Bispos da China participam em sínodo no Vaticano


O cardeal Lorenzo Baldisseri, secretário-geral do sínodo dos bispos, confirmou o que já se esperava - estão a caminho do Vaticano dois bispos da China para participar no sínodo que irá discutir o papel dos jovens na Igreja. 
É a História a acontecer perante os nossos olhos.
A China e o Vaticano, de costas voltadas desde 1951, quando o Papa Pio XII excomungou dois bispos nomeados pelas autoridades governamentais chinesas, passo a passo caminham no sentido da normalização de relações entre os dois Estados.
Os bispos católicos chineses têm, desde o rompimento de relações diplomáticas entre os dois Estados, sido impedidos de participar na celebração da sua fé, quer por não serem convidados pelo Vaticano, quer por não serem autorizados a sair da China sempre que o convite acontecia.
O pequeno passo, que dará início a uma grande caminhada, poderá ter sido dado com este convite do Vaticano e  subsequente autorização por parte das autoridades chinesas.
Aparentemente há boa vontade dos dois lados, há uma firme intenção de retomar um diálogo há muito interrompido.
Mas há um longo caminho a percorrer.
Um caminho com muitos obstáculos, com muita oposição, sobretudo vinda de dentro do Vaticano e dos sectores mais ortodoxos da Igreja Católica.
Francisco, alheio a essa ortodoxia, vai dando passos tão corajosos quanto controversos no sentido de fazer a Igreja Católica evoluir na sua doutrina e na sua prática.
Esta aproximação a Pequim, que levou alguns bispos a falar em traição à fé católica e ao Vaticano (o bispo de Hong Kong é conhecido pela sua oposição ao papado de Francisco e pelas suas declarações bombásticas) faz-me recordar Obama e a normalização das relações diplomáticas com Cuba - "quando se tenta uma fórmula durante mais de cinquenta anos, e os resultados não são os esperados, é tempo de tentar nova fórmula". 

Comentários

  1. Com pequenos e pacientes passos também se percorrem longos e tortuosos caminhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa é a filosofia chinesa, fruto do pensamento budista, João Menéres.
      E é isso que, conta ventos e marés, Francisco está a fazer.

      Eliminar
  2. Uma longa caminhada começa sempre por um primeiro passo.
    Gostei de ler.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi o que nos ensinou Lao-Tsé, Elvira Carvalho.
      E mantém-se inteiramente verdade em múltiplas situações.
      Abraço

      Eliminar
  3. A Igreja que deveria ser o expoente máximo da aproximação dos povos é muitas vezes motivo de afastamentos. Ainda bem que desta vez se unem os esforços.

    ResponderEliminar
  4. E muito bem. Adorei :))

    Hoje » Poesia sem sonhos

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira.

    ResponderEliminar
  5. Os grandes obstáculos para a abertura da igreja vem mesmo do seu interior.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada vez mais, Francisco.
      O que é uma contradição.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Bom dia! Concordo com o que escreveu, Pedro Dinis!

    As cortinas fecham-se...as vozes calam-se.
    Beijos e um excelente dia!

    ResponderEliminar
  7. Ora aí está!

    https://observador.pt/2018/09/26/papa-diz-que-acordo-feito-com-a-china-tem-precedentes-e-aponta-portugal/

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A História, para quem a conhece, pode ser uma chatice, Célia.
      Abraço

      Eliminar
  8. Concordo o Francisco está dando passos bem corajosos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver se, depois do papado de Francisco, não é tudo revertido, Lizzie ...

      Eliminar
  9. Acho que esta aproximação tem tudo a ver com a postura do Papa Francisco, uma mente aberta e flexível.
    Espero que tudo acabe em bem.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem o Papa Francisco esta aproximação era impossível, manu.
      Não tenho quaisquer dúvidas acerca disso.
      Beijos

      Eliminar
  10. Sou ateía, mas sou pela paz, pela tolerância, respeito entre povos e suas diferenças, portanto só posso desejar sucesso para esta caminhada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais que uma questão religiosa, é uma questão de paz, Magui.
      Sobretudo para os católicos que há tantos anos são perseguidos na China.

      Eliminar
  11. O caminho que o Papa Francisco está a trilhar está a deixar muitos senhores do vaticano com os cabelos em pé...grande coragem deste homem
    Abraço

    Kique

    Hoje em Caminhos Percorridos - Todos os homens querem sexo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Do Vaticano e dos sectores mais conservadores da Igreja Católica, Kique.
      Aquele abraço

      Eliminar
  12. olha...
    Nesta e noutras áreas que se vá tendo a coragem de ensaiar novas formas.
    ...mesmo que possam não resultar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que dizia Obama, Boop.
      Se se experimentou uma fórmula durante tanto tempo e não resultou, porque não experimentar outra?

      Eliminar
  13. Foi muito agradável saber...
    O extermínio de todos os credos por Mao não resultou...
    Beijinhos
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não resultou e o número de católicos na China não pára de crescer.
      Quem critica a decisão de Francisco recusa perceber isso, Majo.
      Beijinhos

      Eliminar
  14. é de todo o interesse da igreja católico "normalizar" as relações com o clero da China. É daqueles países, pela sua influência, dimensão e sobretudo população, que não se quer como inimigo.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares