28 de fevereiro de 2011

Benfica também sabe sofrer. Sporting só sabe sofrer.


O Benfica provou ontem que tem alma, que sabe sofrer.
As águias tinham o campeonato perdido mas, num assomo de vontade, de coragem, de querer, conseguiram virar um resultado desfavorável e vencer o Marítimo (2-1) mesmo no último suspiro.
O Benfica dominou o jogo todo, falhou golos em catadupa, e, quando nada o fazia prever, o Marítimo marcou.
Djalma, em trânsito para o Porto, dava vantagem ao Marítimo sem que os madeirenses nada tivessem feito para o merecerem.
O Estádio da Luz tremeu mas, ao contrário do que acontecia antes de Jorge Jesus, continuou a apoiar a equipa.
Que respondeu com muita alma.
E virou o resultado.
Golos de Salvio e Fábio Coentrão, este mesmo no final do jogo.
O Benfica mantém acesa a chama do título, mostrou que é capaz de sofrer, que tem coração e crença.
Já são 17 vitórias consecutivas (sempre a ganhar no ano de 2011) e uma equipa e o público unidos.
De negativo, mais uma zaragata com Jorge Jesus como protagonista.
E já são muitas.
Já o tinha escrito e repito-o - Jorge Jesus tem que aprender a despir a camisola de adepto.
Já são demasiadas confusões com o treinador do Benfica como protagonista.
É tempo de acabarem.


O calvário do Sporting é que parece não ter fim.
Se a ideia de despedir Paulo Sérgio nesta altura era dar um abanão na equipa, falhou rotundamente.
O Sporting perdeu mais um jogo (1-0) e acumulou mais uma série de erros.
No nevoeiro da Choupana, os leões nunca se encontraram.
Nem mesmo a jogar contra dez elementos.
E com um penálti a favor.
Sete jogos sem ganhar, o Paços de Ferreira e o Guimarães a um ponto, uma desorientação total.
E agora vem o Benfica para a Taça da Liga.
Quando é que termina o pesadelo?

Nos outros jogos, destaques para o Rio Ave e o Portimonense.
Os de Vila do Conde estão a fazer um campeonato tranquilo e o veterano João Tomás já é segundo na lista dos melhores marcadores.
O Portimonense, que está condenado a descer de divisão, ganhou pela primeira vez sob o comando de Carlos Azenha.

Sem comentários:

Enviar um comentário