8 de janeiro de 2013

Memória curta?


Ano de 1993: com a economia portuguesa a ruir, um alucinado Braga de Macedo, então ministro das Finanças, foi à Assembleia da República gritar a plenos pulmões que o país era um “oásis”. Este sketch parlamentar resistiu à passagem do tempo. Quem não resistiu foi Braga de Macedo: após um breve compasso de espera, Cavaco calçou-lhe uns patins.

Quem era o homem que, em 1992, fez as previsões para Braga de Macedo?
Um tal Vítor Louçã Rabaça Gaspar, que chefiava o Gabinete de Estudos do Ministério das Finanças. Onde falhou ele nas previsões? Falhou em tudo — na evolução da economia e na arrecadação das receitas fiscais.
Veja-se:

• Gaspar previu um crescimento do PIB de 2% em 1993, mas a economia acabou por recuar 0,7%, ou seja, o pretenso “oásis” que Braga de Macedo anunciava acabou numa recessão;
• O Orçamento do Estado para 1993 previa um encaixe à volta de 3.340 milhões de contos (16.660 milhões de euros) com as receitas correntes, mas houve necessidade de fazer um orçamento rectificativo que já estimava menos 364,7 milhões de contos (1,8 milhões de euros), porque a receita fiscal teve um desempenho bem pior do que “se” estava à espera.

Vinte anos depois, o tal Vítor Louçã Rabaça Gaspar, que levou Braga de Macedo a estatelar-se contra a parede em 1993, não vos lembra ninguém?

13 comentários:

  1. Os políticos, sejam eles quais forem, passam a vida a enganar-nos! E nós passamos a vida a acreditar neles! :(
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  2. Estes foi mesmo só um lembrete, Luciano.
    Uma espécie do "que bem prega Frei Tomás".
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  3. O Rabaça é um moço com muitas facetas desconhecidas, Ricardo.
    Ou, pelo menos, pouco conhecidas.
    E é para esse serviço público que existe este blogue :)))

    ResponderEliminar
  4. Credo! Desta nem sabia, mas gostei do esclarecimento... ;)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  5. É, ou não é, serviço público, Teté? :)))
    Beijocas

    ResponderEliminar
  6. Enganam-se uns aos outros, 'fazem a folha' uns aos outros, não são sérios, falsos como Judas.

    O que se pode esperar de gente desta estirpe?

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Mesmo assim não consigo ter saudades nenhumas de nenhum ministro das Finanças antes do Rabaça.

    ResponderEliminar
  8. O problema é que esse energúmeno agora vai provocar o estampanço de 10 milhões de portugueses, enquanto se fica a rir!

    ResponderEliminar
  9. Caro Pedro Coimbra
    Já cantava por essas alturas, alguem que dizia "quando a cabeça não tem juizo, o corpo é que paga".
    Um grande abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  10. Lembrava-se deste episódio, António?
    Caladinho, na sombra, o Gaspar, com aquele ar de sonso, atirou o Braga de Macedo borda fora.
    Aquele abraço!

    FireHead,
    Diga-me o nome de UM ministro das finanças que tenha sido popular :))

    Carlos,
    Com o Braga de Macedo foi pela calada.
    Agora é abertamente.
    Evolução? :)

    Rodrigo,
    O pior é que quem paga é o corpo dos outros, não é o dele.
    Se fosse o dele.....
    Grande abraço!!!

    ResponderEliminar
  11. Isso já foi à 20 anos, nessa altura o Gasparzinho já fazia destas malandrices?

    ResponderEliminar
  12. A fama (e o proveito!!) que vem de longe, Poppy :))

    ResponderEliminar