19 de março de 2012

Anedota que só podia ser portuguesa



Um homem entrou no BES, foi ao balcão e disse:
-'Eu quero abrir a porra duma conta, na merda deste banco, s'faxavor!'

A rapariga do balcão, estupefacta, perguntou:
-'O Senhor desculpe, mas acho que não ouvi bem o que disse? Não se importa,
de repetir?'

-'Bem, veja lá se ouve desta vez, caralho! Eu disse, que quero abrir a
porra de uma conta, na merda deste banco! Comé?? Demora muito?'

Ela pediu licença, e foi contar a desagradável situação ao gerente, que
concordou que ela não era obrigada a ouvir tal palavreado.

Dirigiu-se com ela ao balcão, e interpelou o homem:
-'O Senhor importa-se de me dizer o que se passa? Há algum problema? '

-'Foda-se, não há merda de problema nenhum! Eu é que ganhei os 75 milhões
no Euromilhões e quero abrir a porra duma conta, na merda deste banco!'

-'Ah! Percebo perfeitamente... e esta puta está a complicar as coisas ao
Senhor Doutor, não é verdade?

8 comentários:

  1. Estimado Pedro Coimbra
    Sem dúvida alguma que essa anedota só podia ser portuguesa.
    Em Évora na Caixa Geral de Depósitos depois de ter passado a manhã no BNU e nostros bancos, dirigi-me ao balcão e delicadamente solicitei ao empregado para me atender, este, com um ar de fanfarrão, me respondeu Dr.X, eu já vinha chateado e na presença de dezenas de clientes lhe respondi, Dr. uma merda, você aqui é um simples empregado do banco, vá à merda, e me retirei sem ter tratado o assunto que lá me tinha levado.
    E esta história parece anedota mas foi real.
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. A mania do Dr., Amigo Cambeta.
    É uma coisa tão provinciana, tão medíocre.

    Agora conto-lhe eu uma história.
    Depois de me licenciar, lá veio o tratamento por doutor.
    Mesmo por parte de pessoas que me conheciam desde menino.
    Por mais que pedisse que se deixassem disso, continuavam.
    Um dia, depois de tomar um café, um tipo, muito humilde, veio ter comigo.
    E pediu-me se lhe podia dar medicamentos para as duas filhas que estavam doentes.
    Risota geral no café.
    E eu dei um berro a todos os que se riam.
    Porque não tinham o direito de se rir do homem.
    Se me tratavam por doutor, como é que ele ia adivinhar que o doutor não era médico??
    É tão fácil tratar as pessoas pelo nome próprio...
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. AHAHAHAHAHAHAHAH!
    O final é absolutamente hilariante. (grande gargalhada)
    :)))))))))))))))))

    ResponderEliminar
  4. Eheheheh... Esta aqui já não posso levar para o FB :p Mas de facto está muito boa, na minha zona conheço um podologista, que não tem Licenciatura em Podologia, é no belo do antigo termo, um simples calista. No entanto e face ao Dra. que a mulher tem como prefixo no nome, ele ganhou o prefixo dela por osmose, directa, será que foi quando casaram? Ou será que foi quando começaram a apresentar contas abonadas no banco? E em todo lado é tratado por Dr... Enfim.

    Eu gosto tanto que me tratem por menina Catarina, e os utentes mais frequentes assim o fazem para me fazer a vontade :) E eu gosto...

    ResponderEliminar
  5. Catarina Sofia,
    As pessoas que me trataram toda a vida por "menino", "Pedrinho", de repente passarem a tratar-me por Dr.?
    Porquê?
    Que palermice!!

    Catarina,
    Aí, no Canadá, a quem é que tratam por Doctor?
    Aos médicos, não é?
    Os outros licenciados são tratados pelo nome.
    Porque é que os portugueses têm esta mania saloia?

    ResponderEliminar