26 de abril de 2018

Maturidade aos 16 anos, sim ou não?


Já todos ouvimos a expressão tão em voga “temas fracturantes”.
Temas susceptíveis de criar polémica nas sociedades e que por isso devem ser objecto de todo o cuidado e de aturada reflexão, discussão, sólida base científica. 
Terá sido assim com a decisão recentemente tomada em Portugal de se permitir a mudança de nome e de sexo aos 16 anos de idade? 
Confesso que tenho sérias dúvidas. 
Dos partidos com representação parlamentar o tema recebeu votos desfavoráveis do PSD e CDS. 
O PCP optou pela abstenção, os restantes partidos aprovaram a alteração legal. 
Uma aprovação que levanta uma série de interrogações demasiado evidentes para serem deixadas passar em claro. 
Se não se considera que a pessoa aos 16 anos tem maturidade suficiente para votar, conduzir, como é que se explica que se considere que tenha maturidade suficiente para tomar uma decisão que vai afectar toda a sua vida? 
Bem sei que dos 16 aos 18 anos é necessário o consentimento dos pais. 
E que é sempre necessária avaliação médica.
Mas, mesmo assim, não se estará a andar muito depressa num tema que merecia aturada reflexão, estudo e debate?
Passo histórico para os partidos que aprovaram a medida, radicalismo ideológico para aqueles que votaram contra, este é um exemplo típico de um tema fracturante – muito polémico, susceptível de criar grandes discussões, gerar grandes divisões, grandes paixões e ódios. 
E que acredito não terá conhecido a última palavra com a alteração legislativa recentemente aprovada.

67 comentários:

  1. Sinceramente eu votaria contra.Penso que aos 16 anos não se tem maturidade suficiente para uma decisão de tão grande importância.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então não sou só eu a achar a decisão precipitada e disparatada, Elvira Carvalho.
      Abraço

      Eliminar
  2. As normas/regras são inconsistentes em muitos países.
    Uma pessoa de 16 anos é uma criança na minha opinião.
    Há muitas mulheres que foram mães aos 16 anos o que não quer dizer que tivessem tomada essa decisão com consciência, com maturidade.
    Foi apenas em 2010 que Portugal permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Creio que estes casais ainda não podem adotar crianças.
    Mudança de nome e de sexo aos 16 anos? O que estarão a pensar aquelas (lawmakers!!) cabecinhas ocas?

    Ou 8 ou 80!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Catarina,
      A minha filha Mariana, e a prima, estão a caminho dos 15 anos.
      E são umas crianças.
      Como o são as amigas delas.
      E não é no espaço de um ano que se vão tornar em mulheres maduras.
      Esta decisão do Parlamento português é modernaça, moda, tem todos os tiques da ideologia do Bloco de Esquerda.
      Surpreende-me que o PS tenha acompanhado os outros partidos que aprovaram esta aberração.
      Somos tão modernos, estamos tão à frente é o que esta medida pretende passar para a opinião pública.
      A mim parece-me saloia, provinciana, profundamente irresponsável.

      Eliminar
  3. Pedro segundo li e percebi, emenda-me se estarei enganada, a mudança aos 16 anos agora aprovada é apenas em termos de identidade/Cartão do cidadão etc e não cirurgicamente, esta será feita se assim o entenderem mais tarde e após os 18 anos.

    Também te digo que há muitos jovens com 16/18 anos que têm mais maturidade do que muitos com 20/30 anos.

    Beijos e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São muitos mais os que não têm maturidade que os poucos que a terão, Fatyly.
      E esta é uma decisão para a vida.
      Não se é Francisco hoje, Francisca manhã, Francisco no dia seguinte.
      Uma medida disparatada e precipitada.
      Qual é a opinião da maioria da população portuguesa??
      Pois, ninguém sabe.
      Beijos, um bom dia.

