31 de janeiro de 2013

Recycled Orchestra (Paraguay)

Daqueles momentos que nos fazem perceber que nos lamentamos tantas vezes por tão pouco.
A não perder!!

13 comentários:

  1. Quanto somos ingratos!
    We should count our blessings!

    ResponderEliminar

  2. Quando vemos estas coisas sentimo-nos pequeninos, miudinhos, Catarina.
    Os nossos "problemas"são, tantas vezes, pura e simplesmente, merdices.

    ResponderEliminar
  3. We should count our blessings!

    E mais não digo, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Comove, não comove, Ricardo?
      Como eu o percebo, meu amigo!

      Eliminar
  4. Caro amigo Pedro Coimbra!
    Fiquei enternecido ao assistir o vídeo!
    Caloroso abraço! Saudações enternecidas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Prof. João Paulo de Oliveira,
      Nunca ouviu dizer que o Mundo é que o que fazemos dele?
      Está aqui um óptimo exemplo.
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  5. Nós temos TUDO e ainda nos queixamos ! :((
    Quantas vezes argumento isso mesmo ! Curioso que uma grande parte da nossa população considera (por pura ignorância)Portugal um país abaixo do terceiro mundo !... Quanto estão enganados !... e o problema é que essa maneira de ver as coisas torna as pessoas mais infelizes !...
    .

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Rui,
      Quando nos aparecem estas coisas é que damos conta do quanto somos, tantas vezes, perfeitamente miudinhos e piegas.

      Eliminar
  6. Espectacular, Pedro. Obrigado pela partilha.
    Há tempos escrevi uns posts em que falava do relativismo da nossa pobreza, quando comparada com os de muitos países latino americanos ( que conheço bem) e africanos ( conheço poucos e mal, mas o que vi na Somália, por exemplo, foi suficiente).
    Alguns leitores não terão percebido bem onde eu queria chegar e criticaram-me. Estou a pensar roubar-lhe este video para exemplificar.
    O nosso grande mal, repito mais uma vez, foi termo-nos convencido que éramos um país rico. Somos apenas pobres no contexto europeu...
    Sem querer, dei mais um argumento ao Coelho para nos empobrecer porque, como diz o Ulrich, se os sem abrigo aguentam, nós também temos de aguentar.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Carlos,
      Um dos maestros mais famosos da actualidade, Gustavo Dudamel, venezuelano, começou como?
      Roube o vídeo, mostre-o, quanto mais pessoas o virem, melhor

      Essa criatura a que se refere merecia ser agredido com brutalidade.
      Já não é a primeira vez que é reles.
      Que tal, sugestão de uma amiga, o cretino passar uns dias ao relento na Avenida da Liberdade, por exemplo??

      Eliminar
  7. Faz-nos mesmo sentir pequeninos :/ Ainda estou arrepiada...

    ResponderEliminar
  8. Agradeço a partilha deste vídeo pois é impressionante e belo.

    A união faz a força, aqui sente-se esse elo.

    Beijinho!:)

    ResponderEliminar
  9. Poppy e ana,
    Procurem a história de vida de Gustavo Dudamel, o maestro venezuelano que é um dos maiores génios da actualidade.
    Ele também tem uma história de vida muito semelhante.
    Beijinhos às duas

    ResponderEliminar