9 de março de 2012

Você é médico?



Uma senhora, com seu filho de 5 anos, está a comer num restaurante.

De repente, a criança mete uma moeda na boca e engasga-se.
A mãe tenta fazê-lo cuspir a moeda dando-lhe palmadas nas costas, sem sucesso.
O menino está a mostrar sinais de asfixia e a mãe, desesperada, grita por auxílio.

Um homem levanta-se de uma mesa próxima e com surpreendente calma, sem
dizer uma palavra, baixa as calças do miúdo, segura os seus pequenos testículos, aperta com força e puxa para baixo violentamente.

Automaticamente, o garoto com dor irresistível cospe a moeda, e o fulano, com a mesma calma com que se aproximou, voltou para sua mesa
sem dizer uma palavra.

Após algum tempo, a senhora, já tranquilizada, aproxima-se para agradecer ao senhor por salvar a vida de seu filho, e pergunta:

- Você é médico?

- Não, minha senhora, eu sou o ministro das finanças Victor Gaspar, a minha especialidade é "espremer tomates até sacar a última moeda".

8 comentários:

  1. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    Já conhecia a história mas noutra versão, mas, algumas das histórias, tal como esta devem estar sempre bem actualizadas, como sempre adorei, a malta portuga anda tesa, mas ainda vai tendo imaginação!...
    Óptimo fim de se semana.
    Numa cabana junto ao mar abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. O sentido de humor ainda não paga impostos, Amigo Cambeta.
    Como tal, vamos rido.
    Tenha um óptimo fim-de-semana!!
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. Pedro
    Está demais!!! Até as lágrimas me vieram aos olhos (de rir claro)
    O Amigo Cambeta tem razão,tesos mas ainda capazes de rir.
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. O que eu me ri ao ler este post, eheh.
    Tanto que tive que ler em voz alta para as colegas do serviço, eheheh
    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Ahahahahahahah.... Ai que dor na barriga de tanto me rir, com um final completamente inesperado!*

    ResponderEliminar
  6. Rodrigo,
    Se há coisa que nós, portugueses, somos capazes é de rir.
    Mesmo na desgraça.
    Esse espírito ninguém nos deita abaixo.
    Aquele abraço

    O mais importante, não é, Carlota?
    Podem espremer-nos os ......esses, que a gente não deixa de rir.
    Beijo

    Está muito bem conseguida, Catarina.
    Já viu os malucos dos amigalhaços que eu tenho? :))

    ResponderEliminar
  7. Ahahah!
    Teria lavado as maos depois?! : )

    ResponderEliminar