12 de outubro de 2016

O segundo debate presidencial nos Estados Unidos e o sufrágio directo e universal em Macau


Não deixa de ser curioso que, quase em simultâneo, o Departamento de Estado norte-americano questione Macau (mais uma vez!) acerca do caminho e do calendário tendentes à implementação de um sistema de sufrágio directo e universal na RAEM, e se realize, com uma audiência extraordinária e uma baixeza incrível, o segundo debate presidencial nos Estados Unidos.
Curioso porque este debate terá oferecido um forte argumento a favor de todos aqueles que se opõem à implementação de um sistema de sufrágio directo e universal em Macau.
Um debate em que se discutiu essencialmente quem é mais bandalho, se Bill Clinton, que nem é candidato presidencial, se Donald Trump, que o é.
Um debate que teve muito pouco de troca de ideias, de diferença de políticas, que teve excesso de ataques pessoais e de argumentação reles, badalhoca, de pecadilhos de alcova de um candidato e do marido da outra candidata.
Bem pode pregar o Departamento de Estado norte-americano, bem pode distribuir puxões de orelhas ad nauseam, que com comportamentos destes, vindos daqueles que são candidatos a ocupar o que será provavelmente o cargo mais poderoso e influente à  face da Terra, serão cada vez menos escutados, cada vez menos tomados a sério, cada vez menos exemplo do que pregam, antes cada vez mais um bom argumento em sentido contrário ao que apregoam.

25 comentários:

  1. Pedro, nesta campanha têm prevalecido os ataques pessoais em detrimento do que realmente interessa. Só que o que interessa não dá votos. Uma boa parte do povo norte americano, tal como outros povos, adora a intriga pessoal e, pior que isso, compra-a.

    Os EUA atrevem-se a criticar sistemas se outros países que eles peóprios praticam. É o problema das grandes potências.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com esta baixaria estão a dar argumentos a quem recusa o sufrágio directo e universal que tanto apregoam, António.
      Aquele tête-à-tête foi do mais reles possível.
      Antes, durante e depois.
      Aquele abraço

      Eliminar
  2. A grande máquina de lavar roupa suja a que infelizmente o mundo está a assistir.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma imundice, Francisco.
      De dar vómitos :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. George Washington,John Adams,Thomas Jefferson,John Quincy Adams, Abraham Lincoln,Theodore Roosevelt,Franklin D. Roosevelt,Harry S. Truman,Dwight D. Eisenhower, John F. Kennedy que têm como denominador comum, Pedro?

    Foram todos grandes Presidentes dos Estados Unidos da América, provavelmente, dos maiores Estadistas que a Terra já conheceu, acredito que onde estiverem estarão envergonhados por ver até que ponto desceu a corrida à Casa Branca.

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corre na Internet um cartaz empunhado pelo Harrison Ford em que se pode ler "Vote for nobody".
      Realmente, depois desta campanha, e deste debate em particular, é a vontade que dá, Ricardo :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Há quem diga que neste segundo debate, o Trump esteve melhor e que ganhou mais adeptos.. espero sinceramente que tal não corresponda à realidade...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estiveram os dois mal, Chic'Ana.
      Mas, mesmo assim, Hillary ainda foi quem esteve menos mal.
      Trump está a ficar de cabeça perdida.
      Sobretudo depois da divulgação daquela conversa e da consequente deserção de figuras carismáticas do Partido Republicano.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Assim vai o mundo, ora regredindo,
    ora progredindo a passo de caracol...

    Beijinho.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que baixaria que foi este debate, Majo :(
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    O que nos espera?
    Caloroso abraço. Saudações inquietas.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A julgar por este debate não nos espera nada de bom, Amigo João Paulo de Oliveira :(
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. Caro Pedro:
    Por aqui se vê que quer seja o Trampas ou a Hilária os Estados Unidos preparam-se para ser governados por uma destas pessoas cujo lugar mais apropriado era um alcouce. Cumprimentos para si

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente, depois do que se tem visto, e que este debate só acentuou, Obama é uma saudade ainda antes de abandonar a Casa Branca, álvaro silva.
      Cumprimentos para si também

      Eliminar
  8. No segundo duelo entre Hillary Clinton e Donald Trump, o conteúdo foi ainda menos importante do que no primeiro. Hillary mostra mostra Donald como um machista misógino, enquanto que ele fala das agressões sexuais do marido dela. Uma guerra psicológica com muito ódio e sem conteúdo. UMA VERGONHA!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma vergonha mesmo, Teresa.
      Ataques pessoais, inclusivamente a quem não é candidato, é muito reles, muito baixo.

      Eliminar
  9. Não vi este segundo debate mas, pelos excertos deu para perceber que foi mesmo um nojo. Infelizmente não tenho dúvidas de que dentro de poucos anos teremos debates do género na Europa. A democracia está doente. Em todo o mundo, como ainda recentemente se constatou na Colômbia, na Hungria e mesmo na Alemanha. Os políticos dão maus exemplos, mas o povo não se comporta melhor abstendo-se.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Carlos.
      Mas será que o povo não se abstém porque não quer ser comparsa destas farsas, destes espectáculos deprimentes?
      Pois, pescadinha de rabo na boca...

      Eliminar
  10. Creio que neste momento é o único caminha que lhe resta para cativar alguns pela revolta de outros !
    ... Só que a estas "tácticas" saem normalmente os tiros pela culatra.
    Creio que será de "passo a passo até à derrota e descrédito final" !

    Abraço, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. The Donald está desorientado, a ver o chão fugir debaixo dos pés, a ver os mais icónicos Republicanos distanciarem-se dele, a ver Hillary fugir nas sondagens.
      E acha que vale tudo.
      O maior problema foi Hillary ter aceite este combate na lama, Rui.
      Respondia-lhe que era ela a candidata, não era o marido, e não voltava a falar do assunto.
      Aquele abraço

      Eliminar
  11. Só quem não quis, não previu uma vergonha destas por parte de Trump. Uma vergonha a nível nacional e internacional. Uma grande vergonha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas Hillary aceitou o jogo, rebolou com ele na lama, Catarina.
      E aí é que errou.
      E surpreendeu.
      Pela negativa.

      Eliminar
  12. Pedro é muito preocupante que pessoas com tamanha responsabilidade levem ao descrédito da democracia, e o pior é que não há plano B humanamente aceitável quando a democracia desaparece :(
    será que fazem de propósito?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Angela, são mesmo só muito fracos :(

      Eliminar
    2. Check this site www.geopolitics.co

      Eliminar