      Eliminar
  4. bom dia
    uma decisão destas , não devia ser tomada com essa idade pois a adolescência é sem duvida a idade das muitas incertezas e corre-se o risco de se vir a arrepender . Penso que , mesmo depois de adulto é uma decisão muito difícil.
    JAFR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho exactamente a mesma opinião, Joaquim Rosário.
      É uma decisão tão radical e definitiva que devia ser tomada por seres humanos muito mais maduros que garotos de 16 anos.

      Eliminar
  5. Esta questão é, para mim, absurda!

    Vejo as coisas da seguinte maneira: A biologia é uma ciência, logo é composta por factos cientificos e factos são coisas concretas e irrefutáveis, logo não estão abertos a debate! Sendo a biologia aquilo que nos define como masculino ou feminino (ou em casos raros hermafrodita), pese embora a maneira como um individuo se possa sentir, o facto estará lá sempre presente.
    Dito isto, não tenho nada contra homosexuais, trans, e todos os outros estados que poderão surgir ou ser inventados a partir da sensibilidade de cada um, mas a sensibilidade de cada um não altera os factos. E aceitar a maneira como as pessoas se vêem e a maneira como encaram o mundo não tem necessáriamente de passar por ignorar factos a favor de sensibilidades!
    Assim como um gato será sempre um gato, por mais que gostassemos que fosse um tigre, ou um cão será sempre um cão, por mais que quisessemos que fosse um lobo, um homem será sempre um homem e uma mulher será sempre uma mulher, pelo menos até que essa condição seja alterada cirurgicamente! E mesmo assim, embora as diferenças sejam menos aparentes, ainda lá estarão, porque os sexos têm fisiologias diferentes, até ao nível do funcionamento cerebral!

    Esta estranha mania de querer transformar opiniões e sensibilidades em factos deixa-me, tantas vezes, perplexo...

    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu até sou capaz de aceitar a mudança de identidade e de género se a pessoa assim o desejar.
      Mas, para tomar uma decisão desta amplitude, e com estas consequências, é preciso que a pessoa tenha um grau de maturidade que não tem aos 16 anos.
      Poderá haver excepções.
      Mas são isso mesmo - excepções.
      Aos 16 anos somos uns garotos, caramba!
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Sinceramente não tenho uma opinião formada sobre este assunto.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho muito mais natural a sua posição (a dúvida) do que as certezas absolutas de quem aprovou tão radical medida, Francisco.
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. Não concordo que uma pessoa com dezasseis anos possa tomar uma decisão de tal modo importante. Se a maioridade é aos dezoito , neste caso tão delicado não se deveria ter antecipado a decisão.

    Esta situação assemelha-se, pelo menos para mim, à situação absurda vivida na ditadura de a maioridade ser aos 21 anos, mas a ida para o serviço militar - e, pior, para a guerra colonial - ser antes.

    Escusado será dizer que não tenho preconceito algum relativamente a nenhuma das orientações sexuais existentes, desde que respeitem o Outro.

    Bom dia, aqui

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São,
      Lá estou eu com vontade de perguntar - onde é que assino o seu comentário??
      Mas é que é isso exactamente.
      E aqui não opções partidárias, não há ideologias.
      Há uma simples questão de bom senso.
      Que não tem nada a ver com opções/orientações sexuais como muito bem sublinha.
      Um bom dia (aqui a aproximar-se da noite) para Portugal

      Eliminar
  8. Mamais concordo. Com 16 anos são autenticas crianças no tempos de hoje. :))


    Hoje:- Eis a fonte que nos alimenta alma

    Bjos
    Votos de uma boa Quinta-Feira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Larissa Santos.
      Actualmente ainda são mais imaturos que em outros tempos de má memória (o meu pai começou a trabalhar e a ser responsável pela casa ainda com 14 anos).
      Perante tanta imaturidade, até reconhecida por lei (o voto, a condução de veículos automóveis), permite-se que se tomem decisões com este impacto??
      Não faz sentido nenhum.
      Bjs, votos de uma boa quinta-feira.

