14 de março de 2019

A diplomacia tem razões que a razão desconhece


Chama-se Siti Aisyah é cidadã indonésia e é uma das autoras materiais do assassinato de Kim Jong-nam.
Não há uma forma mais suave de colocar o tema, as imagens parecem não deixar margem para dúvidas.
Siti Aisyah, em conjunto com outra mulher, esta de nacionalidade vietnamita, dirigem-se a Kim Jon-nam e esfregam-lhe o rosto com um pano que depois se verificou estar contaminado com o poderoso agente químico VX.
Kim Jong-nam sente-se indisposto, é socorrido, chega ao hospital já cadáver.
Tudo aconteceu no aeroporto de Kuala Lumpur há pouco mais de dois anos.
Siti Aisyah e Doan Thi Huong, a cidadã vietnamita, são presas e acusadas do homicídio do meio irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un.
Dois anos depois, e com os julgamentos de ambas já marcados, depois de intensas movimentações diplomáticas, o Ministério Público malaio abandona a acusação de homicídio e liberta Sity Aisyah que, de acordo com as noticias mais recentes, já estará na Indonésia.
O que se passou nos bastidores?
Kim Jong-nam está morto, não morreu de causas naturais, foi assassinado.
Não foram estas duas suspeitas as assassinas, as autoras materiais do crime?
Ou foram e a diplomacia, a vontade de agradar ao líder norte-coreano e pôr termo à sua corrida armamentista, se está a sobrepor à Justiça e à clássica separação de poderes?
Tudo muito estranho, muito mal explicado e a deixar pairar a ideia que a diplomacia tem razões que a razão desconhece.

46 comentários:

  1. Respostas
    1. Kim Jong-nam está morto, Catarina.
      Facto.
      Não morreu de causas naturais.
      Facto.
      Morreu envenenado.
      Facto.
      Não se suicidou.
      Facto.
      Alguém o matou.
      Facto.
      Quem??

      Eliminar
    2. Os criminosos foram detetados logo.
      Quem tem a protecao dos poderosos "safa-se".

      Eliminar
    3. As autoras materiais, Catarina.
      A mando de quem??

      Eliminar
  2. Tudo muito estranho...
    Sera que Kim Jong-un queria o irmao morto?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os filhos de Kim Jong-nam eram colegas de escola de uma das minhas filhas aqui em Macau, Sami.
      Andaram constantemente sob protecção.
      Até terem que desaparecer.
      Os colegas sabem (sabiam...) onde eles estão (estavam...) mas nunca disseram a ninguém.

      Eliminar
  3. Estranhíssimo!!!
    E mais não «posso» dizer...
    Beijo, boa quinta-feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só falta dizerem-nos que afinal ele não morreu, teresa...
      Beijo

      Eliminar
  4. Estranho mesmo. Lembro-me de ter visto em tempo um vídeo sobre a fuga dos filhos e o filho parecia apavorado com a hipótese do tio os descobrir.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eram os colegas da minha filha, Elvira Carvalho.
      Os garotos chamavam-lhes príncipes.
      Abraço

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Boa pergunta, João Menéres.
      Isso foi o que foi noticiado.
      Se é verdade ou não já é outra conversa.

      Eliminar
  6. É realmente muito estranho este caso amigo Pedro.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  7. Dava um filme policial!
    Muito estranho!

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Maus uma bela reportagem :))

    Hoje:- Brincando com as Palavras.

    Bjos
    Votos de uma óptima Quinta - Feira.

    ResponderEliminar
  9. Há realmente coisas estranhas no mundo em que a verdade se enterra para sempre!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se percebe muito bem o que para ali anda ao barulho, António Querido

      Eliminar
  10. Eu concordo com o comentário da Rosa Dos Ventos, essa história realmente daria um filme. Tem muitos mistérios e muitas coisas para serem desvendadas ainda...

    It's Lizzie

    ResponderEliminar
  11. Não conhecia este caso absolutamente impressionante e enigmático, pelo menos para quem estiver bastante por fora dessas relações de Estado e familiares, para além do Kim Jong-un.
    Será que tinha interesses na morte do meio irmão ?... Só assim se justificaria,...mas nesse caso falta ainda condecorar as duas senhoras ! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Kim Jong-nam estava em perigo pelo menos desde a morte do pai.
      E sabia.
      Mas, bon vivant como era, não ligava.
      Ia apanhar o avião para Macau quando foi assassinado.

      Eliminar
  12. Inclino-me mais para a primeira hipótese.
    O Pedro acha que se se tivesse apurado terem sido mesmo as duas jovens as autoras do crime, Kim Jong-un deixava isso barato?
    Não sei, na verdade há certas manobras de bastidor que ficam no segredo dos deuses...até um dia!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também julgo que será até um dia, Janita.
      Já não há segredos.
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Mas as ditaduras não são como as Monarquias? Matam-se os familiares todos para manter ou roubar o poleiro?

      Eliminar
  13. São só filmes! Enfim...complicado!

    Beijos-Boa noite!

    ResponderEliminar
  14. Não serão as duas o bode expiatório desta história?

    ResponderEliminar
  15. Mundo estranho, este.
    Como diz a Magui, não serão elas o bode expiatório?

    ResponderEliminar
  16. No caso de haveres dúvidas. O beneficiado será o réu?

    Continuação de boa semana caro amigo Pedro Coimbra. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não conheço o sistema legal malaio, Amigo Eduardo
      Aquele abraço

      Eliminar
  17. i think there is some kind of compromise made by both parties behind the scene
    as it is obvious that personal benefits replaced the blood somehow

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. The guy is dead, baili.
      And someone killed him.
      That's for sure.

      Eliminar
  18. Este é um caso mediático que, a ser verdadeiro, não se percebe o papel da Justiça. Havia interesse mediatico-político em fazer crer que o tirano foi o assassino. A Senhora de olhos vendados, por outro lado, presta-se a muitas encenações.
    Abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
  19. Em todos países há danças de bastidores que desconheço daí ficar incrédula perante certas decisões. Como advogados defenderem o que sabem ser indefensável e de recurso em recurso etc e tal...a vitima e seus familiares aguardam por uma justiça que tarda em chegar.

    Quanto a política se me na justiça que deveria ser isenta...dá no que referes. Um horror!

    Beijocas e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas um advogado tem que fazer isso, Fatyly.
      Por isso é que há muito boa gente que não tem estômago para a profissão.
      Eu, por exemplo...
      Beijocas, bfds

      Eliminar
  20. Oi Pedro! Meu caro, aqui no Brasil temos vários casos iguais a esse… basta ser pobre e será um esquecido, caso venha a ser morto.No caso citado, a pessoa era uma celebridade e ai fica mesmo uma interrogação no ar....Grande abraço.

    ResponderEliminar