23 de novembro de 2016

A confissão do padre


20 comentários:

  1. O padre da aldeia tinha sempre uma governanta!
    : ))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Catarina.
      E a governanta governava tudo e em tudo :)))

      Eliminar
  2. O padre da aldeia, não era de Trancoso?
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há muitos, Elvira Carvalho, há muitos :)))
      Um abraço

      Eliminar
  3. Essa lembrou-me as histórias da minha mãe sobre um padre da aldeia conhecido por "Padre Manuel das assandálias" (assandálias é a versão popular de sandálias, parece que o senhor andava sempre de sandálias, fosse verão ou inverno. Parece também que tinha 3 filhos, que lhe chamavam padrinho, e também parece que foi o melhor padre que se viu por aqueles lados. Segundo dizem na Páscoa, onde se faziam oferendas ao padre dentro de um envelope, ele terminava a volta Pascoal sem envelopes e ainda tirava dos parcos (na altura) rendimentos que tinha. Já não há padres assim.

    Agora é premente que a Igreja enxergue que não há razão para os Padres não se casarem

    Bom resto de semana ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não percebi porque razão não casam, Golimix (supostamente para dedicarem a vida só à Igreja).
      Até porque, com essa proibição, já se perderam muitas vocações e já houve (continua a haver) muitos padres como os desta quadra.
      Só não vê quem não quer ver.
      Bom resto de semana

      Eliminar
  4. Sendo assim o homem é santo, hehe.
    Um abraço e continuação de boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Abençoado, Francisco, abençoado :)))
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. E tem a sua razão, porque nada na Bíblia diz que ter filhos é pecado... :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Crescei e multiplicai-vos, não é, Teté?
      Mas não era essa a ideia para os padres :))))
      Beijocas

      Eliminar
  6. Eh eh eh eh... E se jurou é porque é verdade... eh eh eh eh... Ganda maganão!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem é que duvida do juramento de um padre, Graça?? :))))

      Eliminar
  7. Quando me deparo com esta arte tipicamente portuguesa na sua sabedoria popular, paro para ler as quadras e algumas - como esta - fazem-me rir:)

    O que há mais por este mundo são filhos dos padres e olha que conheci dois, mas para tapear eram filhos de pais incógnitos. Não sei quando foi a mudança da lei, mas agora já não existe esse estatuto.

    Beijocas e vou dormir que já se faz tarde

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era cruel essa designação de filho/a de pai incógnito.
      Uma alteração na lei e nas mentalidades que se saúda, Fatyly.
      Beijocas, sonhos cor-de-rosa

      Eliminar
  8. Ao menos façam os padres filhos, já que os leigos demonstram cada vez mais uma enorme falta de jeito e de produtividade. Por isso a natalidade está como se sabe. São os meus votos. Cumprimentos para si

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se leu um post que aqui publiquei recentemente que relatava o povoamento de uma região interior de Portugal, depois deportado para ir ajudar a povoar o Brasil.
      Tudo na pessoa de um padre devasso.
      De lá para cá pelos vistos pouco mudou, álvaro silva.
      Cumprimentos para si também

      Eliminar
  9. Fazer filhos não é pecado. Bons tempos em que o padre tinha uma governanta. Nos tempos que correm, a vida sexual dos padres é muito mais complexa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na mouche, teresa.
      O espectáculo revoltante que a Igreja tem dado nos últimos anos é bem pior que um padre assanhado.

      Eliminar
  10. :) bem, ele pode ter tido os filhos antes de ter ido para Padre...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque é que ninguém se lembrou dessa possibilidade, Gábi?? :)))

      Eliminar