      Eliminar
  9. Maturidade depende do carácter de cada um, mas na minha opinião deveria ser aos vinte, para evitar asneiras irreversíveis.

    O meu abraço Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem discuto idades, António Querido.
      Só pergunto é porque é que a maioridade se atinge legalmente aos 18 anos e se pode tomar uma decisão destas com 16.
      Mais a mais quando, nas sociedades modernas, jovens de 16 anos são na esmagadora maioria muito imaturos.
      Aquele abraço

      Eliminar
  10. Nos tempos de hoje aos 16 anos os jovens sao totalmente imaturos!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apetece dizer que pedem de prenda de anos o último modelo do iPhone e uma mudança de sexo, Sami.

      Eliminar

  11. Minh'alma tá parva!!
    :(

    Nem digo mais nada porque o que me apetecia dizer mete umas quantas palavras feias lá pelo meio.

    Beijinhos censurados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As mesmas que me apetecia dizer a mim, Afrodite.
      Sei-as todas, acredita.
      Beijinhos em sintonia

      Eliminar
  12. Não vejo em que é dois anos na vida de um adolescente possam fazer diferença. Tenho algum receio que alguns miudos na fase da rebeldia, vão atrás da "onda" sem pensar nas consequências.
    Porém, não percebo a discussão, nem o timing da discussão. Acho que há coisas mais importantes para discutir. Enqt a opinião publica discute isto, não se discutem outras coisas, muito menos convenientes. Prioridades, dirão uns, manhas, dirão outros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pôs o dedo na ferida - vamos distrair o pagode com discussões bizantinas para se esquecerem de assuntos bem mais importantes.
      Estamos na mesma onda.

      Eliminar
  13. Pedro, isso me faz lembrar os juízes
    lambões quando marcam o que acham que
    viram ou deixam de marcar o que pensam
    que não aconteceu, e para desencargo de
    consciência, marcam ou deixam de marcar
    alguma coisa a favor do outro time. Por-
    tanto, se induziram o jovem a votar aos
    16 anos, por que não permitir que cuidem
    dos seus próprios desejos?

    Um grande abraço e bom dia.

    silvioafonso



    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o contrário, silvioafonso.
      Com 16 anos não pode votar, não pode conduzir.
      Mas pode mudar de nome é de sexo.
      Dá para compreender esta lógica??
      Eu confesso que não consigo.
      Aquele abraço

      Eliminar
  14. Não tinha conhecimento algum acerca dessa lei, Pedro!
    Concordando com a permissão legal, para efectuar tal mudança, não posso concordar com a idade estipulada para se tomar uma decisão tão séria e irreversível.
    Se bem que a maturidade não tem uma idade certa. Há adultos bem imaturos.
    Resumindo: Não creio que essa lei 'passe'.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esperemos que haja quem lhe ponha travão, Janita.
      Porque há decisões que exigem mesmo amplo consenso.
      O que não é minimamente o caso.
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Só agora é que li o comentário da Janita.
      Afinal, ela pensa como eu.
      Como é bom encontrar alguém com a mesma opinião, porque é muito chato eu ser sempre do contra.

      Beijinhos para ambos.

      Eliminar
  15. Olá Pedro

    como diversas vezes já aqui disse
    não gosto de comentar decisões políticas nem política
    porque me enervo
    e porque estou FARTA da porcaria de políticos que temos
    irresponsáveis e corruptos

    Lógico que se está a andar muito depressa
    num tema que merecia aturada reflexão, estudo e debate
    Mas eles nem sabem o que decidem, nem o que votam, eles estão ali numa de férias e querem o pilim ao fim do mês

    Mudando de assunto:
    há algum tempo que não o vejo comentar este blogue:
    http://tempolivremundo.blogspot.pt/

    será que tem problemas para entrar?

    Sobre a pergunta que me faz:
    Já viu os projectos para o Aeroporto de Singapura (Changi)?
    Fenomenal!!

    Só lhe posso dizer:
    O Aeroporto actual já é fenomenal
    já agora, onde poderei ver os novos projectos?

