24 de maio de 2018

A religião como fundamento de massacres sem fim em Myanmar


Quando se adensam os rumores que apontam Donald Trump como candidato a receber o Prémio Nobel da Paz, é difícil dissociar as decisões do Comité Nobel Norueguês do que está a acontecer em Myanmar e de Aung San Suu Ki.
Aung San Suu Ki, ela própria contemplada com o Prémio Nobel da Paz pela sua luta pela libertação de um povo massacrado por uma ditadura levada a cabo por uma junta militar assassina, assiste agora impotente a massacres constantes no país que supostamente estaria liberto destas situações horrendas.
Mais uma vez, como tantas outras na História, a religião, que devia ser sinónimo de paz, é pretexto para alguns dos mais horrorosos massacres que ocorrem actualmente no Planeta.
As forças armadas de Myanmar, um país maioritariamente budista, levam a cabo uma limpeza étnica que tem como alvo a minoria rhoingya, maioritariamente muçulmana, no Estado de Rahkine, obrigando à fuga em massa dos que têm a sorte de sobreviver para o vizinho Bangladesh.
Rhoingyas (Exército de Salvação Rhoingya de Arakan) que agora são acusados de terem massacrado centenas de hindus no mesmo Estado (Rahkine) onde têm sido eles próprios massacrados.
De massacre em massacre, com o beneplácito ou perante a impotência das forças governamentais de Myanmar, e da Nobel da Paz, Aung San Suu Ki, aquela que presumivelmente ficaria com as rédeas do poder em Myanmar, ainda que na sombra, o Mundo assiste a mais momentos de pura limpeza étnica e intolerância religiosa.
Que as Nações Unidas repetidamente denunciam, condenam, mas não conseguem como sempre solucionar.
Religião devia ser sinónimo de paz, de tolerância, de amor ao próximo.
É isso que supostamente a Divindade de todas as religiões representa.
Infelizmente, e ao longo da História, com todas as religiões, tem sido sinónimo de ódio, intolerância, fundamento de barbárie.
Precisamente o que está a acontecer actualmente em Myanmar.

38 comentários:

  1. Uma tristeza =(
    Beijinhos,
    https://chicana.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma tristeza sem fim à vista, Ana :(
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Estamos num mundo de interesses e ódios!

    =)

    Bjinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este Planeta está cheio de locais muito mal frequentados, Daniela :(
      Bjinhos

      Eliminar
  3. Bom dia. Vivemos num mundo em que o PODER do homem ou o desejo de o ter, não tem limite.
    Votos de um dia feliz
    .
    * Amor em Desejos Indefinidos *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um Mundo um bocado cão, Gil António :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Infelizmente a religião é o ponto de partida para muitas atrocidades.

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos aqui (mais) um bom exemplo dessa realidade, Isabel Sá

      Eliminar
  5. Donald Trump como candidato a receber o Prémio Nobel da Paz, só pode ser uma brincadeira de mau gosto.
    Meu amigo vivemos tempos de loucura e de total falta de respeito para com os nossos semelhantes.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Francisco, não é brincadeira de mau gosto.
      A proposta é muito real e muito séria.
      Barack Obama não ganhou o Nobel da Paz??
      Porquê?
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Honra lhe seja feita, Pedro Coimbra, nessa matéria o senhor é coerente. E, de facto, os Prémios Nobel da Paz deviam ser entregues única e exclusivamente a quem tivesse feito algo de muito relevante pela paz.

      Infelizmente, há muitos fãs do mulato que não vêem a coisa assim... a política cega as pessoas.

      Eliminar
    3. Logo que foi conhecida essa notícia comentei aqui que não havia nenhuma razão para atribuir o Nobel da Paz a Obama.
      Admiro Obama mas não sou cego.
      Obama mandou matar Bin Laden, não encerrou Guantanamo, continuou uma série de conflitos bélicos que já vinham detrás, ganhou o Nobel da Paz porquê??
      Parece-me óbvio que foi um prémio político.
      Que não é a essência do Nobel da Paz.

      Eliminar
  6. Ainda não tinha tido conhecimento dessa "possível" (???) indigitação para prémio Nobel da Paz. (!!!)

    Também "curioso", mas recorrente é o facto da Religião ser a causa dos maiores morticínios na Humanidade ao longo dos séculos ! :((( ... Os rostos de medo e terror destas 15 crianças, são deveras tristes de ver !

    Abraço, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ideia partiu dos Estados Unidos, Rui.
      E já vi coisas que me surpreenderiam muito mais.

      É incrível como a religião, todas as religiões, têm sido pretexto para matar.
      Mais uma vez, em Myanmar é isso que está a acontecer.
      Conflitos étnicos e religiosos.
      Com os inocentes e indefesos a sofrer, como sempre, Rui :(

      Aquele abraço

      Eliminar

  7. PEDRO,

    isto consegue ser muito mais revoltante e inadmissível para a inteligência e cultura humanas que esta insólita e absurda tresloucada proposição do Donald Trump para o Prêmio Nobel da Paz.

    Para tentar amenizar isto tudo , estou convidando você a dar um pulinho no meu blog FALANDO SÉRIO, o qual me honra em ser seguidor e ler e quem sabe comentar a postagem da semana:RECADO PARA ADRIANA.

