24 de fevereiro de 2016

Procura de unidade à Esquerda na Península Ibérica



A Península Ibérica está a viver um momento histórico no que se refere à criação de uma frente comum dos partidos de Esquerda em Portugal e Espanha.
Já não está agora em causa se as soluções encontradas são do agrado de todos, se são as mais correctas e legítimas.
Mais que juízos de valor (caberá a cada um fazer o seu), a realidade é que assistimos actualmente a uma procura de união nas várias tendências que compõem a Esquerda em Portugal e Espanha, impensável até muito recentemente.
Com uma grande diferença - o consenso encontrado em Portugal, ainda que pelo menor denominador comum, que permitiu a apresentação de uma solução governativa e a aprovação do Orçamento com votos favoráveis de PS, PCP, Bloco e Verdes, ainda que com muitos recados à mistura, não encontra paralelo em Espanha. 
Se em ambos os países os partidos vencedores das eleições não conseguiram formar Governo, em Portugal assistiu-se imediatamente a seguir à contagem de votos a uma congregação de vontades que, ainda que com alguns sobressaltos, vai funcionando. 
Em Espanha, pelo contrário, PSOE, Podemos, Izquierda Unida e Compromís, só concordaram em discordar. 
E em marcar nova reunião para tentar encontrar o tal menor denominador comum que estará na base da solução governativa portuguesa. 
Com o PSOE a tentar viabilizar uma solução governativa à esquerda, ao mesmo tempo que negoceia um acordo de investidura parlamentar com o Ciudadanos, a situação política em Espanha parece ainda longe da necessária clarificação.

28 comentários:

  1. Esperemos que mais países virem esta politica europeia de austeridade cega.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já aqui afirmei mais que uma vez que não concordei com esta solução governativa, Francisco.
      Mas isso já lá vai.
      Há um Governo e eu espero que governe bem, que melhore as condições das pessoas.
      Ao mesmo tempo estou curioso como vai ser o exemplo seguido em Espanha.
      Aquele abraço, continuação de boa semana

      Eliminar
  2. Como se diz ... ah, é assim: de Espanha nem bons ventos nem bons casamentos.
    E para rimar, acrescento: nem entendimentos.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está a ser um parto complicado, António
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. Há uma diferença fundamental entre Portugal e Espanha, Pedro. Em Portugal, há uma aliança de esquerdas. Em Espanha é impossível, porque o PODEMOS vive na pré-história e faz exigências descabeladas. A única coligação possível é entre o PSOE e o Ciudadanos ( centro-direita). Ou sedja, um Centrão onde o Ciudadanos substitui o PP mergulhado em escândalos de corrupção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em Portugal há uma aliança de esquerdas e está a funcionar.
      Com pedras no caminho, com algumas bicadas, mas a funcionar.
      Em Espanha parece que não vai ser assim tão linear.
      Nunca escondi que não concordava com a solução encontrada em Portugal.
      Mas está aí, é um facto, esperemos que resulte para bem de todos.

      Eliminar
  4. Este nado morto que parece ser o novo Governo espanhol, fruto de mais um "golpe de Estado constitucional" parece-me não ter qualquer viabilidade no actual panorama europeu mas, enfim, há que tentar até o Rei Felipe VI decidir convocar novas eleições.

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A aliança à esquerda parece que não está a entrar em Espanha, Ricardo.
      Como bem comenta o Carlos, graças às exigências parvas do Podemos.
      Vamos ver o que nos reservam os próximos dias.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  5. Sempre disse que a mistura de várias ideologias é benéfico.
    Vai daí sempre votei na oposição. Um partido maioritário torna-se prepotente, sem auscultar os outros
    Kis:=)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As experiência que temos com maiorias não são nada boas, AvoGi.
      Maiorias de um só partido têm sido muito dadas a abusos.
      Bjs

      Eliminar
  6. Pedro, em Portugal está a funcionar, mas ainda é cedo... a procissão ainda vai no adro.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está a funcionar, Miss Smile.
      No futuro......veremos.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. A ESquerda a funcionar...com de costume!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em Portugal até está a funcionar bem, São.
      Em Espanha é que ninguém se entende.

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Às vezes é melhor, Diana Fonseca.
      Não perceber ou não dar atenção.

      Eliminar
  9. ~~~
    Está complicado para ''nuestros hermanos''
    levar o barco a porto seguro, porém, tenho
    a certeza que vão conseguir.

    Quanto a nós, é muito louvável e aplaudível
    o enorme esforço de concertação entre as 3
    partes envolvidas no governo.

    ~~~ Beijinhos, Pedro. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho assim tantas certezas que haja entendimentos em Espanha, Majo.
      Em Portugal, goste-se ou não, está a funcionar.
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Parece que por lá as posições estão mais extremadas.
    E assim fica difícil o entendimento.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém se entende, Elvira Carvalho!
      Um abraço

      Eliminar
  11. O esforço é notório, Pedro, mas o entendimento está bastante complicado. São demasiadas sensibilidades e interesses em jogo.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A posição extremada do Podemos é que está a criar problemas, Carpe Diem
      Aquele abraço

      Eliminar
  12. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    De 1998 a 2003 fui filiado ao Partido Comunista do Brasil, que é aliado do Partido dos Trabalhadores.
    Na contemporaneidade estou sem chão, porque cada vez mais lembro do final do inquietante livro "A Revolução dos Bichos", que no reino distante além-mar tem o título "O Triunfo dos Porcos".
    Peço-te escusas por trazer à baila uma angustiante questão do lado e cá do grande oceano e hemisfério que nos separam.
    Aproveito o ensejo para deixar-te ciente que não sou mais filiado a nenhum partido.
    Caloroso abraço. Saudações desiludidas.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto (gostamos) sempre de saber novidades do Brasil, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Assim é que tem piada para não estarmos sempre a falar dos mesmos assuntos e das mesmas pessoas.
      Grande abraço

      Eliminar
  13. Em Portugal, o problema que se põe não é o do curto prazo (os primeiros 6 meses) ! Sabíamos que para a aprovação deste orçamento havia um compromisso de esquerda !
    O problema vai por-se daqui a algum tempo quando o PCP e o BE tirarem o tapete ao PS ou o obrigarem a seguir as suas políticas !
    Em Espanha as coisas parecem estar muito mais complicadas ! (?)

    Abraço !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu nunca escondi que não gostava desta fórmula nem acreditava no sucesso da mesma, Rui.
      Mas lá que está a funcionar, lá isso está.
      E passou o primeiro grande embate que era a aprovação do Orçamento.
      Aquele abraço

      Eliminar
  14. Um partido (Phodemos) que exige um referendo que pode levar à fragmentação do próprio País não deveria nem existir, deveria ser ilegalizado porque aquilo que defende é uma traição!
    O Rei sempre poderá marcar novas eleições, o que infelizmente por aqui não foi possível. E não me parece que o nosso "governo" está a governar para o bem de todos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é um partido de governo, Vladomiro.
      Seria uma grande surpresa para mim que se viesse a revelar como tal.

      Eu não afirmei que o governo português está a governar para o bem de todos.
      Apenas manifestei o desejo que assim seja.
      E estou à vontade para o afirmar porque nunca fui adepto desta solução, nem nunca acreditei na mesma.

      Eliminar