14 de novembro de 2016

A Geringonça


O Rei Artur estava pronto para ir para as Cruzadas.
Antes de partir, vai ver o mago Merlin e pede-lhe para fabricar o melhor cinto de castidade para que nenhum cavaleiro atentasse contra a Virtude de sua linda esposa.
No dia seguinte, Merlin volta com um cinto que, contrariamente a todas as expectativas do Rei Artur, possui um buraco exactamente onde não deveria ter.
- Merlin!!! - berra o Rei - Estás a gozar comigo?
- Observe, Majestade, - diz o Mago, mostrando uma pequena guilhotina com uma lâmina afiada - ela funciona assim que se introduz algo no buraco.
- Excelente! Realmente excelente. Traga-me a Rainha, para que possamos instalar a geringonça!
Três anos depois, Artur volta das Cruzadas.
Ao chegar a Camelot, convoca todos os cavaleiros:
- Vamos lá! Baixem as calças, é o exame médico!
Todos os cavaleiros alinham-se em frente ao Rei e baixam as calças.
Para horror e estupefacção do Rei, todos estão amputados!!!
Todos, excepto o fiel Lancelot. 
O Rei, vendo que seu fiel amigo não o traiu, agarra-o pelos ombros e diz:
- Lancelot, estou orgulhoso de ti! Enquanto nenhum dos outros resistiu à tentação de dormir com a Rainha, conseguiste domar os teus Impulsos. Por isso, concedo-te o que quiseres. Faz a tua escolha.
Lancelot ficou mudo...
- Que foi, Lancelot? Perdeste a língua?

Prenda da Elvira Carvalho

18 comentários:


  1. Mais uma vez a História está mal contada, Pedro, não foram o Dr. Joseph Ignace Guillotin, nem um tal Louis os inventores da guilhotina! Foi o mago Merlin!!!

    com esta importante descoberta, desejo uma boa segunda-feira:)
    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas esta é uma guilhotina em versão mini, Angela :))))

      Eliminar
  2. Há geringonças que são infalíveis! Ehehehe

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há outras que pretendem ser, Janita.
      E mais não digo :))))
      Beijinhos

      Eliminar
  3. A esperteza acabou por lhe sair cara.
    Abraço, amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um preço demasiado alto, Irene Alves :)))
      Um abraço

      Eliminar
  4. Eu deixei aqui um comentário, Pedro!
    Não me diga que ele se extraviou?

    É que eu dizia que ainda havia geringonças que funcionavam bem. Mais ou menos, já não me lembro bem!...:) veja lá se ele ficou por aí encalhado, sff.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tinha ficado encalhado sim senhor, Janita.
      Coisas do Blogger...

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Fosse o que fosse, neste caso cortar seria sempre penoso, Gábi :))))

      Eliminar
  6. Uma metáfora ao actual governo português?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver se vai haver cortes, Teresa.
      E quais.
      para já apostava no Ministro das Finanças.
      Dá a ideia que lhe estão a fazer a caminha com um pinta do caraças!

      Eliminar
  7. Quando comecei a ler, sabia que já conhecia, mas não me lembrava do fim. dei umas boas gargalhadas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afinal o Lancelot não era assim tão fiel, Carlos :))
      Nos tempos de juventude cantávamos muitas vezes entre amigos o célebre "Vai lá com a língua" (versão portuguesa e vernácula de Kalinka) :))))

      Eliminar
  8. Será que o rei Arthur no regresso, sôfrego como certamente vinha, não caiu em tentação (antes mesmo da revista) e sofreu um acidente?
    Sei lá, o mindinho...
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se foi com muita sede ao pote é capaz de ter sofrido as consequências, Agostinho.
      Até dói só de imaginar!! :)))
      Aquele abraço

      Eliminar