19 de maio de 2016

Policiamento comunitário e agent provocateur


As forças policiais em Macau deram a conhecer a intenção de introduzirem na sua acção de combate ao crime as figuras do policiamento comunitário e do agent provocateur.
Policiamento comunitário direccionado para o combate  aos crimes relacionados com o tráfico e o consumo de estupefacientes, o agent provocateur direccionado à criminalidade na  área dos jogos de fortuna e azar.
Acredito que estas opções tenham sido muito bem ponderadas e venham a ser objecto de regulamentação muito cuidada e rigorosa.
Sobretudo no intuito de evitar que o polícia-cidadão não se venha a revelar afinal um simples bufo, muito menos um justiceiro.
E que o agent provocateur, como alertou Jorge Neto Valente, não resvale para um instigador, deixe de ser um mero observador para passar a ser parte activa no crime que venha a ser cometido.
Podem ser boas ideias mas confesso que me causam algum incómodo.
Incómodo que só será ultrapassado se a regulamentação legal das respectivas actividades não deixar lugar à menor réstia de dúvida acerca do que se espera de cada uma destas figuras e das práticas admissíveis para se alcançarem os resultados pretendidos.

20 comentários:

  1. Tenho uma certa desconfiança da introdução do cidadão-policia isto presta-se a muita coisa se não for muito bem regulamentado.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Presta-se à mais pura bufaria, Francisco.
      E o agent provocateur, se não houver cautelas, pode ser ele próprio cúmplice de um crime que em vez de presenciar e testemunhar, instigou.
      Aquele abraço, continuação de boa semana

      Eliminar
  2. Sinceramente não consigo ter uma opinião bem formada quanto a estas novas medidas. Acho que só mesmo depois de implementadas e de ver o grau de sucesso e de atuação é que poderei opinar.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero bem que se revelem eficazes e não desacambem para o disparate, Chic'Ana.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. " (...) se a regulamentação legal das respectivas actividades não deixar lugar à menor réstia de dúvida acerca do que se espera de cada uma destas figuras e das práticas admissíveis para se alcançarem os resultados pretendidos".

    Será que resulta, Pedro?
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso algum receio, António
      Vamos ver e acompanhar com atenção.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Porque será que não tenho lá muita confiança na eficácia dessas medidas de combate ao crime, Pedro?
    Não me cheira lá muito bem.
    Mas o Pedro, mais adiante, nos contará. :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim também cheira a esturro, Janita.
      Oxalá não seja assim.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Olá!

    Decidi mudar o nome do meu blogue por achar que, actualmente, o nome anterior não se identifica comigo.

    Por isso, se quiseres continuar a seguir-me, acho que é melhor adicionar o novo link à tua lista de leitura.

    Obrigada!

    http://the-freckled-girl.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Pois realmente será de desconfiar. Ver para acreditar,
    não é?
    Abraço amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem mesmo que ser assim, Irene Alves.
      Desconfiado, confesso que estou.
      Um abraço

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Pois, eu também não, Carlos.
      E confesso algum receio acerca do que daqui poderá sair.

      Eliminar
  8. Partilho estas suas reflexões, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver no que vai dar, São.
      Pulga na orelha, confesso que deixa.

      Eliminar
  9. A mim também me incomoda, em alguns casos pode ficar a dúvida se o dito criminoso teria cometido o respetivo crime se não fosse a existência de um instigador. Não os existem já suficientes, sem a polícia ter de assumir esse papel? :P

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E pode ficar a dúvida se o instigador não será cúmplice do crime que venha a ser eventualmente cometido, Teté.
      Mesmo em termos de valor probatório, tenho muitas dúvidas acerca da eficácia de uma medida destas.
      Beijocas

      Eliminar
  10. A favor do infiltrado, muitas reservas quanto ao provocador.
    Mor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inteiramente de acordo.
      O agente infiltrado é uma boa ideia em muitas situações.
      Provocador??
      MUITO cuidado para o agente não se tornar cúmplice de um crime que instiga.

      Eliminar