17 de abril de 2018

Grande incêndio de Leiria terá sido planeado em reuniões secretas entre madeireiros (Observador 13/4/2018)


O incêndio que consumiu o Pinhal de Leiria foi planeado um mês antes em reuniões secretas numa cave entre madeireiros. Preços da madeira foram combinados na altura, revela reportagem da TVI24.
O incêndio que consumiu 86% do Pinhal de Leiria entre 15 e 16 de outubro do ano passado terá sido planeado no mês anterior por madeireiros, empresários e fábricas de compra e venda de madeira, avança uma reportagem da TVI24 que foi exibida esta sexta-feira à noite. O plano foi delineado numa série de reuniões numa cave, onde também foram estabelecidos os preços para a madeira consumida.

A Polícia Judiciária já tinha assumido que o incêndio que deflagrou no Pinhal de Leiria em outubro tinha sido mão criminosa. Agora, a reportagem assinada pela Ana Leal revela que “o pinhal estava armadilhado” com vasos de resina com caruma no interior para iniciar as chamas, como contou a jornalista em entrevista na TVI24. Esta terá sido a técnica que atingiu 36 concelhos da região centro. Embora não se tenham registado vítimas mortais na região do Pinhal de Leiria, os incêndios de outubro provocaram 49 mortos e cerca de 70 feridos no país, além de terem destruído 1.500 casas e 500 empresas.

Houve reuniões para planear incêndio e combinar preço da madeira

A fonte da TVI24 foi um homem que terá sido convidado para participar nessas reuniões, que ocorreram na cave de um restaurante e onde participaram pelo menos quatro das maiores empresas de madeira da região. O plano para incendiar o pinhal começou a ser criado em meados de setembro, mas só duas semanas antes é que os participantes se encontraram. De acordo com o homem entrevistado, “houve uma reunião para combinar o preço da madeira e para não oferecer nada pelos lotes do Estado. Porque a madeira está muito cara, está a ver? Se não se comprar ao Estado, ele tem que vender a madeira quase dada. A fonte garante ainda que “todos os madeireiros estão feitos”, ou seja, participaram na reunião.

A liderar este plano estaria um empresário que “até anda a alargar o estaleiro”, conta a fonte da reportagem. Segundo ela, esse empresário terá em sua posse 100 mil toneladas de madeira queimada só em outubro. A reportagem fala ainda de uma empresa que, um mês antes, já estaria a fazer conta com o incêndio e por isso recebeu uma tranche de 500 mil euros para comprar madeira comprada. De acordo com o documento da Caixa de Crédito de Leiria a que a TVI teve acesso, houve de facto uma transferência para essa empresa a 25 de outubro, que terão sido aplicados para comprar dois camiões, dois reboques e uma máquina de arrasto. Entre outubro e dezembro, essa empresa comprou 166 mil toneladas de madeira queimada. No mesmo período de 2016, o volume desce para os 55 mil.

Antes do incêndio que consumiu o pinhal, houve pelo menos 50 tentativas falhados de colocar chamas na floresta. De acordo com a reportagem “Máfia do Pinhal”, o incêndio que se espalhou pelo pinhal começou na Légua “foi mão criminosa e começou a ser planeado logo dia 12”. Foram espalhados vasos de resina em zonas sem pinhal resinado e garrafas de vidro e de plástico embrulhadas em prata com “um líquido preto” combustível por dentro, garantem as fontes da TVI24. Tudo terá sido pensado para que deflagrasse durante a tarde: assim o incêndio tomaria proporções incontroláveis durante a noite, quando os aviões de combate ao incêndio não podem atuar. De acordo com um madeireiro abordado por Ana Leal, o fogo “ardeu na altura certa para quem faz negócio”.

O negócio prossegue ainda hoje. O Estado ainda não colocou em leilões quase nenhuma percentagem do milhão de tonelada queimada que tem em mãos: o primeiro leilão ocorreu em dezembro e nenhum dos grandes compradores de madeira comprou matéria prima. Até agora apenas 3% da madeira queimada foi vendida. Mas esta é uma corrida contra o tempo: daqui a dois meses a madeira ficará azul e em julho já ganhou bicho, por isso deixa de ter interesse para o mercado. Questionado pela TVI, o presidente da Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas diz que este pode ser um bom negócio: “Se o Estado pusesse toda a madeira à venda, o que aconteceria aos privados?”.

Segundo as fontes da TVI, “todas as pessoas com alguma dimensão vão ganhar milhões com isto e todo o pequenino vai ser derretido! Não é já! É daqui a alguns tempos! Essa gente vai morrer toda, porquê? Porque, com a falta de matéria-prima que vai haver, vão ficar completamente trucidados e não têm hipótese nenhuma de entrar no mercado. A maior parte deles têm medo!”.