    Beijinho da Tulipa
    Bom resto de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já expliquei porque razão não visitava o blogue.
      Agora está esclarecido.

      Os novos projectos do Aeroporto de Singapura pode procurar no Youtube.
      Apareceram-me por acaso no Facebook de um amigo, mas julgo que estão disponíveis no Youtube.
      Fantástico!

      Bjs, bfds

      Eliminar
  16. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Não sou favorável a esta redução de idade para este fim.
    Caloroso abraço. Saúdações contrárias.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus , sem ranços, com muita imaginação autenticidade e gozo ,autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Não tenho nada a objectar no que se refere a opções sexuais, nada contra a mudança de sexo.
      Tomar essa decisão aos 16 anos??
      Uma violência!
      Aquele abraço

      Eliminar
  17. Há tanta gente imatura na idade adulta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que me faz mais impressão é a incongruência da medida, Teresa - então a pessoa não tem maturidade para votar, para conduzir um carro, mas tem maturidade para decidir mudar de nome e de sexo???
      Não bate certo.

      Eliminar
  18. Mas a lei diz que não muda de sexo aos 16 anos quem quer, porque há uma série de requisitos para que isso se possa verificar. Em qualquer caso o tema é polémico. Como era o casamento entre pessoas do mesmo sexo, por exemplo...
    Continuação de boa semana, caro amigo Pedro.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas A DECISÃO é tomada aos 16 anos, Jaime Portela.
      Então porque é que a mesma pessoa não pode votar, conduzir um automóvel??
      Não percebo.
      Aquele abraço, bfds

      Eliminar
  19. Sinto-me dividido quanto a esta questão. Depende de muita coisa, principalmente da educação e princípios que, sabemos, vêm do berço.
    Qualquer que seja a decisão, que não seja tomada sem o necessário consenso.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa precipitação, essa falta de consenso, é que me mete muita impressão, António.
      Uma decisão destas devia exigir um LARGO consenso.
      É o oposto, há uma grande divisão.
      Aquele abraço

      Eliminar
  20. Pedro, posso estar enganada mas não me parece que com 16 anos os jovens já tenham 100% certeza daquilo que realmente querem para o futuro, quantas incertezas e dúvidas se tem na adolescência.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se está enganada, eu também estou, Maria Rodrigues.
      E muito mais gente connosco.
      Aliás, essa profunda divisão devia ser o primeiro alerta para se ter cuidados redobrados nesta toma de decisão.
      Beijinhos

      Eliminar
  21. Este assunto é demasiado sensível, importante e, até admito, polémico !

    !!!??? … O que eu estranho é, que de um modo geral, todos os comentários batem na tecla da “autonomia da decisão” aos 16 anos, quando o Pedro explica que :

    “Bem sei que dos 16 aos 18 anos é necessário o consentimento dos pais. 
    E que é sempre necessária avaliação médica.”
    Logo, a decisão não é da criança com menos de 18 anos !!!

    Ora isto quer dizer que não se trata de “uma decisão” de uma criança de 16 anos, tomada sem mais, de ânimo leve, ou por capricho !!! ☹

    O que é de ter em conta, é que uma criança, toda ela a sentir-se menina, ou menino, nasça, anatomicamente, com “pilinha” ou com “pipi” contranatura e tenha que sofrer ao longo de toda uma vida os efeitos provocados por essa aberração física do nascimento !

    Uma criança nessas condições e elas são muitíssimas mais do que aquilo que possam imaginar, sofre ao longo da sua infância e adolescência o inimaginável por nós, em termos de relações pessoais de “psicologicamente terrível desenquadramento” com as outras suas colegas de escola ou de vizinhança, que podem tomar variadíssimas formas, de vergonha, de maus tratos, intimidações físicas e psicológicas, exercidas de forma continuada ao longo de anos, sobre essas crianças consideradas fracas, vulneráveis e com “desvios” logicamente aparentes !
    … E de realçar também que isso mesmo se prolonga pela vida fora ! :(((

