31 de janeiro de 2018

Deixar a raposa cuidar do galinheiro


Não sendo propriamente novidade, não deixa de ser um exercício curioso verificar o conteúdo das declarações de rendimentos e interesses patrimoniais apresentadas pelos deputados à Assembleia Legislativa de Macau.
As propriedades declaradas apresentam-nos uma série de proprietários de imobiliário em larga escala.
Entre prédios inteiros, moradias, apartamentos, lojas, escritórios, parques de estacionamento, os parlamentares em Macau, salvo raríssimas e contadas excepções, possuem um bom pé de meia.
Depois de ver o conteúdo destas declarações reproduzidas na imprensa é inevitável sorrir perante as declarações apaixonadas de tantos destes magnatas no sentido de ser imperioso controlar os preços do arrendamento e venda do imobiliário em Macau.
Ninguém terá ficado surpreendido ao tomar conhecimento de tão avultado pecúlio (talvez só alguns números relativos a algumas pessoas…).
Espero é que, de uma vez por todas, os cidadãos que consultaram aquelas declarações, seja porque meio for, percebam que é uma péssima ideia deixar a raposa cuidar do galinheiro.
E distingam quem os serve de quem deles se serve.

32 comentários:

  1. Mais nada! Na mouche.
    Mor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ver e ouvir algumas daquelas almas falar de controlo no mercado imobiliário é de ir às lágrimas, Mor.

      Eliminar
  2. Tal e qual mas já cheguei à conclusão que todos os políticos (salvo raras excepções) depois de estarem no poleiro fazem o que fazem e quanto mais têm mais querem.

    Beijos e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A hipocrisia desta gente deixa-me de rastos, Fatyly.
      Têm dezenas de apartamentos, prédios inteiros, e falam em controlo de rendas e de preços de venda.
      Tá bem abelha!
      Beijos, um bom dia para ti também

      Eliminar
  3. Oxalá Pedro. Mas a maioria do povo é altamente manipulável. E esta gente tem muito poder. E quase sempre a maioria da imprensa do seu lado.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A imprensa em língua portuguesa não, Elvira Carvalho.
      Abraço

      Eliminar
  4. Imagino que são todos uns pobres que não ganham para as despesas...
    .
    Tema de hoje:
    * Campos ondulando em flor, afectos infinitos *
    .
    Votos de um dia feliz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há alguns, muito poucos, que sabem o que é ganhar a vida honestamente e que passaram por grandes dificuldades na vida.
      A maioria são grandes magnatas que nem têm ideia do que se passa à volta deles porque vivem em gaiolas douradas, Gil António.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. O mal do nosso Querido país foi ter estado entregue a raposas camufladas após o 25 de abril, agora não percebo muito bem o que está a acontecer, porque das duas uma, ou estão mais atentos aos prevaricadores, ou estão a nascer como cogumelos todos os dias.

    Aquele abraço amigo Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De longe parece que se está a intensificar o combate à esse mal social que é a corrupção, António Querido.
      Se assim é, é muito bom.
      Esses ladrões de casaca metem-me nojo.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Pedro, a política e os políticos são um nojo, ponto final, parágrafo.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda por aqui há alguns que servem, Ricardo.
      Não se servem, realmente servem.
      São muito poucos, facilmente reconhecíveis, mas ainda existem.
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. Sobrevivo em meio a dor da perda do filho amado.
    Estou me dando o direito de viver o luto como preciso.
    Sabiamente, dizia minha mãe, que o luto leva um ano, o
    ano das "primeiras vezes", primeiro aniversário sem ele,
    primeiro Natal sem ele, primeira virada de ano, primeira
    praia... A dor é intensa. Intensa é a saudade...
    Perdão pela ausência. Volto aos poucos. Ainda não sei fazer
    poesia que não fale na saudade. Mas elas virão. Eu tenho certeza.
    E aqui estarei compartilhando contigo.
    Muito obrigada pelo teu carinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lola,
      Não imagino a dor que a perda de um filho pode gerar.
      Não imagino sequer que possa haver maior dor.
      Estarei aqui sempre pronto a ouvir o que tiver para dizer.
      Sei que é muito pouco mas é tudo o que posso agora oferecer.

      Eliminar
  8. Predios inteiros!!! Como se pode ter confianca nesses politicos? Tudo para serem beneficiados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E têm a cara de pau de dizer o oposto, Sami.
      Será que acham que somos todos estúpidos?

      Eliminar
  9. Concordo com o Pedro: será bom que quem elege comece a fazer distinções... e não em Macau!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por toda a parte, São.
      É mesmo a arma mais poderosa que temos - a liberdade de escolher.
      Quando essa desaparecer então é mesmo o fim.

      Eliminar
  10. Ouvi dizer que o povo é sereno, Pedro.
    Faz sentido escrever isto?
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes é necessário mandar a serenidade ás urtigas, António.
      E fazer barulho, agitar as águas.
      Aquele abraço

      Eliminar
  11. Amigo uma ótima postagem mais nem todos haja assim, obrigado pela visita.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
    Canal: https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como diz uma amiga minha, são uns queridos, Nequéren Reis.

      Eliminar
  12. Isso aplica-se como uma luva aqui à terrinha, Pedro. O problema é que por cá já não há remédio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas em Portugal o povo elege os deputados TODOS, Carlos.
      Aqui só são eleitos meia dúzia.
      Os outros são escolhidos a dedo.
      E são os escolhidos que manobram as rédeas.

      Eliminar
  13. Infelizmente a maioria dos políticos e deputados estão na politica não para servir a causa publica mas para se servirem a si próprios e aos amigalhaços.
    Um abraço e continuação de boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma afirmação que faz maior sentido ainda em Macau onde só uma pequena parte da população é eleita pela população, Francisco.
      Aquele abraço, continuação de boa semana

      Eliminar
  14. É por isto que eu "detesto" política e políticos ! :((

    Felizmente, nestes últimos anos por cá, temos tido ALGUÉM que não deixa pôr o pé em ramo verde, Pedro !... Que "corta a direito" apanhando quem apanhar ! Mas isso é uma situação que incomoda muita gente, incluindo o poder estabelecido e não irá durar muito mais tempo, porque isso seria perigoso e muito incómodo para muita gente !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso aqui é impossível, Rui.
      A maioria dos deputados é nomeada indirectamente ou escolhida.
      Nada feito!

      Eliminar
  15. Se nem os que representam a justiça já se pode confiar o que será confiar em quem usa o poder em proveito proprio
    Abraço
    https://caminhos-percorridos2017.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O antigo Procurador aqui de Macau está na cadeia provavelmente para o resto da vida, Kique.
      O homem pelos vistos tinha os vícios e os defeitos TODOS.
      Aquele abraço

      Eliminar
  16. Um texto muito interessante, mas raposa a cuidar de galinheiro é antinatural, ou será que em alguns países se utiliza a mesma "técnica" animal -rs?

    Beijinho, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em qualquer parte do Mundo a raposa a cuidar do galinheiro é muito má ideia, CÉU.
      Mais ou menos como os Metralhas a guardar a caixa forte do Tio Patinhas :)))
      Beijinho

      Eliminar