24 de abril de 2018

Técnica do disco riscado



Há discursos que se adivinham, respostas que se conhecem ainda antes de se formularem as perguntas.
Como diria Octávio Machado, “vocês sabem de quem estou a falar”.
E também há relatórios que seguem a mesma técnica do disco riscado cada vez mais utilizada nas mais variadas situações.
O relatório sobre os direitos humanos do Departamento de Estado norte-americano é um dos melhores exemplos desta realidade.
Todos os anos, com o pólen da Primavera, aparecem as alergias dos norte-americanos, muito pouco preocupados com a sua cada vez mais patética situação interna mas sempre muito atentos a realidades externas.
O relatório do Departamento de Estado norte-americano é cada vez mais um copy-paste do ano anterior.
E Macau sabe isso muito bem.
A mesma sensaboria, as mesmas críticas, por certo as mesmas fontes.
E um momento que até podia ser importante para fazer reflectir quem tem responsabilidades na Região Administrativa Especial de Macau, e quem observa a mesma de fora, perde toda a sua credibilidade num emaranhado de críticas repetitivas, enfadonhas, hipócritas.
O presidente norte-americano adora a expressão fake news.
Olhando para o relatório do Departamento de Estado norte-americano, especialmente na parte que se refere a Macau, é essa a sensação que fica – entre algumas verdades, um montão de fake news.

28 comentários:

  1. Chegou-se a um ponto de dessensibilização muito preocupante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos os anos a mesma conversa, Catarina.
      Tantas pedras, algumas sem qualquer sentido, lançadas por quem tem tantos telhados de vidro.

      Solidário com a população canadiana, especialmente com os habitantes de Toronto.

      Eliminar
  2. Há uma coisa que eu não sei ( não contando com os milhares de coisas várias que ignoro ) : NÃO SEI O FUTURO PRÓXIMO ENTRE A RÚSSIA, OS ESTADOS UNIDOS E O MUNDO ÁRABE.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém sabe, João Menéres.
      E essa ignorância assusta.

      Eliminar
  3. Bom dia. Visitando e elogiando a sua publicação, O mundo está a entrar num deserto de ideais.
    .
    * Amor = Fogo que Arde em Chispas Ardentes. *
    .
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estas bicadas a Macau, sempre as mesmas, sempre mal fundamentadas, têm um destinatário óbvio, Gil António - a China, obviamente.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Mas é que é isso mesmo, Francisco.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Para mim, as grandes incógnitas das décadas futuras : o poderio chinês provavelmente a maior potência no futuro, com domínio económico total ( e não só) (?) e a maximização demográfica dos muçulmanos no mundo, demasiado presentes e influentes em todos os continentes, especialmente Europa ! (?)
    Dúvidas sobre a continuação do poderio efectivo dos USA poucas expectativas sobre a influência futura da Rússia.
    Será assim ?...

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Atenção à Ásia, Rui.
      Com a China à cabeça, mas não só a China (Japão, Coreia,...).
      Se ultrapassarem divergências que ainda subsistem, e unirem esforços, serão tremendos.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Onde está a sensibilidade humana?
    Abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No caso destes relatórios norte-americanos além de falta de sensibilidade há a clara intenção de mandar indirectas à China, António.
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. Acabei de ver a conf de imprensa conjunta de Trump e Macron e os elogios do francês meteram-me nojo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Macron é muito esperto, Carlos.
      O que é que o Trump mais gosta?
      Que lhe massagem o ego.
      E Macron consegue amaciá-lo fazendo isso mesmo.
      Agora vamos ficar atentos para ver o que pretende Macron com essa táctica.

      Eliminar
    2. Depois de ouvir o que Macrion disse hoje, admito que o Pedro é muito capaz de ter razão.

      Eliminar
    3. O tipo é esperto, Carlos, muito esperto.
      Muito mais que o idiota beijoqueiro norte-americano.

      Eliminar
  8. Parece-me que a América, e a Rússia ainda vão ser aliados, porque os dois temem o poderio chinês.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dá vontade de dizer que parece que até já são, Elvira Carvalho.
      Putin não ajudou Trump a ser eleito??
      Quer mais aliado que isso??!!
      Abraço

      Eliminar
  9. É verdade amigo Pedro é mesmo a técnica do disco riscado.
    Um abraço.
    Autógrafos Futebol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos os anos, Francisco Emanuel.
      Há uma diferença brutal entre o relatório americano e o da União Europeia.
      Nem preciso de dizer qual o mais isento e melhor elaborado, pois não?
      Aquele abraço

      Eliminar
  10. Apetece-me dizer...mudam-se as moscas e a ***** é a mesma!

    Beijos

    ResponderEliminar
  11. A arrogância de se considerarem os senhores do mundo, mete asco.

    ResponderEliminar
  12. Como diz o outro, vira o disco e toca o mesmo.

    ResponderEliminar
  13. Os EUA são, com as rarissimassssssss excepções, um monte de trampa!!

    VIVA ABRIL !!

    ResponderEliminar