29 de maio de 2018

Afinal quem é que aprovou a Lei de Terras?


Quanto mais anos passo em Macau parece que menos entendo a realidade e o dia-a-dia desta terra que me adoptou como um dos seus.
Ouvir deputados no plenário da Assembleia Legislativa queixar-se de uma lei que ajudaram a aprovar é no mínimo ridículo.
Não são deputados que não fizessem parte do hemiciclo quando a lei foi aprovada, são deputados que já ali estavam há muitos anos, que participaram activamente no processo de discussão e aprovação da lei.
Uma lei que agora criticam e dizem ter que ser alterada porque teve consequências que não souberam prever.
E criticam o actual Executivo, em especial o Secretário para os Transportes e Obras Públicas, por aplicar a lei que eles próprios aprovaram.
Vamos ver se nos entendemos de uma vez por todas senhores deputados – ou aprovaram uma lei sem saberem o que estavam a aprovar e são incompetentes; ou aprovaram uma lei com a promessa que iria ser cumprida como e quando desse jeito e então são ingénuos.
Nas duas hipóteses, se querem encontrar culpados para alguns problemas entretanto surgidos, basta olharem para o espelho.
E, se não se sentem bem com a imagem que vêem reflectida, terão que seguir o exemplo de outros - afastar-se e combater a lei e os seus efeitos nos locais devidos (tribunais) até que a mesma seja alterada.
Enquanto não for alterada, gostem ou não, é esta a lei em vigor.
Que quem critica aprovou e que tem que ser cumprida.
Doa a quem doer.

30 comentários:

  1. Incompetentes, sobretudo !
    E inconscientes também.

    Um abraço amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem sei se dá vontade de rir ou de gritar, João Menéres.
      Aprovam a lei, dizem que lhes foi prometido que não ia ser aplicada na sua plenitude, e agora, que houve asneira da grossa, protestam contra o que aprovaram e dizem que tem que ser alterado??
      Pata que os pôs!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  2. Quando a incompetência predomina é assim! Há que aguentar. :))

    Hoje:- Fim de tarde, de amor contagiante .

    Bjos
    Votos de uma óptima Terça-Feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas aguentar calado é que não, Larissa Santos.
      Bjs, votos de uma óptima terça-feira também

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Fazem figuras ridículas, Francisco.
      Populistas, demagogos, fazem figuras ridículas.
      E não têm vergonha.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Lamento saber que a incompetência também lança seus tentáculos nefastos em Macau.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico eu mais envergonhado que eles, Amigo João Paulo de Oliveira :(

      Eliminar
  5. Esses deputados fazem lembrar Passos Coelho, que não sabia ter que descontar por lei que ele aprovara,

    Cada vez fico mais perplexa com este tipo de criaturas: afinal , que fazem nos Parlamentos ?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes acho que fazem de nós parvos, São :(

      Eliminar
  6. Pedro,
    Eu realmente não entendo
    como conseguem dificultar algo tão
    claro como é administrar o bem comum.
    Eu não disse que é fácil, Eu disse: claro.
    Grata por expor um pouco
    do que pensamos como cidadão,seja
    lá onde for nosso lugar de
    origem.
    Em fim
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O dever de cidadania, de participação, não conhece lugar, CatiahoAlc.
      Só se o local nos é indiferente, e nenhum me é indiferente, é que não temos esse dever.
      Bjins

      Eliminar
  7. Pedro,
    conhece esse meu
    espaço:
    https://frasesemreflexos.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  8. E não se dará o caso destes deputados que agora criticam a lei, terem votado "vencidos" na sua aprovação ?... Assim ainda poderia fazer algum sentido ! (??)

    Abraço, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Rui, votaram a lei favoravelmente.
      Se tivessem votado vencidos tinham toda a legitimidade para criticar.
      Aquele abraço

      Eliminar
  9. Os tentáculos da incapacidade, da pretensa esperteza, da corrupção, do fazer-se na vida, vão longe, ultrapassam fronteiras, muitas! Essas coisas estão no DNA dos humanos. Quando há menos defeitos, a sociedade torna-se melhor. Mas aceitar, nunca! Muitos fazem as leis que podem lhes beneficiar. Aqui são mestres, e com Doutorado.
    Beijo, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há as chamadas leis medida, destinadas a regular situações muito específicas e em momentos muito específicos, Tais Luso.
      Muito diferentes são as leis feitas à medida.
      As que são feitas para beneficiar algo ou alguém.
      As que são feitas pelos chamados alfaiates jurídicos.
      Existem em toda a parte.
      Beijo

      Eliminar
  10. São tantas as leis que acabam por se esquecer delas.
    O melhor é arranjarem algo de útil para fazer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso foi mais acreditar que uma coisa era o que ia ficar escrito, outra era a aplicação da lei.
      Azar dos diabos, mudou o Executivo, mudou o Secretário, apareceu alguém que não tem uma agenda política, e ficou tudo estragado.

      Eliminar
  11. Olá Pedro
    passei os olhos na crónica de João Pereira Coutinho
    e, por acaso,
    já trazia comigo o link do post que fiz domingo passado,
    se quiser espreitar:

    http://pensamentosimagens.blogspot.com/

    SOBRE ESTE SEU POST só uma frase:
    TÁ TUDO LOUCO....
    é aí e por aqui....
    mas que tristeza de realidade, das acções dos homens que estão á cabeça dos Países.
    Enfim...
    Mas quem entende estes loucos?

    É TUDO MAIS QUE ridículo.

    Boa semana. Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já espreitei comentei, tulipa.
      Bjs, boa semana

      Eliminar
  12. Bem é incongruência.
    Quando tomamos uma decisão há sempre consequências que não imaginamos ou que já sabemos que vai ter efeitos.
    Mas para isso é que existem várias pessoas a avaliar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é quando as pessoas agem com reserva mental.
      Que foi o que aconteceu neste caso.
      Saiu furado.

      Eliminar
  13. Salva a incompetência daí, se como não raro sucede aqui em Portugal em que o próprio Estado legislador, segundo as oportunas conveniências, é o primeiro e/ou maior violador das suas próprias leis e/ou ainda como recentemente sucedeu com um próprio ministro, curiosa e ironicamente proprietário dum dos mais prestigiados escritórios de advogados nacionais e da capital, mas que infringiu a lei das (in)compatibilidades publico-privadas, por auto alegado desconhecimento da respectiva lei!

    Enfim, devaneios e incompetências do género parecem ser mais globalmente comuns do que à partida possa sequer imaginar-se.

    Excelente resto de semana

    Grande abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse jurista, sobejamente conhecido, é acima de tudo dono de uma latosa do tamanho do Universo, Victor Barão.
      Todas as desculpas menos essa, caramba!
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Esteve na ordem do dia na passada semana!
      Abrç

      Eliminar
  14. Politico é igual em todo o lado. Aprovam hoje, o que censuram amanhã.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dá vontade de rir e gritar ao mesmo tempo, Elvira Carvalho.
      Um abraço

      Eliminar
  15. I see your blog daily, it is crispy to study.
    Your blog is very useful for me & i like so much...
    Thanks for sharing the good information!
    starbet promotion

    ResponderEliminar