17 de janeiro de 2018

Xeque-mate de Macron a Merkel


Emmanuel Macron vai dando provas de ser um político muito hábil.
A recente visita à China, preparada ao pormenor, gerida com pinças, espalhando charme, colocou Macron temporariamente ao leme da União Europeia.
Aproveitando o longo processo de negociações para formar governo na Alemanha, Macron fez na Europa o que Xi Jinping está a fazer no Mundo perante a trajectória errática de Donald Trump.
Num e noutro caso ambos se revelaram políticos atentos e decididos.
E ambos souberam aproveitar hesitações alheias para agarrarem o leme de uma Europa ainda abalada pelo Brexit e farta de esperar por uma solução governativa na Alemanha, de um Mundo carente de uma liderança forte agora que Trump segue firme o seu caminho anedótico e disparatado.
Macron veio à China (o novo líder da Europa veio ao encontro do novo líder mundial?), evitou temas que sabe serem complexos e sensíveis, espalhou charme, ficou pela diplomacia e pelo business as usual.
Angela Merkel viu-se forçada a exigir rápida definição de posições a Martin Shulz e não se coibiu de dar a entender isso mesmo nas declarações que fez à imprensa – “o Mundo não espera por nós”. 
Xeque-mate de Macron a Merkel com a chanceler alemã a ver-se forçada a responder em curto espaço de tempo.
Chapeau, Monsieur Macron!

30 comentários:

  1. Não foi há muito tempo que era criticado. Os homens não se medem aos palmos. Good job!

    ResponderEliminar
  2. O Mundo está a precisar urgentemente de lideres fortes e penso que apesar da sua juventude o Sr. Macron vai ser um deles.
    Um abraço e continuação de boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está a mostrar capacidade, Francisco.
      O que é bom para não termos uma Europa centrada na Alemanha apenas.
      Aquele abraço, continuação de boa semana

      Eliminar
  3. i admire your precepts and command over the variety of topics Pedro though politics is painful to talk about for me

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. I have many different things that interest me and motivate me to read, to study, to analise, baili.
      Tomorrow it will be again politics.
      And, as usual on thursday, music.

      Eliminar
  4. Macron é muito mais - leia-se melhor - do que se dizia.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fez o trabalho de casa, veio muito bem preparado, mostrou-se capaz.
      E conquistou os interlocutores.
      Chapelada!
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Regra geral, os políticos, são pessoas muito hábeis.
    .
    Quer ler?: * Térreos e difíceis caminhos ... de amor *
    .
    Deixando cumprimentos poéticos
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá vou eu citar o Álvaro Cunhal, Gil António - olhe que não, olhe que não.
      Temos o exemplo de um Trump que se comporta como um elefante numa loja de cristais :))
      Cumprimentos

      Eliminar
  6. Macron está a revelar-se um bom político, não apenas um político hábil, Pedro.

    Votos de bom resto de semana para si e suas princesas, meu caro.

    Aquele Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um grata surpresa, Ricardo.
      Que faz bem à Europa.
      Aquele abraço, bom resto de semana para si e as mais que tudo

      Eliminar
  7. Não se vive só de promessas,
    para o bem estar da humanidade
    quem pode deve limar as arestas
    daquele Trump, residente alarve!

    Um abraço amigo Pedro Coimbra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Trump vai estar hoje, outra vez!, embora indirectamente em foco neste blogue, Eduardo.
      Aquele abraço

      Eliminar
  8. Respostas
    1. É, luisa, é bom que haja quem faça sombra à Alemanha e a Merkel dentro da União Europeia.

      Eliminar
  9. Diria que foi um xeque à Rainha, mas ainda ná um xeque-mate, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Xeque-mate no sentido em que obrigou os alemães a mexerem-se, Carlos.
      Estava tudo em meias tintas, Macron veio à China e fez com que os alemães se mexessem.

      Eliminar
    2. As conversões exploratórias entre os partidos da Angela Merkel e do Martin Schulz continuam sem qualquer movimento.
      A paciência do francês deixa muito a desejar.

      Eliminar
    3. E Macron vai-se mostrando, Teresa.
      Foi a Angie a dizê-lo, não sou eu - "o mundo não espera por nós".

      Eliminar
    4. Se o mundo esperasse pela Alemanha, Pedro, era uma espera tipo: À ESPERA DE GODOT 🤔

      Eliminar
    5. Por isso é que o Macron andou tão depressa, Teresa.

      Eliminar
  10. O tempo irá dizer quem é Macron, embora a sua Brigitte já o tenha ensinado há uns bons anos, mas, por vezes, há alunos sui generis.

    Beijinho e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para já está a surpreender e a agradar, CÉU.
      Vamos ver se continua neste bom caminho.
      Beijinho, boa semana

      Eliminar
  11. Respostas
    1. Tem sido, Elvira Carvalho, tem sido.
      Vamos ver se continua a ser.
      Um abraço

      Eliminar
  12. Temos muito a agradecer a Angela Merkel, mas a verdade é que ela não consegue mais formar maioria no Parlamento. O tempo dela passou.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mais curioso foi ler em vários fóruns que a Alemanha preparava uma geringonça à direita, Teresa.
      E que assim já valia.
      Um pequeno pormenor - Merkel ganhou as eleições!!! :)))))

      Eliminar
    2. Uma geringonça à direita com os Verdes?
      Onde é que o Pedro leu esse disparate?
      A minha amiga Angie ganhou as eleições, no entanto, estamos fartos dela.

      Eliminar
    3. Quem publicou isso no Facebook não estava a pensar nos Verdes, Teresa, estava a pensar em Shulz.
      Mas o disparate persiste - foram os partidos mais votados.
      Há uma GRANDE diferença para a geringonça.

      Eliminar