24 de abril de 2018

Lista dos 9 maiores devedores que afundam a Caixa Geral de Depósitos



Lista dos 9 maiores devedores que afundam a Caixa Geral de Depósitos 

O total de imparidades registadas pelos nove maiores devedores chega aos 912,1 milhões de euros. 
Seguem os nomes que surgem na lista dos maiores devedores da CGD, divulgado pela comunicação social.

Grupo Artlant – 476,4 milhões de euros e 214 milhões em perdas de crédito (imparidades) reconhecidas. 
A Artlant foi criada para desenvolver um grande projecto industrial em Sines, com a construção de uma unidade do sector químico. 
O promotor era o grupo catalão La Seda, grupo que depois de entrar em crise chegou a ter como accionista de referência o empresário português Carlos Moreira da Silva, líder da Barbosa e Almeida (e accionista do Observador).
A Caixa Geral de Depósitos começou por ser uma grande financiadora, mas acabou por se tornar accionista da La Seda, onde ainda tem 14%, e da própria Artlant. 
Um envolvimento que tinha também como objectivo assegurar a realização do investimento na fábrica de Sines.
A empresa avançou com um processo de revitalização especial (PER) e em 2015, a Caixa reclamou créditos superiores a 520 milhões de euros. 
A última informação disponível já do início de 2015 é da que foi proferida a sentença de homologação do plano de recuperação.

Grupo Efacec – 303,2 milhões de euros de créditos e 15,2 milhões de imparidades. 
A exposição resultará do financiamento à empresa, mas também aos seus dois maiores accionistas, o grupo José de Mello e a Têxtil Manuel Gonçalves. 
Os grupos portugueses venderam 65% da principal unidade do grupo Efacec, a Efacec Power Solutions, a Isabel dos Santos há cerca de um ano. 
O negócio, avaliado em 200 milhões de euros, foi mais do que uma simples venda, esteve enquadrado numa reestruturação de dívida dos accionistas e da empresa.
A Caixa enquanto credora participou no financiamento desta operação.

Vale de Lobo – 282,9 milhões de euros de exposição e 138,1 milhões em imparidades. 
É um negócio imobiliário polémico que se cruza com o inquérito judicial ao antigo primeiro-ministro José Sócrates e que envolve ainda Hélder Bataglia, o presidente da Escom. 
A decisão da Caixa Geral de Depósitos de entrar no empreendimento de luxo no Algarve data de 2006 e tem sido atribuída ao então administrador do banco público, Armando Vara. 
A Caixa é accionista da sociedade que explora Vale do Lobo, ao mesmo tempo que é a maior financiadora.
Em 2014, a holding de imobiliário que detinha esta participação reconheceu perdas de 196 milhões de euros, parte da qual será atribuída a Vale do Lobo. 
Nas contas de 2015, a Caixa diz que a situação líquida era negativa em 137 milhões de euros. 
O banco do Estado tem uma participação financeira de 24%, mas é também o maior credor deste empreendimento que no ano passado foi posto à venda.

Auto Estradas Douro Litoral – 271,3 milhões de exposição e 181,4 milhões de créditos perdidos. 
A concessão de autoestradas volta a cruzar os caminhos do banco do Estado com o grupo José de Mello que, através da Brisa, é um dos maiores accionistas desta concessionária que entrou em incumprimento dos compromissos financeiros assumidos com os bancos financiadores, nomeadamente ao nível dos rácios. 
A Douro Litoral é uma concessão com portagens cuja receita tem-se revelado muito abaixo do previsto e insuficiente para remunerar o investimento. 
A empresa tem em curso vários pedidos de compensação financeira ao Estado, no valor global de cerca de 1,4 mil milhões de euros que estão a ser analisados em tribunal arbitral.

Grupo Espírito Santo – 237,1 milhões de euros em créditos e 79 milhões de imparidades. 
A Caixa Geral de Depósitos, enquanto maior banco português, foi também a instituição financeira que mais exposta estava ao Grupo Espírito Santo. 
O Observador fez um levantamento, em maio do ano passado, da exposição da banca ao GES, ainda com base em listas provisórias de valores reclamados pelos credores de sete sociedades que estavam em processo de revitalização ou insolvência. 
O montante era da ordem dos 1.300 milhões de euros. 
A Caixa reclamava cerca de 410 milhões de euros.

Grupo Lena – 225 milhões de créditos e 76,7 milhões de imparidades. 
O grupo construtor com sede em Leiria foi um dos que mais cresceu durante o último ciclo de obras públicas em Portugal, durante os governos de José Sócrates. 
O Grupo Lena esteve nas autoestradas, na renovação do parque escolar, e no projecto da rede de alta velocidade (TGV), onde fez parte do consórcio que ganhou o primeiro contrato, e que entretanto foi cancelado. 
A Lena cresceu também para outros sectores — turismo, energia e comunicação social — e outras geografias, ganhando importantes contratos em mercados emergentes, como a Argélia e a Venezuela. 
A demora e incerteza na concretização destes contratos internacionais, alguns obtidos à boleia das viagens oficiais do ex-primeiro ministro, José Sócrates, e a asfixia do mercado de construção português apanharam o grupo em contramão, em plena aposta expansionista.
A Lena teve que travar a fundo e fazer uma reestruturação do seu endividamento.