    É horrível o sofrimento dessas crianças que sempre viveram e vivem em corpos trocados !!! :((

    O que para (quase) todos possa parecer uma simples “perrice ou mania”, é um engano total de avaliação !
    Uma criança nessas condições já foi submetida a aturada reflexão, exames e estudo, por psicólogos e psiquiatras , antes da decisão de mudança de nome e de tratamento hormonal !
    O assunto está tratado, discutido e mais que discutido e avaliado !!! …
    Neste momento, há alguma centenas (sim, leram bem) de jovens entre os 15 e os 20 anos a fazerem tratamento hormonal para repor a “normalidade “ (antes ou após a mudança de nome , ou até de sexo ) . Cada coisa, a seu tempo e são coisas diferentes !!!

    E esta lei tem simplesmente como finalidade que uma rapariga possa finalmente ter um nome de mulher e que um rapaz possa ter finalmente o nome de um homem , mesmo mantendo o sexo (órgão) ! Trata-se de pessoas transgénero !

    Quanto a mim, não se está de modo algum a andar depressa demais !!! … E esta lei tem todos os motivos para ser posta em prática !!! Na minha opinião, esta decisão impõe-se e o mais rapidamente possível !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A decisão é tomada aos 16 anos.
      Porque, se fosse aos 18, nem seria necessário alterar a lei, Rui.
      Só fazer uma lei que possibilitasse a mudança de nome e de sexo.
      A idade já estava prevista de um modo geral (a maioridade).
      Não concordo com esta medida, acho-a precipitada, mas respeito todas as opiniões, como é óbvio.
      Aquele abraço

      Eliminar
  22. Que imaturidade revelam os deputados ( eleitos pelo povo maior ) para se propõem levar por diante tal disparate !

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece-me uma daquelas modernices que podem ter consequências muito sérias, João Menéres.
      Especialmente se tomadas de ânimo leve e precipitadamente.
      Aquele abraço

      Eliminar

  23. Li a notícia e na altura comentei: " 16 anos são muito jovens ainda para tomarem decisões destas".
    É um assunto muito delicado, não é fácil para ninguém, penso que aos 20 seria mais razoável e mesmo assim ponho algumas reticências.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu nem discuto idades, Maria Araújo.
      Tudo devia ser objecto de reflexão, de estudo, antes de se avançar precipitadamente com uma medida tão radical.
      Beijinhos

      Eliminar
  24. Também tenho muitas dúvidas, Pedro. Pelo menos até que alguém me convença que a medida é boa. Ou má...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em poucas palavras o Carlos diz tudo - se há tantas dúvidas, e a votação prova isso mesmo, como é que se avança com uma medida destas sem reunir amplo consenso??

      Eliminar
  25. Cada caso é um caso.
    Existem jovens com essa idade que se sentem aprisionados num corpo que nada lhes diz, mas devem ter acompanhamento parental, médico e psiquiátrico para uma tomada de decisão mais drástica e usso não se faz de um dia para outro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas a DECISÃO é tomada de um dia para o outro, Magui.
      Por garotos imberbes.

      Eliminar
  26. now a days govts need such immature to give them vote otherwise who will vote them

    ResponderEliminar
  27. Volto aqui, Pedro, porque este assunto merece-me uma atenção muito especial, por razões também muito especiais !
    Certo, que respeito a opinião de cada um (por desconhecimento PESSOAL do caso), o que não quer dizer que concorde com ela ! :(
    O facto é que, de um modo geral, todas as opiniões aqui expressas, partem de um PRESSUPOSTO ERRADO, que é o facto de “qualquer miúdo de 16 anos poder ir ao Registo Civil e simplesmente pedir a mudança de nome e de género” !!! :((

    Ora, não se trata de nada disso !!! … Na verdade são os pais e os relatórios médicos, de anos de exames e sofrimento, acompanhamentos médicos e tratamentos, que prevalecem sobre a simples vontade do jovem e não apenas a sua decisão !
    Trata-se de uma DECISÃO dos PAIS e dos MÉDICOS de várias especialidadess (e não são poucos em numa só consulta, são anos de consultas e acompanhamento especializado) que o decidem, em nome do/a jovem, para evitar que uma RAPARIGA de 16 anos seja nomeada e identificada por ANTÓNIO e não por ALICE, ou vice versa !
    Porque esperar pelos 18 anos ??? ...