Em Leiria, as cidades mais afetadas pelos incêndios que consumiram o Pinhal de Leiria foram Alcobaça, onde o incêndio terá deflagrado, Marinha Grande, onde fica a maior parte do Pinhal e Pombal. Os incêndios de 15 de outubro destruíram 190.090 hectares de floresta, que correspondem a 45% da área ardida em todo o ano passado.

21 comentários:

  1. Não foi há muitos anos que eu pensava que isso nunca aconteceria em Portugal. Esse tipo de atividades criminosas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há criaturas que não merecem estar vivas, Catarina.
      Porque não têm coração, alma.
      Só têm uma carteira para lá pôr dinheiro.
      E para isso acham que vale tudo.
      FDP!!!

      Eliminar
  2. bom dia
    mais um caso de justiça , que nunca vai ser decidido !!
    JAFR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não posso aqui reproduzir o que escrevi quando tomei conhecimento desta barbaridade, Joaquim Rosário.
      Envolvia sodomia ... com madeira queimada.
      E mais não digo.
      FDP!!!

      Eliminar
  3. Canalhas !!!!!!!!!

    Não tenho , não conheço palavras que consigam transmitir o que esses patifes são e nem a minha indignação e fúria!!

    E fica tudo impune?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nao pode haver perdão nem contemplações com esta escumalha, São.
      Parece mentira que aconteça algo tão bárbaro.
      É tudo por dinheiro, só por dinheiro.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Parece impossível haver canalhas deste calibre, Amigo João Paulo de Oliveira :(

      Eliminar
  5. :((( ... No meio disto tudo, há uma coisa que me faz imensa confusão, Pedro. Nós temos Polícia, certamente que também investigadores, temos Ministério Público e temos Justiça a quem todos nós pagamos, certamente que bem !...

    Porque razão tem que ser uma entidade privada de comunicação que se dedica a fundo a investigar estes casos, que ao fim e ao cabo nos são mostrados como facílimos de investigar.
    Claro que me refiro à Ana Leal e à TVI !!!
    PORQUÊ ???...
    Tal como no caso das "Crianças adoptadas pela IURD"! ... Porquê a Ana Leal e a TVI ? ...
    Porque não o Estado, porque não os outros meios de comunicação ?...
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou responder curto e directo, Rui.
      Porque a Ana Leal, que parece já terá recebido ameaças por dizer verdades, é competente.
      Tão simples como isso.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Não entendo essa notícia, todos dizem que a Madeira ardida não tem quase valor algum.
    Abraço Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fica muito mais barata para os madeireiros, Mena Almeida.
      Que depois a revendem para ser transformada ou a transformam eles próprios com lucros brutais.
      Julgo que é essa a explicação.
      Abraço

      Eliminar
  7. Não vi a reportagem, sabia da notícia, que não lera, mas li-a aqui neste seu espaço.
    Há dois meses, passei perto do Pinhal, na zona da Marinha Grande, e o pouco que vi, foi uma dor imensa.
    Assassinos.
    E quem de direito não faz nada.
    Até amanhã.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estes canalhas não têm perdão e merecem castigo exemplar, Maria Araújo.
      O pinhal de Leiria tinha SETE SÉCULOS, caramba! :(

      Eliminar
  8. Ontem, na TVI 24, estiveram vários madeireiros. Uma tristeza de gente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será que estavam lá alguns dos bárbaros que planearam e perpetraram este atentado, Carlos??
      Seria uma boa oportunidade para os dar a comer aos tubarões no Oceanário.

      Eliminar
  9. Portugal: um país pequeno de grandes negociatas. Estou convencido que a falta de escrúpulos é transversal na nossa sociedade... Estamos rodeados de cápsulas que não pestanejam perante uma oportunidade de obterem dinheiro.
    O mal vem desde o tempo da notinha que instruía um qualquer requerimento ou pretensão. Também, nessa época, havia tubarões, simplesmente os golpes desferidos não eram propalados como hoje, por vigorar então a divisa do "respeitinho".
    O defeito não está nos políticos está na maioria do povo que os critica, e que faria o mesmo se tivesse oportunidade. Toda a gente sabe que o vício da falta de respeito pelos bens alheios é imenso. Até papel higiénico é roubado! Felizmente ainda há gente honesta mas que é avassaladora pela onda da desonestidade.
    A comunicação social não está isenta deste estado de coisas que explora até ao tutano em proveito próprio e também, muitas vezes, desonestamente.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tal civismo, Agostinho.
      O cházinho que, quando não se bebe em pequenino, dificilmente se poderá beber mais tarde.

      Mesmo sem civismo, um acto bárbaro como este é horripilante.
      Há gente que nunca conseguiremos compreender.

      Aquele abraço

      Eliminar
  10. Atingi um estado de "santidade" em que já nada me espanta.:(
    Ouvir as noticias passou a ser um "exercício" para valentes. A questão é saber quem é que não rouba, e olha que não é tarefa fácil!:(

    Beijinho para todos, Família.

    ResponderEliminar