomenda, pelo que não posso consultá-lo. Mas sei que o dicionário online Priberam, por exemplo, lista "encarregue" e "encarregado" como particípios passados válidos o que, como se explica no Ciberdúvidas, não está correcto. Seja como for, não se preocupe, que eu não pretendo insistir mais. A observação está feita, o resto é lá consigo!

      Gostava no entanto de esclarecer que, apesar das nossas divergências irreconciliáveis em relação ao Presidente Trump, não pretendi ser pedante ou condescendente. Toda a gente dá erros, uns mais outros menos, eu incluído. Até os linguistas dão erros de vez em quando! Quem afirma não dar erros é de certeza mentiroso, porque até o mais erudito e versado dos professores catedráticos mete o pé na argola de vez em quando. Tomara eu que as pessoas tivessem apontado os meus erros quando os dei em público, em vez de vir a descobrir mais tarde que os tinha dado sem ninguém me dizer nada!

      Eliminar
    3. Grato pela aula de gramática, Afonso de Portugal.
      Continuo a preferir as aulas do saudoso Abílio Queirós, com toda a frontalidade.

      Eliminar
  20. Se funcionar como por cá, nada há a recear. Só perdem pontos uns azarados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero bem que o sistema não sirva só para apanhar azarados, Carlos, mas sim,para punir quem não cumpre.

      Eliminar
  21. Respostas
    1. Vou esperar para ver o que aí vem, Majo.
      Estou curioso.
      Beijinho

      Eliminar