Grupo António Mosquito – 178 milhões de euros e 49,2 milhões de euros de créditos perdidos.
O empresário angolano sempre ajudado e representado pelo seu advogado Proença de Carvalho, está associado a dois investimentos em Portugal: a Soares da Costa e a Controlinveste. 
No caso da Caixa, a exposição a António Mosquito poderá resultar do financiamento ao empresário português que era o maior accionista da Soares da Costa, Manuel Fino. 
A Caixa era um das grandes financiadoras de Manuel Fino, tendo inclusive, executado uma parte das acções que o empresário tinha na Cimpor.

Reyal Urbis – 166,6 milhões de euros de empréstimos que lhe foram concedidos, com 133,3 milhões de imparidades.
A imobiliária espanhola já estava identificada em 2013 como uma das principais devedoras da Caixa, altura em que apresentou um processo de insolvência — o segundo maior da história de Espanha.
No ano anterior, o endividamento da empresa tinha chegado ao 3, 6 mil milhões de euros. 
O Santander e a filial Banesto estavam entre os maiores credores da imobiliária que lhe devia 830 milhões de euros, apontava então o jornal espanhol El Mundo que colocava a CGD na lista dos credores minoritários.

Finpro SCR – 123,9 milhões de euros e 24,8 de imparidades totalizadas. 
Esta sociedade teve como accionistas Américo Amorim, o fundo da Segurança Social e o Banif, e realizou vários investimentos internacionais, financiados com dívida, sobretudo na área das infraestruturas. 
A Finpro entrou em processo especial de revitalização em 2014 e notícias apontam a Caixa como detentora de mais de metade da dívida da Finpro. 
Uma das participações da Finpro era no sociedade gestora do Porto de Barcelona que foi vendida no ano passado. 
A sociedade terá entretanto sido considerada insolvente com uma dívida de 268 milhões de euros. 

15 comentários:

  1. O contribuinte é que paga para isto....
    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel Sá,
      Isso parece que será uma inevitabilidade - o povo português, o contribuinte, é que irá, de uma forma ou outra, voltar a pagar estas dívidas monstruosas.

      Eliminar
  2. Incriveis estes grandes maus negocios!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda hoje comentava que é avelha máxima de "se deveres um milhão ao Banco tens um problema sério; se deveres mil milhões ao Banco, o Banco tem um problema sério."
      O pior é que esse problema vai sobrar para todos, Sami.

      Eliminar
  3. Isto é "assustador" para "o meu bolso" !!! :((
    ... E os nomes ,... lá estão quase todos ! :((

    ... e no entanto, continua a haver muitos por aí que "têm pai que é cego" e ainda acreditam no "Menino Jesus" ! :((

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os Metralhas estão (quase) todos ali, Rui.
      Não há coincidências.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Até que enfim se ficou a saber alguma coisa. Mas é importante esmiuçar tudo. Vamos a ver se a CS se comporta como se lhe exige.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Doa a quem doer, seja quem for que esteja envolvido, era bom que se fosse até ao fim.
      Que corja!!

      Eliminar
  5. Uma vergonha e com isso os agora clientes da CGD pagam os desvarios (já para não falar dos ordenados milionários dos vários administradores) em taxas e taxinhas.

    A minha mãe recebe pela Caixa e está isenta dos 5 euros mensais ou trimestrais, mas quer rir um bocado? Em Dezembro cobraram-lhe 18 euros da manutenção da conta. Fui lá saber a razão, sabendo eles que ela está num lar porque tudo passa pela conta dela a explicação foi: não fez compras com o único cartão multibanco que tem no valor de 600€ anuais. Como????? Nem queria acreditar...não conta os exames que tem feito, nem os levantamentos para os pequenos gastos. Alguma papelaria aceita o pagamento de uma revista e ou dois livros de palavras cruzadas. Agradeço a Paulo de Macedo tão brilhante ideia, mas este ano não irá pagar, ai não e não e já sei como dar a volta à situação, porque também faço parte da conta.

    À custa destas empresas e respectivos tubarões quem paga é Zé contribuinte. Que ódioooooooooo!!!!

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é com esses expedientes que vão buscar mais dinheiro ao bolso das pessoas, Fatyly.
      Aqui em Macau os que são clientes do BNU foram forçados a dar os seus dados todos para serem enviados para a Caixa Geral de Depósitos.
      Não sou cliente da CGD, não quero ser, não pago impostos em Portugal, pago pelos serviços que me são fornecidos, porque é que querem os meus dados?
      E para quê?
      Cheira a esturro.
      Beijos

      Eliminar
  6. Não queremos ver o que está à nossa frente.
    Somos uns bobos.

    ResponderEliminar
  7. SE os responsáveis fossem devidamente punidos e quem beneficiou obrigado a devolver tudo a corrupção encolheria drasticamente.

    Infelizmente, o povo português só se zanga a sério nos estádios de futebol !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vi uma reportagem com um senhor, já idoso, que tinha estado emigrado na Alemanha toda uma vida.
      E tinha poupado todos os tostões, ele e a mulher, para poderem ter uma velhice tranquila e auxiliar os filhos.
      Chorava enquanto dizia que, com estas falcatruas, não só não estava a auxiliar os filhos, como estava a viver à custa deles.
      Como é que uma pessoa nestas condições não perde a cabeça e limpa o sebo a meia dúzia destes vigaristas?? :(

      Eliminar
    2. Realmente é uma dor de alma essa situação e semelhantes!!

      Sou contra a pena de morte, mas a favor da pena perpétua... e era o que estes vigaristas mereciam mesmo, mas não e ainda têm o descaramento de se andarem a pavonear !!

      Eliminar