    Um abração carioca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A religião e a etnia a dividirem as pessoas, Paulo Tamburro.
      No século XXI!!
      Amanhã visitarei o seu blogue.
      Um abração desde Macau

      Eliminar
  8. Ola Pedro Coimbra,
    Parabems a sua filha por completar um ano de ensino em Hong Kong.
    A relegiao e a confluencia nas guerras sera mais uma desculpa para outros problemas, neste caso , A ALTA PRODUCAO HUMANA no mundo islamico. Varies esposas multiplos filhos para ser um bom muculmano. Osama Bin Laden teve 20 e tal filhos!!! Excede a capacidade de existencia na sua terra , dai a necessidade de ocupam a dos outros.
    Quanto ao Nobel premio, o Donald Trump tem de se preocupar que os democratas nao ganhem a maioria na casa dos representates em Novembro e lhe facam o IMPEACHEAMENT.
    Quanto a NORTE Coreia e a Paz, ocancelamento do sumit de Singapura, parece o Pres. XI de Peking joga bem Xadres e nao quer perder o control da situacao.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já são dois anos, Augie Cardoso.
      Ela já está em Hong Kong há dois anos.

      Donald Trump não chega aos calcanhares de um estratega como Xi Jinping.
      O qual nunca vai deixar os Estados Unidos terem grande influência ali mesmo ao pé da porta.

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Um abraço, votos de bom fim-de-semana para si e família também.

      Eliminar
  10. Depois do que li do seu texto e em muitos comentários aqui deixados, que mais posso eu acrescentar...

    Mas distinguir o Trump com o Nobel da Paz, NÃO !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Nobel da Paz foi completamente adulterado na sua essência e finalidade, João Menéres.
      Tornou-se (mais) um prémio político e um instrumento político em muitas situações.

      Eliminar
  11. A religião infelizmente sempre foi pretexto para os homens fazerem barbaridades. Parece que o homem nunca aprende nada, depois de tantos séculos bate sempre na mesma tecla "guerra, guerra, guerra"! Espero que um dia caia a ficha na humanidade e nos grandes líderes de que é preciso aceitação das diferenças. Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E guerras com base na religião, Luiza Maciel Nogueira.
      Isso ainda é mais incrível, um perfeito contra-senso.
      Abraços

      Eliminar
  12. «Religião devia ser sinónimo de paz, de tolerância, de amor ao próximo.»

    O Pedro Coimbra é um romântico! As religiões sempre foram tudo menos isso... sobretudo a do Islão!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se calhar sou uma espécie em vias de extinção, Afonso de Portugal :))
      Mas não aponte só para o Islão.
      É católico, não é?
      Eu também.
      A religião católica não cometeu atrocidades ao longo da História??
      E não foram poucas.
      Até mesmo muito recentemente.
      Não vamos varrer para debaixo do tapete os casos de pedofilia, pois não??

      Eliminar
    2. Só para confirmar: o Pedro Coimbra optou por não publicar um comentário que eu tinha deixado aqui há uns dias, certo?

      Eliminar
  13. Passa o tempo, mudam as modas e os conceitos, mas há algo que, para o ser humano, continua imutável: a máxima de que os meios justificam os fins.
    Assim, parece-me, nunca chegaremos a sítio seguro.

    Abraço, Pedro :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Massacres que se combatem com massacres, AC.
      Tudo em nome da religião e da cor da pele :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  14. As religiões, as doutrinas, filosofias e outras mariquices do género (nem macho nem fêmea) não chegam para dominar a agressividade nem o afã de domínio que faz parte do código genético e de sobrevivência da espécie humana, penso que o que realmente vale é a tribo. O resto vai dando para ganhar a vida e matar a fome e sede nem que seja ás custas de outra (tribo evidentemente). cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mete impressão, álvaro silva - matar justificando-se com a religião???
      Aquele abraço

      Eliminar
  15. Renovo o comentário .

    Como é possível alguém se lembrar de Trump para Nobel da Paz ?!

    As religiões muitas vezes serve de capa a malévolos interesses escondidos

    Boa semana, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ele anda todo feliz com essa lembrança, São.
      está mesmo tudo doido!
      Boa semana

      Eliminar
  16. A miséria humana é uma ferida em carne viva. Nunca sara. Todos sabemos por quê? As religiões sempre foram pretexto para justificar os maiores crimes da humanidade (contra humanidade).

    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente tenho que concordar inteiramente, Agostinho.
      Com muita tristeza, mas tenho que concordar.
      Aquele abraço

      Eliminar
  17. I see your blog daily, it is crispy to study.
    Your blog is very useful for me & i like so much...
    Thanks for sharing the good information!
    winwin login

    ResponderEliminar
  18. Enfim, muito se poderia dizer a este respeito, mas no caso vou-me ficar pela "impotência" da ONU, o que curiosamente só acontece quando alguma grande potência, vulgo EUA, não têm um qualquer grande interesse directo numa intervenção da militar sob égide da ONU num qualquer ponto do Planeta; que por dalgum simplista modo dizer, em Myanmar não há petróleo, nem grandes interesses estratégicos, por isso tão pouco há grande "paz" e/ou "democracia" a defender!!! :(
    Abraço

    ResponderEliminar