14 de janeiro de 2013

A importância do cafezinho



Dois leões fugiram do Jardim Zoológico.
Na fuga, cada um tomou um rumo diferente.
Um dos leões foi para as matas e o outro foi para o centro da cidade.
Procuraram os leões por todo o lado, mas ninguém os encontrou.
Depois de um mês, para surpresa geral, o leão que voltou foi justamente
o que fugira para as matas.
Voltou magro, faminto, alquebrado e foi reconduzido à sua jaula.

Depois de oito meses, o leão que fugira para o centro da cidade foi capturado
e voltou ao Zoológico, gordo, sadio, vendendo saúde.
Mal ficaram juntos de novo, o leão que fugira para a floresta perguntou:

— Como é que você conseguiu ficar na cidade esse tempo todo e ainda
     voltar com saúde?
     Eu, que fugi para a mata, tive que voltar, porque quase não encontrava
     o que comer...

O outro leão então explicou:

— Fiquei escondido numa repartição pública.
    Cada dia comia um funcionário e ninguém notava a falta dele.

— E por que você voltou ? Acabaram os funcionários?

— Nada disso. Funcionário público é coisa que não acaba nunca...
     É que eu cometi um erro gravíssimo.
    Já tinha comido o diretor geral, dois superintendentes, cinco adjuntos,
    três coordenadores, dez assessores, doze chefes de seção, quinze chefes
    de divisão, várias secretárias, dezenas de funcionários e ninguém notou
    a falta deles!...
    Mas... no dia em que comi o desgraçado que servia o cafezinho...
    Aí estraguei tudo! 


14 comentários:

  1. Que se lixem os funcionários públicos.
    Venha daí um cafezinho...e um abraço. :D

    ResponderEliminar
  2. E eu, que até sou funcionário público, já estou a tomar o meu cafezinho.
    Mas sou eu que faço.
    E vai daqui o tal abraço!

    ResponderEliminar
  3. Eheheh, tanta gente importante e só se notou a falta do funcionário distribuidor de cafés? Pois... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  4. Importante, importante, é o tipo que serve o cafezinho.
    Os outros são irrelevantes, Teté.
    Eu faço parte dos irrelevantes.
    E, ainda por cima, faço o meu próprio café.
    How low can you get??!! :)))
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  5. Caro amigo Pedro Coimbra!
    Muito boa esta anedota que traz à baila de maneira mordaz até que ponto pode chegar a burocracia!
    Caloroso abraço! Saudações burocráticas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderEliminar
  6. Caro Prof. João Paulo de Oliveira,
    Depois da transição de poderes (1999) dizia-se que o número de funcionários era excessivo e que tinha de ser reduzido.
    Sabe o que aconteceu entretanto.
    Praticamente triplicou.

    ResponderEliminar
  7. Então saia um cafezinho. Chávena escaldada e quase cheio...

    ResponderEliminar
  8. A brincar, a brincar se vão contando as verdades ! eheh
    Tenho um genro que trabalha para o Estado numa repartição que tem cerca de 20 funcionários ! Diz-me ele que metade eram suficientes para fazer o trabalho. :((
    O grande problema é a "cegueira", as "simpatias", de quem vai fazer os despedimentos necessários ! ... é que podem vir a despedir aqueles que realmente trabalham e não os que "fazem cera" e daí, o melhor é fazer de conta que são todos necessários ! :(((
    .

    ResponderEliminar
  9. Não dá para trabalhar sem café!
    Nem que seja só para picar o ponto :)

    ResponderEliminar
  10. Nós temos aqui uma pequena cozinha no local onde trabalho, Carlos.
    Todos os dias, depois de almoçar, juntamente com dois colegas, faço e bebo ali um cafezinho.
    Se quiser fazer uma visita, oferecemos-lhe um :))

    Rui,
    Acha que isso só acontece em Portugal?
    Aqui era suposto reduzir o número de funcionários após 1999, como já referi.
    Desde então, triplicou!

    Su,
    Antes de mais, não bebo bicas, café expresso.
    Tomo um café, em casa, feito na máquina, ao pequeno-almoço.
    Outro, como já referi, feito aqui no gabinete depois de almoçar.
    E chega.

    ResponderEliminar
  11. Pois claro. Aqui em Portugal quase toda a gente não passa sem o café. Eu sou uma excepção. E ainda bem. :)

    ResponderEliminar
  12. Bebo aqueles dois cafés (não é bica, não é expresso) por dia, FireHead.
    Mas, se não beber, não me custa nada.
    Não tenho vício nenhum!

    ResponderEliminar
  13. Gosto muito de café :) No sentido de gostar não de precisar! É uma bebida muito boa, no Verão fazemos refrescos de café, sabe como é?

    ResponderEliminar
  14. Eu nao sou especialmente apreciador.
    Sabe-me bem.
    Nao sou um apreciador :(

    ResponderEliminar