23 de fevereiro de 2011

Muammar Kadhafi ameaça com um massacre e a ONU ralha com ele


Este facínora, que dirige a Líbia há mais de 40 anos, que é um terrorista, um assassino, um cleptómano louco, agora, que percebe que o fim está muito próximo, ameaça os seus compatriotas com um massacre.
Percebendo que o fim do seu regime é inevitável, e que, com o fim do regime autocrático que implementou no país, a sua vida corre sérios riscos, Muammar Kadhafi adopta a estratégia típica da fuga para frente - "Vou para a cova. Mas vou levar comigo o máximo de pessoas que puder".
A atitude típica de um estadista....
E pensar que ainda há pessoas que, perante este cenário, se preocupam com a possibilidade de alastramento do fundamentalismo islâmico à Líbia!
O Ministro dos Negócios Estrangeiros português, por exemplo.
Perante a ameaça do louco, que todos sabemos que é real e perfeitamente passível de ser concretizada (este é o mesmo tipo que mandou assassinar civis inocentes dentro de um avião e que os ingénuos achavam que se tinha regenerado, lembram-se?), como reage a ONU?
Dá um ralhete ao menino traquinas (ler aqui).
Um pouco à imagem do pai que, confrontado com o filho tresloucado a apontar-lhe uma caçadeira de canos serrados, lhe diz:
"O menino porte-se bem.
Se não se porta bem, eu sou bem capaz de o castigar.
E olhe que fica sem ver televisão e sem usar o computador logo à noite!"

8 comentários:

  1. Esse homem é louco e vai fazer loucuras se “ninguém” o impedir...

    ResponderEliminar
  2. Ele está deseperado, Catarina.
    Um louco desesperado é imprevisível.
    E demasiado perigoso.

    ResponderEliminar
  3. O discurso ocorre num momento em que o ditador perde apoio entre os diplomatas e a pressão internacional aumenta sobre ele. Diversos embaixadores líbios no estrangeiro deixaram de apoiá-lo.
    O fim deste monstro está próximo!!!

    ResponderEliminar
  4. Pedro
    É incrivel como se pode deixar mentecaptos deste tipo estarem armados até aos dentes e só quando as coisas aquecem as instâncias internacionais, com uma lentidão de lesma, "acordam"... normalmente tarde.
    Quem lhe forneceu todo aquele arsenal bélico?
    Mundo complicado.
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Eu lembro, Pedro, que a Europa e os Estados Unidos lhe outorgaram o lugar de presidente da Comissão dos Direitos Humanos da ONU...
    A ONU está manietada. Quem devia agir era a UE e também os EUA obrigando, sem tibiezas, esse louco a entrar na ordem. Só que, ao contrário do que aconteceu com o Iraque, falta coragem. A Europa tem medo da entrada descontrolada de imigrantes, os EUA e Inglaterra venderam-lhe aramas.
    E já agora, tenho medo, sim, que o fundamentalismo islâmico chegue à Líbia. Seria o caos para uma Europa debilitada. O retrocesso em termos de liberdades e garantias no espaço europeu traria consequências gravíssimas.

    ResponderEliminar
  6. ematejoca,
    Tem toda a razão - Por sentir o fim próximo é que o facínora deixou cair a máscara.

    Rodrigo,
    Quem lhe forneceu o arsenal bélico foram aqueles que agora o criticam.
    Mas que também acreditaram na regenaração dele.

    Carlos,
    Lembrar esse episódio é sempre oportuno.
    Até parece mentira.
    Estou totalmente de acordo com a sua análise.
    E partilho dos seus receios.

    ResponderEliminar
  7. Agora, o Carlos tem medo, que o fundamentalismo islâmico chegue à Líbia.
    Respondo com as palavras do Carlos, quando do meu medo, que uma ditadura islâmica chegase ao Egipto.

    "Pois são esses receios que têm levado o ocidente a apoiar as ditaduras dos países árabes."

    ResponderEliminar
  8. ematejoca,
    Eu também tenho esse receio.
    Mas não é esse receio que me faz recuar na ideia de afastar este ditador.
    Como já aqui deixei escrito há algum tempo, não há ditaduras boas.
    Nem ditadores bons.

    ResponderEliminar