22 de setembro de 2011

Os homens do momento teclando

Com um abraço ao Nuno Lima Bastos a quem "roubei" esta pérola

9 comentários:

  1. Muito boa!

    Fartei-me de rir!

    Como vê, Pedro, eu não escrevo com...sotaque!

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Há mais de onde essa veio... São de rir!

    ResponderEliminar
  3. Ricardo,
    O Nuno é um ilustre madeirense.
    Que também não escreve com sotaque :)))
    Abraço

    Catarina,
    Eu já tinha dito que tenho a sorte de ter um monte de amigos e amigas que é tudo gente boa e bem disposta.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Sinto-me lisonjeado, Pedro :-)
    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  5. O mundo é mesmo pequeno, Pedro!

    Eu conheço o Nuno Lima Bastos desde tenra idade, chegou a dar-me catequese nos idos anos 80, o seu pai foi durante muitos (largos) anos patrão e colega do meu pai (Menezes) numa loja na Rua da Carreira (Funchal) que se chamava e chama Casa Alba, e a sua mãe, ele e irmão viviam numa rua paralela à minha no Funchal.

    O mundo é mesmo ...pequeno!

    Abraço, Nuno!

    ResponderEliminar
  6. Por esta eu não esperava :-) Incrível, realmente!
    Um abraço, Ricardo (ainda apareço no Funchal com regularidade, mas a rua já é outra)!

    ResponderEliminar
  7. E esta, hein?
    Cada vez gosto mais do Blogger!!
    Aquele abraço aos dois

    ResponderEliminar
  8. Nuno,

    também a minha rua já não é a mesma!

    Entretanto, cresci (como todos) e estive longe da ilha durante cerca de uma década, depois casei-me e eu tive um convite para ir para um escritório de advogados no Funchal, trabalhava num no Porto, a minha mulher decidiu concorrer (é Juíza de Direito) para a Madeira e cá estamos há já 10 anos.

    Estive a ler o teu blog «Protesto», e em particular uma entrevista dada ao «Ponto Final» e deixa-me que te diga que a foto que ai está, fez-me recordar o teu pai, há 30 anos atrás, a mesma cara, enfim quando eu ia à loja onde os nossos pais trabalhavam e eles eram miúdos com a nossa idade actual.

    Grande abraço e, com certeza, um dia iremos nos encontrar por ai.

    Pedro,

    aquele abraço!

    Quando por cá

    ResponderEliminar
  9. Encontrar-nos-emos, certamente, Ricardo! Terei todo o gosto nisso.

    Pois é, Pedro, esta maravilhosa tecnologia proporciona coisas destas!

    Um grande abraço a ambos!

    ResponderEliminar