13 de junho de 2011

Vinte diferenças programáticas, coisas pequenas


No seu espaço de comentário na TVI, a propósito das negociações que PSD e CDS vão mantendo tendo em vista a formação do novo governo, Marcelo Rebelo de Sousa, normalmente bem informado, disse que as equipas negociais teriam detectado vinte diferenças programáticas entre os dois partidos.
Vinte diferenças programáticas?
Parece muito...
O Professor apressou-se a explicar que se tratava de coisas pequenas, assuntos menores.
Sendo assim....
Mas também algumas importantes - privatização da RTP, privatização da Caixa Geral de Depósitos, presidência da Assembleia da República (aquela parvoíce do convite a Fernando Nobre).
Não tenho a mínima pretensão de contestar a sapiência de Marcelo Rebelo de Sousa, de beliscar a sua experiência e o seu talento político.
Mas, questões como as que refere, parecem-me questões centrais, essenciais no programa de combate ao défice e no cumprimento das obrigações assumidas com os financiadores externos.
A questão da presidência da Assembleia da República, mais cedência, menos cedência, será ultrapassada.
Obviamente, com outro nome que não Fernando Nobre.
No entanto, no meio deste barulho, com Alberto João Jardim a declarar, no mesmo dia, que preferia um Bloco Central a uma aliança com o CDS, fica um pouco a ideia de uma certa crispação (o que Portas dizia não querer) quando ainda só se está a negociar, a conversar.
Divergências para resolver antes da posse do governo?
Espero que assim seja.
Estou a sentir que há demasiada pressa para que o novo governo tome posse.
No matter what...
Portugal tem que estar representado no Conselho Europeu pelo novo governo, diz-se.
Pergunto eu - e se não estiver?
Não será preferível dirimir convenientemente todas as divergências existentes antes de dar posse, à pressa, a um novo governo?
Lembram-se de qual é o maior inimigo da perfeição?

9 comentários:

  1. A política continua um jogo não de divergências mas de interesses e parece-me que aqui se joga com aquilo que lhe dá mais poder.
    Que Deus nos acuda e que Santo António lhes meta na cabeça juízo, bom senso e respeito pelos portugueses todos.

    ResponderEliminar
  2. Luís,
    O que me está a assustar é esta pressa toda.
    Ainda para mais quando existem, e são públicas, divergências importantes.
    Não são só coisas pequenas.
    Numa altura em que não se pode errar, não seria preferível negociar com calma e com ponderação?
    Acertar todos os pormenores e, depois sim, arrancar a todo o vapor?
    Vamos ver se o barco não começa a meter água logo no início da viagem....
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Pedro,

    não há pachorra para Marcelo...

    disse 20 podia ter dito 10, enfim haja pachorra!

    ResponderEliminar
  4. Ricardo,
    Ele é um "fazedor de notícias".
    Mas costuma estar bem informado.
    Cheira a esturro para aqueles lados....

    ResponderEliminar
  5. Minudências caro Pedro...
    Abraço

    Rodrigo (folha seca)

    ResponderEliminar
  6. Marcelo está a tornar-se um "porta-voz" de tudo o que parece - até pode ser - importante.

    Marcelo coloca-se - atenção a quem não tem memória curta - num espaço de contradição.

    Como disse o Ricardo, ele disse 20 mas o número poderia ter sido outro.

    Quanto ao futuro Presidente da Assembleia da República, ponto assente (pareço o Marcelo a falar): será Mota Amaral.

    Francamente, Marcelo deveria evitar certos planos fotográficos. Está armado em sabe tudo. o papel de um comentador televisivo carece de alguma contenção.

    Foi por este tipo de coisas que Marcelo saíu da TVI há uns anos, lembra-se?

    ResponderEliminar
  7. Pedro
    Costumo ouvir o Sr. Marcelo e por vezes fico com a sensação que ele adivinha as coisas, ele fala e logo de seguida acontecem.
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Rodrigo,
    Quando o ouvi falar em coisas pequenas, pensei que fossem mesmo coisas pequenas.
    Aquelas privatizações são coisas muito grandes.
    Abraço

    Observador,
    O Marcelo sempre foi conhecido por criar notícias.
    Lembra-se da vichisoise do Paulo Portas quando ele ainda era director do Independente, da barraca que isso deu?
    Acho que ainda estão de relações cortadas por causa desse episódio.
    Mota Amaral presidente da AR?
    Regresso ao passado?
    Não haverá ninguém mais interessante no PSD(o PSD não vai abdicar do lugar a afavor do CDS)?
    Fernando Nobre é que não, obviamente.
    PPC meteu aí uma argolada que só não lhe saiu muito cara porque as pessoas estavam mais preocupadas com outras coisas e deixaram passar em claro a borrada.

    Adélia,
    Não adivinha.
    Ele "sopra" muitas notícias para os jornais porque tem informadores priveligiados.
    E presta-se a esse papel de mensageiro.
    Lembra-se do anúncio público do dia, hora e local em que seria dada a conhecer a candidatura de Cavaco Silva?
    Abraço

    Rosi
    Bem vinda a este cantinho.

    ResponderEliminar