    Um jovem adolescente num corpo que lhe é estranho, é vítima de coisas insuportáveis que o levam quantas vezes a ter que mudar de escola mais que uma vez, porque, todos sabemos, as crianças e adolescentes são extremamente cruéis e “não suportam” meninos afeminados, que não os acompanhem nos jogos de futebol ou nas brincadeiras de rapaz e daí começarem por lhes fazer a vida em “cangalhos”, amesquinhando-os de toda a forma e feitio, até ao total afastamento do “grupo” e até com violência física e humilhações de toda a ordem !
    Certo que no caso da “maria-rapaz” (em extremo) a situação não será tão notória (as meninas são menos exigentes com as colegas , mas existe também e nalguns casos com o mesmo dramatismo !
    O assunto é demasiado melindroso e delicado, daria para muitos relatos e explicações e tudo isso para além do já aqui dito e também no meu comentário mais acima .

    Obrigado, Pedro e as minhas desculpas pela extensão dos comentários.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rui,
      Nunca peça desculpa pelos seus comentários aqui.
      São sempre muito apreciados e muito agradecidos.
      Espero não o ter magoado com o que escrevi e com o que comentei.
      Não queria magoar ninguém, muito menos alguém como o Rui.
      Se o fiz, ainda que sem intenção, peco-lhe desculpa do fundo do coração.
      Grande abraço!

      Eliminar
    2. O Rui está enganado. Como se pode ler aqui:

      «O texto final, agora aprovado, vai assim permitir que maiores de 16 anos possam alterar o seu género e nome próprio no registo civil, apenas mediante requerimento e sem necessidade de recorrer a qualquer relatório médico. Entre os 16 e os 18 anos, este procedimento terá de ser autorizado pelos representantes legais.»

      https://observador.pt/2018/04/13/parlamento-aprovou-lei-da-mudanca-de-sexo-aos-16-anos/

      Ou seja, é verdade que os pais terão de autorizar a mudança de sexo, mas não é verdade que sejam necessários relatórios médicos.

      Eliminar
    3. Afonso de Portugal,
      As ideologias não nos podem cegar e fazer-nos perder a sensibilidade.
      Veja se percebe o que quero dizer...

      Eliminar
    4. Cada caso é um caso e respeito imenso as pessoas que vivem a situação, mas Afonso de Portugal está correcto e isso ainda me deixa mais preocupada do que já estava!

      Eliminar
    5. Pedro Coimbra
      Eu não fui mal-educado nem desrespeitoso para com o seu leitor... e olhe que bem me apeteceu sê-lo!

      Tratou-se simplesmente de rectificar informação que estava factualmente incorrecta, como bem observou a São. As ideologias -e eu nunca escondi a minha- não são para aqui chamadas.

      Eliminar
    6. Afonso de Portugal,
      Onde é que eu lhe apontei falta de educação?
      Sensibilidade, não foi má educação.

      São,
      Peço desculpa mas não vou acrescentar mais nada a este assunto.

      Eliminar
  28. Demasiado fracturante.

    Abraço :)

    ResponderEliminar
  29. o cérebro das pessoas de 16 anos, segundo os psicólogos e psiquiatras, ainda não está totalmente "acabado", ou seja, falta-lhe lá um "parafusinho", que é responsável pela tal maturidade.

    Evidentemente que não, pedro.

    beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. CÉU,
      Todos tiveram a oportunidade de dar a sua opinião, o seu contributo.
      Por agora o assunto fica por aqui neste espaço.
      Decerto será discutido noutros.
      Beijinhos

      Eliminar